Maratona de Paris: will I always have Paris?

9
2784

Depois de no ano passado ter apanhado uma enorme decepção quando não consegui inscrever-me na Maratona de Paris, este ano tratei de tudo com a devida antecedência e já tenho inscrição e viagem marcadas. A corrida será a 6 de Abril, o que significa que tenho dois meses para preparar a prova, um prazo apertadíssimo, e que me vai obrigar a um esforço extra.

Há seis meses, mais ou menos, quando decidi que iria correr em Paris, estabeleci como objectivo conseguir fazer a prova na casa das 3h30. Achei o objectivo razoável, já que teria muito tempo para preparar a corrida. Mas as coisas não correram bem como planeado, e acabei por ficar muito tempo parado, sobretudo depois do nascimento do Mateus, que abalou totalmente as minhas rotinas de treino.

Agora, a 60 dias da prova, sei que as 3h30 me parecem um sonho, e o mais sensato será baixar as exigências e tentar apenas aproveitar a prova, uma das mais bonitas do mundo, saborear aquela paisagem, a descida dos Campos Elíseos no meio de 40 ou 50 mil pessoas. Era nisso que eu me deveria focar. Mas sou demasiado competitivo e exigente para isso. E tenho um argumento a meu favor.

O ano passado, em Agosto, resolvi iniciar um plano de treinos para correr a Maratona de Lisboa, que foi a 6 de Outubro. Pedi ajuda um personal trainer de corrida, que me acompanhou num treino e que me enviou uns planos por mail, com uma série de dicas. Só que por esta altura o Mateus tinha 15 dias e os sonos totalmente trocados. Eu andava a dormir três e quatro horas por noite, e quando não estava a tratar dele estava a descansar para ter energia para tratar dele, e isso impediu-me de treinar.

A duas semanas da corrida, e já mentalizado de que não iria participar na Maratona, fiz um treino com um grupo de amigos com quem costumo participar nalgumas provas. Todos eles iriam à Maratona. Senti-me o fraco do grupo, e aquilo mexeu com a minha auto-estima. Não podia ser. Então, resolvi que iria tentar, pelo menos. Iria partir, correr devagar, a um ritmo de passeio, com o único objectivo de ir o mais longe possível. Achei que se tivesse de caminhar durante um hora, caminharia, mas iria terminar a maratona.

Quando parti, tinha como única marca registada 4h19m. Um tempo fraco, mas justificado pelo facto de ter corrido enquanto fazia uma reportagem, com entrevistas de vídeo pelo meio. Sabia que não iria melhorar aquele registo, mas nem sequer estava a pensar nisso. Com duas semanas de treino, era impossível conseguir isso. Então, lá fui, devagarinho, desde Cascais até Lisboa, pela marginal. E senti-me sempre bem. Passei aos 20 km tranquilamente, aos 25 também, aos 30 ainda com forças. Olhei para o relógio, e tinha 3h de corrida nas pernas. Faltavam 12 km para terminar. Foi então que me armei em campeão e resolvei tentar atacar a minha melhor marca. Acelerei o passo, aguentei até aos 35 km sem grandes dores, até que esbarrei contra o famoso “muro”. Arrastei-me até aos 38 km, e depois tive de caminhar durante 800 metros. Não dava. Estava exausto, com dores nas pernas, sem energia. Retomei o passo de corrida até à meta. Fiz 4h21, muito perto do meu melhor registo, mas com apenas duas semanas de treino.

Ou seja, estes dois meses são curtos mas não são insuficientes para me preparar. Agora, falta ver se consigo pôr em prática o meu plano de treinos. Tem de ser. Paris espera por mim. E sem em Casablanca eles se podiam dar ao luxo de dizer “We’ll always have Paris”, já eu sei que só vou ter esta oportunidade. E não vou falhar.

 

 

9 Comentários

  1. Obrigada pela informação vou passar uns dias à Disney e dia 06 era o dia disponivel para visitar Paris. Depois de ver o post mandei um mail à Disney e consegui alterar os dias das entradas. Ir a Paris com um grupo de amigos onde estão 10 crianças seria uma loucura neste dia. Mais uma vez obrigada sem este post provavelmente n nos iamos aperceber da maratona, gosto de correr mas estou mt fora das provas q existem. A proxima q vou deve ser a color run em cascais mais pelo divertimento do q pela corrida. Pensa ir?

  2. Não sei que conselho te possa dar para que o treino corra pelo melhor… mas se ajudar, tens o meu apoio para levares esse esforço a bom porto. Eu actualmente estou a treinar para a Meia de Lisboa e, gripes à parte, também estou bem atrasado para conseguir o objectivo que tenho.

    Força aí que a meta vai estar lá à espera 🙂

  3. Gabo-te a determinação.

    Já disse várias vezes que gostava de fazer uma maratona mas a verdade é que nunca me vou preparando para elas.

    Por isso, admiro todas as pessoas que o conseguem fazer, como é o teu caso.

    homem sem blogue
    homemsemblogue.blogspot.pt

  4. Faz a prova sim e não permitas sentires-te o ‘fraco’ do grupo. Cada um tem os seus contratempos, uns mais que outros (e acredito que um contratempo chamado ‘filho’ é, possivelmente, o mais delicioso de todos). Tens a admiração de quem te segue, a motivação de quem treina contigo, só tens de nos dar a inspiração. Força!

  5. Ora aqui está uma boa noticia, especialmente para si que vai ter o privilégio de ir a paris correr e apreciar como disse, tão maravilhosas imagens.
    Admiro as pessoas que têm a coragem para tomarem este tipo de decisões, confesso que jamais iria a Paris para correr, mas isso é porque sou o tipo mais preguiçoso e comodista que se possa imaginar no que toca a desportos.
    Quanto a Paris que mais haverá a dizer??
    Esperemos um foto do podium…. na cidade da luz.

  6. Força nisso.
    03:30:00 pode ser algo difícil de alcançar, mas tentar algo abaixo das 04:00:00 poderá ser exequível.

    Bons treinos e boa prova.
    PS: uma maratona ainda está longe das minhas possibilidades, já fico “roto” só com meia, mas talvez daqui a uns anos lhe faça companhia.

    Abraço.