Um país pouco Seguro

0
3005

Quem me lê há algum tempo sabe que este não é um blogue para falar da crise, para nos deprimir mais ainda, e que tenta sempre olhar para as coisas boas que ainda vamos tendo. Ainda assim, na actual conjuntura, e mesmo com o tão falado regresso aos mercados, é quase impossível fugir à actualidade política e económica, até porque são áreas que vão ter influência directa no nosso dia-a-dia.

Ponto prévio: não sou socialista, como não sou social-democrata, comunista, bloquista ou democrata-cristão. Já votei em todos os partidos com assento parlamentar (menos no CDS), e oriento o meu voto consoante os projectos e as pessoas à frente desses projectos.

Olhando para a frente, e percebendo o desgaste do actual Governo, vejo como inevitável uma vitória do PS nas próximas legislativas, daqui a dois anos. Mas o que me preocupa verdadeiramente é que este triunfo aconteça pelas mãos de António José Seguro. Não confio em Seguro. Não acho que tenha perfil de líder, nem de partido, quanto mais de um Governo. Sempre o vi como um candidato de transição, nunca como um vencedor. É um homem que a máquina do PS teve de queimar aquando desta travessia no deserto, que foram os primeiros anos de legislatura de um novo governo, fragilizado, amarrado a um passado duro e agarrado a um resgate financeiro da Troika. O PS não podia elevar muito o tom, porque sabe bem que tem culpa na actual situação, e, por outro lado, também não pode colocar grandes entraves às políticas do PSD/CDS porque tem consciência política e sabe que emperrar o Governo seria estar a abrir uma crise política que iria piorar muito a situação do País. Com tudo isto, nada melhor do que um líder fraco, sem carisma, e ambicioso, como Seguro, para levar o barco.

Sempre achei que por esta altura, António Costa iria perfilar-se para a sucessão. O pior já passou – o tal período em que ser líder era uma missão inglória -, e vem aí a hora dos grandes debates políticos, das linhas de discussão do futuro de Portugal. É por agora que queremos que comece a desenhar-se uma alternativa credível ao Governo do PSD, alguém que nos devolva a esperança que Passos Coelho e Vítor Gaspar nos têm roubado.E António Costa é uma das poucas pessoas dentro do aparelho socialista capazes de encabeçar essa alternativa. É um homem experiente, inteligente, que lidera (a meu ver, muito bem) a câmara de Lisboa, e tem a credibilidade que Seguro não tem.

Foi por isso, com grande preocupação, que assisti a este primeiro recuo de Costa. Eu percebo que ele quer ter a certeza de que não queima a candidatura a Lisboa (Seara já começou a tirar partido desta indecisão), mas Costa tem de decidir rapidamente se quer ser presidente da câmara ou primeiro-ministro. Assobiar para o ar é tudo o que não espero de um homem a quem reconheço espírito de liderança.

Se Costa não avançar, e Seguro for a votos contra Passos Coelho, muito sinceramente, acho que o PS arrisca-se a ter a mais vergonhosa e inacreditável derrota política de sempre. Sim, porque perder contra o Governo mais fragilizado e contestado de sempre não está ao alcance de todos – só mesmo de um péssimo líder.

1 Comentário

  1. Nem mais nem menos! Eu ando c'o coelh'atravessado – como toda a gente – e como tu, não tenho preferência política, de todo.
    Mas estarreci a minha cara metade quando há pouco mais de 24 horas lhe disse que, se Seguro encabeçasse a lista do PS, VOTAVA OUTRA VEZ PSD.
    Não confiava ao A.J.Seguro nem uma hora a babysittar as minhas gatas…

  2. Verdade! Esperemos que não nos saia outro megalómano como o Sócrates, que arruinou isto e não lhe aconteceu nada!
    Devíamos fazer como na Islândia, um governo feito de povo, sem políticos, transparente! Mas os comodistas dos portugueses não se querem chatear…

  3. Pense bem no seguinte: Antonio Costa fala muito bem, é certo… A. Seguro não deixa passar segurança, não tem carisma… ok.
    Mas Olhe que o António Costa não é assim tão certinho e dito por quem trabalha perto dele na camâra este senhor está atulhado em lodo.
    Por isso lhe digo nem sempre aquilo que parece é, e mais uma vez vamos ser iludidos por um mágico tipo Sócrates que diz aquilo que gostamos de ouvir e outros não dizem. Sabe Arrumadinho ás vezes mais vale menos carisma e mais verdade… O tempo o dirá ou não…se o Seguro não será melhor opção!

  4. Se os lisboetas derem a câmara ao Seara é sinal que, definitivamente, enlouqueceram.
    🙂

    Gosto do Costa mas estou a gostar muito das intervenções da Catarina Martins.

    PS: A luz ao fundo do túnel é do comboio em alta velocidade na nossa direcção…

  5. Pessoalmente acho que devemos exigir aos partidos melhores alternativas. Nem Seguro nem Costa. Simplesmente não têm provas dadas que são capazes de liderar o país nestas circunstâncias.

  6. Anónimo, a questão aqui é a escolha entre Seguro e Costa no PS e quem terá capacidade para fazer frente ao governo atual. Acalme-se lá porque precisamos de oposição forte, independentemente de quem estiver no Governo…

  7. O António costa?? Alguem aqui lê o blog Má despesa publica? É um blog q fala das falcatruas que por ai andam, e a câmara de Lisboa está sempre lá batida! Estou a sofrer com a crise como toda a gente, mas se há uns tempos so queria que o passos e Gaspar ardessem, hoje espero que ganhem as eleições, não sei se amanha vou pensar o mesmo. Mas já há uma luz ao fundo do túnel, ja se ouve falar em melhoramentos, que acredito piamente que com o PS só vamos voltar de onde viemos, do desperdício, de gastar todo o dinheiro e bens não transaccionáveis, estradas, aeroportos e até TGV, What a fuck?!
    O Gaspar tocou-nos forte na ferida, mas pode ser que o país se esteja realmente a limpar, já para não falar no grande crescimento de empreendorismo a que temos assistido, ao regresso à produção agrícola… Foi preciso bater no fundo para se começar a fazer bem as coisas!

  8. Concordo plenamente. Confesso sou socialista, mas tb não acredito em confio em Seguro. Acredito, como tu, que António Costa será uma boa alternativa para o país nas próximas legislativas. Fiquei também descontente com este recuo, mas acredito que ele não quer estar envolvido em "polémicas" com Seguro, nem semear a discórdia. Está a ser cauteloso, embora este fosse o momento. Acho que Seguro está a sentir-se tão confiante para uma candidatura a PM que António Costa está neste momento a pensar, "deixa-o sonhar mais um bocadinho". Qq coisa do género, espero. Mas que não demore muito.

  9. A entrevista de ontem em "Negocios da Semana" na SIC noticias a Seguro mostra as suas limitaçoes.

    Parece um miudo que lhe foi ensinado dois pequenos textos, ele decorou-os e ali anda todo contente.

    Renegociar a divida e crescimento economico, sao as palavras que a maquina lhe ensinou. So nao lhe disserem é como se promove o crescimento economico e que timing é preciso ter para negociar a divida

    Se ele for vencedor daqui a dois anos, será o descalabre.

    PS:Gosto da postura de Antonio Costa e acho uma alternativa credivel

  10. Costa recuou, porque ainda é cedo. É prematuro demais. Descansa que eles não dão ponto sem nó, e que quando participam com regularidade em programas de TV seja para falar de politica ou futebol, já têm em vista cargos politicos, sejam camaras ou para primeiro ministro.

DEIXE UMA RESPOSTA