Post aberto a Nuno Markl

0
5068

Caro Nuno Markl

Há alguns anos que me fazes rir com as tuas pesquisas por esse maravilhoso período que foram os anos 80. Tem sido óptimo ouvir-te falar dos jogos do Spectrum, dos Três Duques, do Kit, da Jane Fonda e dessas coisas todas. Admiro a forma como te informas sobre estes assuntos e acho que te deves divertir imenso a recuperar material verdadeiramente precioso que nos obriga a tirar o pó a memórias que pareciam perdidas para todo o sempre.

Mas ontem estava na cozinha, a arrumar coisas, e da televisão da sala vinha a tua voz, no que percebi, depois, ser uma entrevista do Daniel Oliveira, naquele programa em que ele tenta pôr toda a gente a chorar. E lá estavas tu, outra vez, com a conversa dos cromos e dos 80s. E não consegui ouvir-te. Porque já não dá mais. É só mais do mesmo, há anos e anos. Já falaste de tudo o que havia para falar, já desconstruíste vezes sem conta todos os cromos relevantes daquela época, já viajaste por outro cromos menos interessantes só para teres material novo, já reciclaste piadas, já papagueaste ideias que ouvi 289 vezes em entrevistas diferentes e já não consegues dizer mais nada que ainda mereça ser ouvido e que soe a novo (se é possível soar a novo quando se fala dos anos 80 – mas percebem o que quero dizer).

Neste momento, o Nuno Markl, humorista, foi consumido pelo Nuno Markl, o cromo dos 80s. Quando ouço a tua voz já sei que vêm aí histórias dos anos 80, e isso é mau para o ti, Nuno Markl humorista, que já fizeste coisas absolutamente geniais noutros registos. Tenho saudades de ti, Markl humorista. Estou cansado de ti, Markl saudosista.
Está a passar-se contigo um processo um bocadinho parecido ao do Herman José, que entrou num registo cómodo do qual não mais conseguiu sair. Só que às tantas esse registo, que já foi surpreendente e genial, cansou. Esgotou-se. E virou-se, até, contra ele, deixando no ar a ideia de que ele não tinha capacidade para se reinventar.

Mas eu sei que tu tens essa capacidade, porque não vives de aparecer, mas sobretudo do que escreves, e o que escreves consegue ser do melhor. Agora, é preciso que escrevas. E que escrevas coisas novas.

Já terminaste a caderneta três vezes, já tens um monte de cromos repetidos que te davam para fazer um bom dinheiro a vendê-los no Rossio, por isso, deixa lá os 80s e volta para nós.

Um admirador.

1 Comentário

  1. Bem visto! Penso exactamente o mesmo embora já tenha deixado de achar piada ao Markl há bastante mais tempo. No domingo fui ‘forçado’ a ver as Telebaladas e sinceramente… está na hora do Markl arranjar outra profissão. Parec-me que o humor dele é cada vez mais restrito.. quae que arisco a dizer que o humor dele é para ele e uns quantos amigos.

  2. Hihihi!
    Bem exposto o ponto de vista.
    E não é que me aconteceu parecido ao ver a entrevista na TV? E vi-o à pouco no 5 para a meia-noite. Achei-o um tanto inseguro e não teve mão nas convidadas. Já o Zé Pedro surpreende-me sempre pela positiva. Imensos imprevistos que sabe tornar interessantes e observações e comentários certos.

  3. Olá Vera. Eu não disse que achei errado o Markl falar dos cromos na entrevista do Daniel Oliveira. Nem sequer falei da forma como a entrevista foi conduzida. Áliás, só falei da entrevista porque quando liguei a televisão e ouvi o Markl ele estava a falar com o Daniel Oliveira. E a falar de quê? Dos cromos. E o post é sobre isso, sobre o facto de o Markl estar a ficar unicamente conotado com cromos, com os anos 80, os Spectrums e o Kitt ou o Barco do Amor. Não tem nada a ver com a entrevista ou com o Daniel Oliveira, mas sim com o facto de começar a existir aqui uma espécie de efeito Pavlov – ouves o Markl e pensas imediatamente em anos 80. E isso é mau para ele, porque ele é muito mais do que isso, apenas deixou de o mostrar.

  4. Foi pena não teres ouvido tudo, então, pois eu vi a entrevista e ele falou da várioas aspectos da sua vida: o pai, a adolescência, a escrita, as personagens que criou e, claro, os cromos. Falou de tudo porquê? Porque falam todos, as pessoas não chegam e começam a debitar informação, são conduzidas na entrevista que é feita pelo Daniel Oliveira.
    O Daniel Oliveira, de quem já ouvi as piores considerações em blogs, especialmente de jornalistas, também me parece que tem ali alguma coisa de parvo, no entanto, acho que tem alguma criatividade e já criou vários formatos de sucesso na tv, este é, sem dúvida, um deles.
    Gosto daquele programa desde o início, especialmente porque as pessoas – que não acabam sempre a chorar de forma forçada – dão ali um bocadinho mais de si, humanizam-se perante o espectador, acho isso interessante.
    Isto para dizer que gosto da maioria dos teus posts mas este pareceu-me um bocado infundamentado.

  5. Mas se ele está em digressão pelo país, com sessões de autógrafos por causa do livro, não faz sentido que fale do mesmo sempre que aparece? A mim parece-me que sim, é uma questão de estratégia. De qualquer forma, o Markl é suficientemente inteligente para arranjar muitos outros temas, mas enquanto este vender, é natural que se agarre a ele.

  6. Visito o teu blog diariamente e fico sempre satisfeita, mas discordo completamente com critica escrita neste post. Sou fa do markl e adoro a rubrica da caderneta de cromos, a qual ouco todos os dias, e penso que tem uma perspectiva inovadora na forma como traz o passado para os dias de hoje. So espero que esta rubrica se mantenha por mais tempo, e considerando a quantidade de fans acho vai continuar. cumprimentos

  7. Discordo.
    Hoje em dia todos os jornalistas (bons ou maus) escrevem livros em Portugal ainda bem que ele, humorista, escreve algo interessante.

  8. Concordo em número, género e grau. Gosto muito do Markl, mas a verdade é que ele ficou preso ao passado, aos complexos que tinha, e agora não consegue fazer outra coisa se não tentar expurgar essas memórias. Sei que vai soar a psicanálise barata, mas acredito verdadeiramente que o Markl precisa de deixar para trás a criança que já foi. O tal "luto" da infância de que os psicólogos falam, impõe-se aqui. Ele continua a assumir-se como o caixa de óculos gozado e desastrado, mas está na altura de fazer esse rapazinho perceber que já cresceu.

  9. Não concordo nada. O Markl também anda a fazer outras coisas. Vocês é que ainda não repararam. E que mal tem ele dar ênfase ao que lhe dá mais gozo? Daqui a um tempo já será outra coisa, certamente.
    🙂

  10. Não concordo, embora perceba o ponto de vista. O programa de rádio é um bom programa que irá acabar, possivelmente em breve. Outra coisa, é a entrevista de Sábado. Faz parte do trabalho do Nuno Markl este tipo de coisas. Podemos ou não gostar do Daniel Oliveira, mas ele tem o seu registo e era a entrevista possível. Acho que o público do Alta Definição não é o mesmo das Manhãs da Comercial, por isso não me chocou nada aquela entrevista. E ele falou de outras coisas, não se cingiu à caderneta de cromos. E o Nuno Markl continua a escrever outras coisas. Podem é não ter a mesma visibilidade da Caderneta de Cromos ou do Daniel Oliveira.

    Maria Inês Câmara

  11. O Stressado também sou grande fã do Herman e por isso o critico. Ainda que isso possa parecer contraditório.
    O Herman é inteligente, culto e tem certamente mais para mostrar.
    O meu nick como deve calcular é mera brincadeira.

  12. O Stressado também sou grande fã do Herman e por isso o critico ainda que isso possa parecer contraditório.
    O Herman é inteligente, culto e tem certamente mais para mostrar.
    O meu nick como deve calcular é mera brincadeira.

  13. Discuti os Cromos com a minha irmã. E até pensei fazer um post em relação a isto, quando aqui venho seguir-te pela primeira vez ("ah, eles são tão queridos, escrevem bem, bla bla bla") e vejo a carta aberta ao Markl. Foi um bocado triste ver que me roubaste material.

    Em resumo, para dizer que subscrevo na íntegra.

    Markl, come um bolicao, saca o cromo e vais ver que ele te diz: "'Tou saturado".

    http://simaoescuta.blogspot.com

  14. Concordo, mas acima de tudo gabo a coragem pelo post, pois no nosso rectângulo este tipo de "critica" é mais visto como inveja do que uma tentativa construtiva de melhorar algo que gostamos muito.
    Sempre lá.

    Ps: já estou a ver o markl encontrar o arrumadinho e dar-lhe dois estalos como o J.Canijo a um critico de
    cinema (surreal),!

    PL

  15. Compreendo a ideia mas não concordo. Ainda há muito para explorar nos cromos dos anos 80. Nuno Markl humorista ainda está vivo, talvez esteja a expor-se em demasia, ser entrevistado pelo Daniel Olivera com as suas magnificas perguntas… é uma tortura que ninguém merece.
    E já faltava a crítica ao Herman. Portugal é exímio em querer matar quem muito nos deu e continua a dar. É claro que as pessoas (os artistas) envelhecem e os tempos de glória já não são os mesmos. O humorista passou ao apresentador, mas cada nova rábula é sempre surpreendente e inigualável. O Herman do “Tal Canal” já não existe, os artistas têm de se reinventarem assim como as pessoas têm de aprender a vê-los noutros registos.
    Cabra Nazi, nunca um nome assentou tão bem… Cabra (desculpa mas é mais forte do que eu).
    Sou um defensor do Herman (não sei se deu para perceber) e do Markl, que tem um filho para sustentar.

  16. Também estava a ouvir a entrevista ontem e não consegui prestar atenção por muito tempo! Já não tem piada. Aborrece e também me parece que estou sempre a ouvi-lo dizer as mesmas coisas por mais anos que passem.

  17. Compreendo-te, mas eu ainda gosto e ainda não me fartei. Existem uns melhores que outros, mas ainda vou gostando, se calhar porque tenho 40 e muitos anos :). Mas se ele acabar com os cromos, fico pacientemente a aguardar novidades porque também eu sou uma grande admiradora dele. Bjs.

  18. foi exatamente isso que pensei quando vi ontem a entrevista e la estava ele a contar a parte do episodio do casaco do miami vice pela 10000 vez.
    Gosto muito dele, mas já se pede um refresh…
    mena

  19. Completamente de acordo! E é engraçado que ao ler este texto ia precisamente pensando no Herman José que não sei por que carga de água se "instalou" nas glórias passadas! Ok podem ter sido e foram importantes mas já não há paciência para entrevistas onde mais uma vez nos vem falar do Hermanias, do Casino Royal, do Serafim Saudade etc… com este é o mesmo, há como que uma "colagem" bastante aborrecida, será que não se apercebem??

DEIXE UMA RESPOSTA