O mundo do oculto

124
28874

Em pequeno já ouvia aquelas conversas macabras sobre espiritismo, gente que fala com mortos, videntes que acertam no futuro e mais não sei o quê. Eram quase sempre entre a minha mãe, avó, irmã, tias e aquelas pessoas que eu sei que são da família mas que não consigo perceber bem o laço (a minha irmã é que domina isso tudo). Havia naqueles diálogos e naquelas histórias qualquer coisa de fascinante para toda a gente, até para mim, que nunca acreditei em nada dessas coisas, e continuo a não acreditar, mesmo que me mostrem exemplos concretos — vou sempre achar que é uma tanga qualquer e que foi alguém que contou qualquer coisa à vidente.

De qualquer forma, estas coisas são magnéticas, mesmo para os cépticos.

O que acho mais intrigante no meio disto tudo é o ver que há imensa gente educada, estruturada, culta, com estudos, que acredita nestas tangas (palavra minha, atenção, máximo respeito por quem acredita) e leva isto tudo muito a sério. E tenho vários exemplos na família.

Há dias, a minha irmã, que é a rainha do oculto, lá nos chegou com mais novidades da vidente, uma senhora que já trabalhou para o François Mitterrand e que vive numa mansão de luxo nas Caldas da Rainha. Ao que parece, a bruxa já sabe tudo sobre o destino de toda a minha família. Vai haver gente com muito sucesso, vai haver uma morte, mais crianças a nascer, pessoal cheio de dores de ossos, malta que vai emigrar e descobrir a luz e mais não sei o quê. Claro que esta senhora diz isto tudo, mas também há uns anos adivinhou tudo o que entretanto se passou na minha vida e na vida de todos os meus familiares — estas histórias são sempre assim, há sempre um passado de grande crédito que torna as previsões fidedignas. (Só um parêntesis dedicado à minha amiga Maya: Querida Eunice, sabe que gosto muito de si, mas pronto, temos visões diferentes em relação a estas coisas da adivinhação. Mas amigos como sempre, está bem?).

Reagi a tudo isto com um grande sorriso, porque estas coisas só me dão para rir. Mas acho absolutamente fascinante o efeito que estas videntes têm nas pessoas, e em muitas pessoas. Segundo a minha irmã, esta senhora que lança cartas vive numa mansão gigantesca, absolutamente luxuosa, com piscina interior e exterior, e quase não tem agenda para receber ninguém durante os próximos meses. Quem vai paga o que acha justo. E mesmo assim ela atingiu uma fortuna colossal.

Como sou fascinado por estas coisas, mesmo que não acredite nelas, gostava de deixar aqui um desafio: alguém tem daquelas histórias incríveis em que conseguiram falar com alguém que já tivesse morrido e conversaram sobre coisas que só os dois sabiam? Ou isto é mais uma daquelas coisas em que toda a gente diz que tem um amigo a quem isso aconteceu, mas nunca passaram efectivamente pelo caso? Se tiverem histórias, partilhem, que isto vai ser animado.

124 Comentários

  1. Tenho a dizer que a Bruxa do Pego é uma fraude.
    Fui lá pra uma questão de orientação, e ela nem o nome me perguntou. Mandou 5 ou 6 perguntas para o ar, em que caso eu respondesse que sim ela teria um seguimento, e no caso de repsonder não teria outro. Francamente, ia com elevada expectativa, mas afinal esta gente quer é dinheiro. Impinge-me umas coisas para queimar 80€!!!! Sem grandes explicações de qual o objectivo. Não trouxe nada, e para quem diz que não leva nada para ajudar, ficou-me com 20€ da “consulta”…
    Um perfeito esquema de ganhar dinheiro…. sem recibos…. não sei como não há fiscalização….

  2. Eu não acreditava nestas coisas, o certo, é que de há um tempo para cá, a minha vida começou a correr mal, já várias pessoas que me disseram que sou vitima de invejas e de trabalhos de bruxaria e que devo fazer uma limpeza espiritual. Já alguém fez? será que resulta? Como devo fazer e será que a minha vida pode mudar para melhor?

  3. Olá

    Eu fiquei curiosa, eu acredito nessas coisas, mas acredito que há muitos burlistas. Podes dizer-me o contacto dessa cartomante amiga da tua mãe, pois há muitas mas falsas, e esperamos sempre de testemunhos para nos ajudar a encaminhar às pessoas certas.

    Meu mail: isabelcastro-13@hotmail.com

  4. Eu já, e os meus pais também. Eles contam que era alguém em cima deles, alguma bruxa ou algo do género. Eu acho que apenas é uma “espécie” de sonho.

  5. Eu sou como o Arrumadinho, até provas concretas tenho dificuldade em acreditar. As videntes dizem (normalmente) coisas óbvias e gerais que acontecem a 98% dos seres humanos ao longo da vida. E muitas das previsões são as pessoas que condicionam a vida para ‘encaixar’.

    Do género ‘daqui a uns anos vai emigrar’. Surge uma oportunidade para isso, a pessoa emigra e diz ‘Cum catano, ela tinha mesmo razão’.

    Não não tinha, foi opção sua ela ter razão. Podia ter cá ficado.

    ‘Vai ter um grande amor e vai sofrer’ – apaixona-se por um traste, sabe que é um traste, mas continua com o traste. Depois diz ‘ela tinha razão, ele foi um grande amor e fez-me sofrer. Se sabia que era um traste saltasse fora.

    E pronto é esta a minha opinião sobre videntes e os seus ‘clientes’.

    Outra coisa bem diferente é acreditar que existem por aí forças ocultas a vaguear, não consigo acreditar que quando morremos a alma acaba e evapora-se. Como tal acredito que existem muitas alminhas por aí que coexistem connosco, ou seja, estamos no mesmo espaço mas não nos cruzamos.

  6. Sim, mas não deixa de ser um pouco de ”copianço” descarado! O que a senhora fez foi simplesmente aproveitar-se da originalidade alheia. Tipo versão “Made in China”.

  7. Olha Arrumadinho, eu já vi o meu tio a falar com pessoas que já morreram. Não era suposto ter visto, entrei na hora errada, no local errado.
    Eu acredito, mas não quero falar sobre isso.

  8. Acho giro porque a maioria tem a tendência de dizer.Não acredito…mas aconteceu-me!

    Eu também sou assim. Uma coisa que me assusta, é sonhar com dentes a cair. Porque alguém me disse que significa morte próxima…

    E acontece. Já me aconteceu várias vezes. Deste morte de familiar próximo ou de amigos, conhecidos. etc. Fico em panico quando isso acontece!

    Não investigo o assunto do paranormal..porque me assusta! mas atrai!

  9. Pesquise por “paralisia do sono” e vai perceber o que é que estas pessoas estão a relatar.

    Também tenho ocasionalmente, lembro-me de uma vez estar completamente paralisada, olhos abertos, e ouvir pessoas a rezar baixinho, como se fosse um velório…foi assustador 🙁

  10. Há uns 16/17 anos(unica vez que consultei alguém) uma cartomante fez previsões bastante específicas da minha vida. Desde relações amorosas (idade do futuro marido, quando o ia conhecer), a número e sexo dos filhos, ao percurso profissional (local de trabalho e quando), entre outras coisas… Tudo se concretizou. Tudo!

  11. Não tomo nadinha… nem café. Nem ando a fumar nada. 😉
    De facto a medicação pode contribuir para tal.
    Tirado da wikipédia:

    A indução consciente da paralisia do sono também é uma técnica comum para entrar em um estado de sonho lúcido ou projeção da consciência.
    – Dormir de barriga para cima
    – Agenda de sono irregular; cochilos; privação de sono
    – Stress elevado
    – Mudanças súbitas no ambiente ou na vida de alguém
    – Um sonho lúcido que imediatamente precede o episódio.
    – Sono induzido através de medicamentos, como anti-histaminas
    – O nível elevado de cansaço poderá também estar na origem da paralisia do sono.

  12. Eu não sei se 12 minutos é muito ou não. Sei que o meu Pai me contou que já tinha passado por isso uma única vez. Que tinha “morrido”, que tinha visto o seu próprio corpo de cima, visto uma luz muito intensa, e que por qualquer razão, regressado ao seu corpo. E que a partir daí ficou com menos medo de morrer, porque a sensação era muito boa.

  13. Vocês desculpem, mas a única vez que alguma coisa do género me aconteceu for por ter tomado um medicamento que tinha precisamente como efeito secundário alucinações.
    Vi um elefante enorme a abeirar-se da minha cama e eu via tudo do meu corpo, mas sem me poder mexer ou gritar. Foi horrível, de facto, mas foi da medicação!
    Os que sentem isso não tomam nada para dormir, ou outro tipo de substâncias?!

  14. Sim, uma ou duas vezes. Foi muito estranho e assustador.Eu estava acordada mas não conseguia mexer-me. Da última vez em que isso aconteceu, só consegui mexer-me após adormecer e acordar novamente.

  15. Mais ou menos um ano depois da morte do meu irmão, a minha mãe decidiu jogar ao famoso jogo do copo com as amigas. Pelo que ela conta, ‘apareceu-lhe’ um menino. Não sei mais pormenores, porque, por ser um assunto tão delicado, ela recusou-se a dizer mais do que isto.

  16. Tenho sonhos premonitórios há muito tempo. Não é a sensação de que já passei por isto, são cópias exatas do que sonhei e que se repetem, seja no local, nas roupas e na fala das pessoas. Para mim é muito confuso porque não sei porque tenho estes sonhos que até nem são controlados por mim. Não posso sonhar com o número do euromilhões ou o que vai acontecer em determinada situação.
    Uma das coisas que lembro-me e que me marcou, foi um sonho que tive com a parede da mais antiga cervejaria de Strasbourg. Na hora não soube dizer o que era nem o porquê de tudo ser diferente: as ruas, as pessoas. Meu marido esteve mais de um ano desempregado e seis meses depois do sonho, deparo-me com o mesmo muro, as mesmas pessoas vestindo as mesmas coisas. Gostaria tanto que a ciência se dedicasse a isto! Porque eu mesma não tenho explicação, ao menos conto ao marido e ele por já ter visto as confirmações não me acha (tão) louca lol.

  17. Pois eu respondi martelo vermelho! Fiquei e ainda estou pasma com isso! Não percebo alguém explique sff!! Como é que adivinharam?? Há coisas estranhas de facto.

  18. Isto aconteceu-me há alguns anos.

    Faltavam 8 dias para casar e como andava com os nervos meio à deriva, resolvi ir à Estufa Fria, no Parque Eduardo VII. Descontrair. Existia um lago com patos (penso que eram patos) sentei-me na beira e desliguei-me do resto do mundo por breves minutos, de repente sou ‘acordada’ por uma mulher que me tinha agarrado na mão (assustou-me, cruzes!) olhou-me fixamente e disse-me: vais casar, mas esse casamento não vai dar certo, vais ser infeliz e vai durar pouco tempo… mas não te preocupes, casarás novamente e aí serás muito feliz.

    Eu, de tão aflita que fiquei, arranquei a minha mão da dela e sai dali apressadamente.

    Casei realmente 8 dias depois e o casamento durou uns míseros 4 anos. Ainda estou à espera do segundo casamento e da promessa eterna de felicidade. Acho que é melhor sentar-me… ou deitar-me, só naquela de não me cansar.

  19. Olá Ricardo,
    Acredito que não acredite nestas coisas mas a verdade é que só passando por elas é que se consegue ter uma critica consistente.
    Tenho uma amiga que é a minha cartomante e a da minha mãe. Mais recentemente passou a ser também do meu namorado.
    A leitura é feita com cartas normais de jogo e posso dizer-lhe que todas as ‘adivinhações’ acontecem sem sombra de dúvidas!
    Posso dizer-lhe que sempre que diz que alguém vai falecer isso acontece. Antes de começar a namorar com o meu actual namorado disse-me que o meu próximo namorado ia morar às portas da minha casa e que ia ser tudo muito rápido a acontecer. A verdade é que eu já o conhecia e não tinha nenhuma ligação mais próxima a ele.
    Entre estes exemplos muitos mais tenho 🙂
    Se quiser dou-lhe o número e tira todas as dúvidas 🙂

  20. Bem Ricardo, não posso deixar de contar esta historia que me tem deixado… vá indignada, tendo em conta que sempre pensei da mesma forma que tu( e continuo mas com algumas interrogações).
    A minha mãe tem uma amiga, não de há muito tempo, que segundo a minha mãe manda coisas para o ar que lhe deixa de boca aberta, ganha ZERO com isto, assume-se como tendo um dom mas diz que usa apenas com familiares e amigos.
    Exemplo: a minha mãe comenta com ela… “o meu filho perdeu a carteira andamos à procura há imenso tempo e nada” passado 10 min e de ela estar calada diz ” Vai para casa que ela está lá e vai te aparecer hoje. A minha mãe esquece completamente o que ela diz porque também não acredita em nada nisto… abre a gaveta dos sacos de plástico e lá estava a carteira?!?! Esta semana a minha mãe comentou com ela que lhe doía o joelho há uns tempos. Ela mete a mão do joelho e faz uma reza qualquer e a minha mãe diz que na verdade passou-lhe. Isto são apenas exemplos. Volto a repetir ela não ganha nada com isto. Ultimamente tenho me questionado que será que não há mesmo pessoas com dons? Ainda tenho dúvidas mas….

  21. Off: Só notei agora que há mais Anas por aqui. Para não confundir os leitores, sou a Ana que tentou dar lógica à vidente referida pelo arrumadinho.

    Não tinha lida os comentários, mas creio ser importante acrescentar a sabedoria da minha mãezinha, para ajudar pessoas que possam ter familiares a dar dinheiro a videntes.

    Segundo a minha mãezinha, as pessoas com verdadeiro dão NÃO PEDEM DINHEIRO. Ajudam sem pedir nada em troca, se bem que algumas pessoas depois podem ou não dar-lhes alguma coisa pelo serviço prestado.

    Se se acreditam no oculto, aconselho mesmo a tentarem saber de pessoas que fazem os seus trabalhos sem pedirem pagamento.

  22. Não me acredito em videntes. Se o exemplo que você deu no texto for mesmo as palavras exactas da senhora, é normal que a vidente tenha “sucesso”. Em todas as familías há mortes, nascimentos e quem tenha ou não sucesso. Quanto aos ossos, quase toda a gente sofre disso com a idade e o emigrar com esta crise também é um bocado óbvio.

    Juro que se não tivesse um código moral muito formal também eu era vidente. Qualquer pessoa que saiba um pouco do pânorama geral pode mandar opiniões sobre o futuro económico. Quanto às outras coisas, é fácil parecer vidente com generalizações, como o típico “vai ter um grande amor na sua vida”, “vai ter momentos baixos, mas vai superá-los” e afins.

    Quanto a outras experiências mais “ocultas” posso dizer que nestes últimos 4 anos morreram-me familiares muito próximos e que pouco antes de eles morrerem tinha pesadelos com eles. Isso e às vezes ainda parecer que sinto a sua presença.

    Contudo, sou bastante céptica e uma parte de mim tem quase a certeza que sonhei com esses familiares apenas porque estavam em estado terminal e era óbvio que isso ia acontecer, sendo que o meu inconsciente estaria já a sofrer. Quanto à presença, pode perfeitamente ser apenas psicológico e motivado pela saudade.

    A minha mãe diz que é normal o que senti porque na nossa familía existem (segundo ela), várias pessoas com aquilo que se chama “morada aberta”, sendo que também temos espiritistas. Já pensei em tentar saber mais, mas como não falo com esses familiares, prefiro continuar céptica ao invés de perder dinheiro com um potencial burlista.

  23. GMC, já pensaste que pode ter sido apenas um sonho lúcido associado a paralisia de sono? Como acordaste a gritar pode ter sido apenas alucinações associadas a essa “perturbação”. Não tenhas receio pois o teu medo alimenta cada vez mais a perturbação. Se não tiveres receio e enfrentares o problema vais ver que nada te fará mal e que “isso” acabará por desaparecer.

    E quanto ao comentário da Sara, não ligues. Temos que respeitar os fracos de espíritos que não conseguem compreender a perspectiva das outras pessoas.

  24. Sei perfeitamente do que estás a falar Nuno, já me aconteceu várias vezes. Uma sensação horrível, querer me mexer e não poder. Uma delas foi extremamente violenta com direito a abanões na cama, ver vultos de pessoas adultas e crianças, ouvi-las a falar baixinho entre elas e não perceber uma única palavra. Um medo intenso se apoderou de mim e não podia fazer absolutamente nada, estava literalmente pregada à cama. Considero-me uma pessoa emocionalmente equilibrada, e sei perfeitamente fazer a diferença entre um pesadelo e a paralisia do sono, um pesadelo estou claramente a dormir, paralisia não. Eu vejo tudo, sinto tudo e posso lembrar-me até das horas que são (tenho um relógio de parede mesmo em frente à minha cama) só que não me consigo mexer e nem consigo formular uma única palavra. Alguma explicação cientifica haverá, é certo, mas que é algo muito mau, é, e não desejo a ninguém.

  25. Uma coisa é verdade… Isso de ver e ouvir coisas que não existem pode ser fruto da nossa imaginação… Pode não ser oculto pois existe sempre uma explicação científica para tal.
    Mas também é verdade que experiências como estas só acontece a quem está mais susceptível e com a mente-aberta.
    Se acreditas em Deus é porque tens fé nele pois nunca o viste. Agora se acreditas em Deus também acreditas no oposto. Pois o equilíbrio faz parte da natureza: o bem e o mal. Se isso existe , pode ser que quem esteja a pregar sustos não seja Deus mas sim o oposto.
    Sei que para os mais cépticos não passa de tangas, mas para quem já vive com isto há muito tempo já é tudo normal e já não há susto que valha.

  26. Eu conheço a explicação científica para esta “perturbação”, até compreendo as técnicas para induzir este estado e chegar ao sono lúcido… Agora há coisas que não consigo perceber. Como é que eu , na paralisia de sono, consigo imaginar uma mulher ao meu lado (mulher que não é a minha) a esganar-me, um puto ao fundo da cama a chamar-me (puto que nunca o vi na vida), gritos, vozes, canções… É apenas fruto da minha imaginação ou é de ver muito “Walking Dead”? O zumbido nos ouvidos, a pressão no peito, a luz intensa que às vezes parece tão nítida, saber que estamos com os olhos abertos, imóveis, presos a essa sensação, rodeado de um mundo de alucinações que é tão, mas tão real.

    Ainda esta semana tive mais um episódio. Desta vez vi uma criança pequena, a meu lado. Numa primeira visão pensei ser o meu filho, mas era uma menina, que se tentava aproximar de mim mas não conseguia. Ouvia gritos mas não vinham da boca dela. Nesse momento tentei manter a calma, piscar os olhos muito rapidamente e mexi os dedos. Consegui acordar do episódio com um grito abafado que nem deu para acordar a esposa. Após acordar sinto uma leveza e já não fico com receio pois sei que existe uma explicação para isso… mas no fundo, no fundo fico sempre curioso por saber se isto não é uma forma de contactar com o outro mundo, tipo premonição, ou alguém que precisa da nossa ajuda… uma coisa é certa: eu nunca na vida vi a menina.

  27. Se essa história da agulha fosse certa eu tinha uma equipa de futebol e no entanto só tenho uma e não me parece que vá para além disso.

  28. Não se nota nada que o nome do seu blog é uma réplica barata da junção do nome do blog d’O Arrumadinho e a d’A Pipoca Mais Doce.

  29. Um bom tema para sexta-feira com a Maya.Aguardo.É mesmo para discutir com ela e prender-nos ao écran.Aqui deixo o desafio.Aguardo ansiosa e não perderei.

  30. Eu já fui a uma quiromante muito conhecida, a Zila! Posso te dizer que fui lá vai fazer dois anos em Janeiro e até agora tudo o que ela me disse tem acontecido, mesmo aquelas coisas que achamos não ser possíveis.

  31. Como já muitos disseram não acredito em nada mas que elas existem, existem!
    À cerca de um ano tive um acidente de carro que acabou por ir para a sucata. Uma semana depois e já com o carro “novo” em segunda mão, fomos a Coimbra ao Portugal dos pequeninos. Quando chegámos uma cigana tentou abordar-nos. Demos a desculpa do costume e fomos fazer a visita. 3 horas depois à saída lá estava novamente a senhora que nos seguiu até ao carro. Entre um monte de coisas que disse e às quais não dei grande importância, afirmou a olhar nos meus olhos de uma maneira que até arrepiou que eu estivesse descansada que com este carro iria correr tudo bem! Que tinha alguém que olhava por nós e que nos protege sempre, por isso o susto dá semana anterior não tinha passado disso mesmo. Ela não podia saber disto. Há anos que não ia a Coimbra e o carro, como já disse era em segunda mão. Ainda hoje não me sinto confortável ao pensar nesta história…

  32. Por acaso é curioso colocar a questão de outra forma…
    De todas as vezes que sonhei com pessoas que iam morrer, elas continuaram vivas durante muitos anos ou até hoje… Nem me lembro, realmente.

    Também foi concidência estar numa terra “de bruxas” e ouvir a minha mãe dizer que não acreditava nas ditas (sabendo eu que até acredita um bocadinho) enquanto fechava um açucareiro em vidro. Certo é que no momento em que ela disse isto o açucareiro estoirou.
    Mas ainda assim, pode ser coincidência… ou então não 😉

  33. Não sei a explicação, mas no meu caso deu sempre igual, deu igual ao meu marido e não deu certo!
    O “diagnóstico” era 2 rapazes e 1 rapariga e temos 2 rapazes, sim senhora, mas estamos à espera do 3.º rapaz e não sei se nos ficamos por aqui, pelos 3 filhos…

  34. Olha nestas coisas a minha opinião é a mesma da dos nuestros hermanos aqui do lado: não acredito em bruxas mas que as há, há! 🙂

  35. e colocando a questão ao contrário (que é o que nos esquecemos de fazer)…: com quantas mortes já sonhámos e as pessoas não morreram?? Decerto muitas mais do que as coincidências (ou não) de quando sonhamos e não morreram. Simplesmente esquece-mo-las por nada acontecer.

    Eu sou super cética e a minha opinião vai muito de encontro à deste post. Precisaria de algo extremamente convincente e mesmo nessa situação ponderaria sempre ser coincidência.

    Tinha um tio doente, internado no hospital. Embora não se perspetivasse uma vida longa pela frente (Alzheimer com uma crise de bronquite em cima), depois de tanto tempo doente não havia como apontar aquele dia como de possível morte. Eu tinha 10 anos e a minha prima de 11, filha desse meu tio, dormia comigo nessa noite. Eram 4h da manhã de um domingo. A minha prima acordou sobressaltada, nervosa. Estava inclusivé com febre. Voltámos a dormir e pelas 6:30h levantei-me para ir à missa (obrigações dos miúdos das aldeias). Uma prima mais velha no hall de entrada falava ao telefone a noticiar a morte do meu tio. A medo perguntei a que horas morreu. A resposta foi, pelas 4h.

    Para mim sempre será uma coincidência. Não é algo suficientemente forte para me fazer acreditar em algo mais. Afinal, todos nós já acordamos sobressaltados a meio da noite e por motivo nenhum concreto. Mesmo a febre, a minha prima estava muitas vezes gripada, e estávamos no final de outubro, chuva e frio. Não esqueço a história, mas continuo a achar o mesmo que, do alto do meu já ceticismo dos 10 anos, achei: coincidência.

    Também me aconteceu sonhar com a morte do meu cão e do meu gato (dois episódios separados). Tive a sorte de comentar estes sonhos com amigos no dia seguinte, antes de realmente algo acontecer. Efetivamente morreu um dos meus dois gatos dias depois (nao o com que sonhara, foi o outro), e três dias depois um dos meus cães caiu a um tanque. Felizmente a minha mãe conseguiu chegar a tempo, mas o cão estava mesmo no limite, já com as patas em sangue à conta de arranhar as paredes a tentar sair. Uma vez mais…tenho a certeza que já sonhei dezenas de vezes com a morte de pessoas e animais conhecidos, e só uma vez e meia aconteceu algo. Dá uma percentagem tão pequena que cabe bem no campo da coincidência 🙂

    Bem que eu gostava que houvesse algo mais, que estivesse lá quem já perdemos e a vida continuasse quando morresse-mos. Era espetacular e custaria muito menos a ideia da morte, quer nossa quer de quem conhecemos. Mas não consigo, racionalizar a coisa torna impossível na minha experiência de vida acreditar.

  36. Ainda bem que não estou só neste mundo! 😀
    Dormir de porta aberta? Nem pensar, nao dá, não consigo.
    Pés destapados, é para esquecer. Tenho mesmo que dormir com algo por cima. no entanto, acho que é só por ser medricas, que eu não acredito em nada destas coisas de bruxarias e afins xD

  37. E o jogo/teste da agulha, alguém conhece? Diz-se que dá o número e sexo dos filhos que a pessoa teve o terá. Consiste em passar uma linha com uma agulha ao lado da mão da pessoa e depois ver o seu rumo na palma da mão. Se rodar é menina e se for para a frente e para trás é menino, até que pára. O curioso é que dá sempre igual e as histórias que oiço são que nas pessoas a quem é feito e já têm filhos, o resultado dá certo. Não sou ‘destas coisas’, mas acho curioso. Alguém conhece e já ouviu explicações para isto?

  38. Há sempre pessoas em todo o lado a tentar derrubar-nos. Acredito no que me diz e, mesmo que não acreditasse, jamais a julgaria. Quando aos animais/cães, também concordo, valem mais que muita “gente”! Força! 🙂

  39. Os animais quando estão em sofrimento, de fato emitem sons pouco associados à sua espécie. Infelizmente o meu pastor alemão no ultimo mês de vida, sofreu bastante com leishmaniose, e apanhei grandes sustos, com ela a uivar, e também a gritar idêntico, aos gritos de uma pessoa. Não sei se toda este comentário é verdade ou não, mas não somos ninguem para dismentir outra pessoa, apenas porque para nós a história parece difícil de se acreditar.

    Soraia
    LX

  40. Já tive inúmeras vezes Nuno.
    Ainda na última semana tive um caso de paralisia do sono. Não é nada agradável, mas fico sempre curiosa em relação a essa experiência.

  41. Não tenho histórias do oculto na primeira pessoa, mas cresci num meio rural onde quando alguém tem problemas simplesmente vai à bruxa / vidente. E, pior, tentam prejudicar os outros recorrendo ao oculto.
    Entendo que por vezes movidas por alguma falta de esperança as pessoas recorram às promessas do oculto, mas, e ainda bem, fui educada a acreditar em Deus e procurar na fé a resposta às minhas inquietações. A minha mãe diz-me sempre para eu rezar, rezar muito, que Deus ouvirá as minhas preces.

    Já ouvi muitas histórias, algumas que aconteceram a familiares próximos, mas nada na 1ª pessoa; ainda bem, porque eu tenho muito medo!!!! Só pelo que li até aqui nos comentários já fiquei arrepiada…
    Mas olha, eu e a minha mãe vimos um OVNI, e isso é muito mais fixe que fantasmas e afins! 🙂 lol

  42. Sempre que acordo a meio da noite e fico várias horas sem dormir, tenho paralisia do sono quando volto a adormecer. É horrível, além de ver vultos, oiço vozes aos gritos. Agora já estou habituada e nem ligo. No entanto, já está bem estabelecida a explicação científica para a coisa.
    Há sempre uma parte do corpo que consegue mexer (no meu caso são os dedos indicadores). Descubra qual é essa parte e comece a mexe-la quando começar a ver os vultos. Vai acordar. Nessa altura levante-se, ligue a luz e olhe fixamente para ela. Vai ver que passa e volta a dormir descansado.

  43. Sim, já me aconteceu isso de estar a dormir, saber exactamente o sítio onde estou, querer acordar, tentar-me mexer com muito esforço e não conseguir. Eu associo isso talvez a épocas em que esteja mais stressada. É a única explicação que vejo. E isso de não me conseguir mexer penso que faz tudo parte do sonho.
    Mas que é uma sensação péssima, é.

  44. Não sei se isto terá algo de transcendental mas outro dia a propósito de um comentário que fiz sobre as corridas do Arrumadinho pensei algo do género: era bom que um dia se falasse de um tema mais obscuro, sobrenatural, místico e… voilá, aconteceu! Pode parecer parvoíce mas há coisas estranhas, ou então são as chamadas coincidências, já agora excelente tema! 🙂

  45. ahahah Nuno isso nada tem de sobrenatural é apenas um fenómeno físico que todos nós temos enquanto dormimos. Quando sonhamos ficamos estáticos ou paralisados pois é uma forma do corpo nos proteger de eventualmente nos magoarmos ou cairmos da cama etc. O que acontece é que por alguma razão mais ocasional, nós acordamos antes deste processo terminar, ou seja já estamos acordados mas ainda nos resta uma ligação ao sono e ao seu estado… espero ter me feito entender 🙂

  46. Há 2 meses uma amiga disse que me ia levar a conhecer uma pessoa que me ia ajudar a arranjar emprego. Na altura eu pensei que ela se referia a alguma cunha numa empresa ou algo assim. E ela tanto insistiu para me levar que eu aceitei.

    Fomos para um apartamento num prédio meio decrépito no Seixal. Eu comecei a ter um mau pressentimento em relação áquilo tudo.

    A pessoa em questão era uma velhinha desdentada com a mania que sabia tudo. Falava e falava e falava sobre si mesma, sobre o quão certas são as suas previsões, sobre o meu futuro.

    Bem… foi uma experiência do “outro mundo”. Eu estive o tempo todo a conter-me para não morrer a rir ali mesmo. A mulher tentou adivinhar o meu presente e falhou compleeeeeeetamente ao lado e em relação ao futuro só dava previsões generalistas. Disse que eu tinha dois espíritos colados e que precisava fazer “limpeza espiritual” duas vezes por semana.

    Que limpeza é essa? Ora, claro que é colocar alcoól numa panela pequena velha, PEGAR-LHE FOGO e agitá-la à volta da minha cabeça ao mesmo tempo que reza o Pai Nosso!

    Digamos de passagem que nunca mais lá pus os pés. Uma vez chega.

    Para mim estas coisas são uma grande tanga. Só tive esta experiência porque fui “enganada” e levaram-me lá. Mas a minha amiga é uma fiel cliente desta mulher… apesar da vida dela não melhorar nada com tantas rezas, “purificações” e tratamentos.

    PS: A dita senhora até me deu o cartão dela. Diz “sou vidente mas não leio cartas”. HAH

  47. Já tive isso duas vezes e é de facto a pior sensação que já experimentei. Da primeira vez vi vultos de crianças a correr e paradas na beira da cama (ainda era solteira e sem filhos) da segunda foi um terror com vultos pretos no quarto a fazer uma barulheira. O pior é que se está a dormir mas estamos acordados e só nos queremos mexer!

  48. Eu já, montes de vezes! é uma sensação do pior. Tens consciência de tudo à tua volta, mas és incapaz de te mexer.

    Eu também pressinto quando estou “acompanhada”. O ar parece que fica mais pesado. É difícil de descrever, mas eu sei sempre quando não estou sozinha.

    Eu acredito que existe mais alguma coisa. Era inconcebível que a vida fosse isto. Tem de haver rigorosamente mais alguma coisa. E os relatos são tantos por todo o mundo. E surgem de pessoas de todos os estratos sociais. Interrogo-me: são todos ignorantes? Mentirosos?

    Não creio.

  49. Ao ler alguns comentários fico só com a sensação de que há pessoas com perturbações mentais – que ouve e vê coisas que não existem senão nas suas cabeças.
    Mas isto sou eu… uma descrente no oculto.
    Sou crente em Deus, mas acho que ele não anda cá a pregar-nos sustos!

  50. Estas histórias do oculto também fizeram parte da minha infância, e de um modo algo infeliz, do inicio da minha vida adulta. No ano passado, por linhas travessas e sem recursos a bruxas para adivinhar o que se passava, descobri que a minha mãe estava envolvida com uma senhora que diz interceder junto de espíritos inquietos e do Espírito Santo para alcançar coisas magnificas, como receber uma herança, ganhar o Euromilhões e fazer arranjinhos entre casais desavindos. Certo é que a minha mãe praticamente penhorou a vida dela e do meu pai ao pagar os serviços desta senhora, que lhe dizia que se ela contasse a alguém do “serviço” que lhe estava a fazer, que a desgraça cairia sobre a família. Ora bem, mais de dez mil euros depois entregues a esta senhora pela minha mãe, estou à espera que a justiça resolva esta situação…porque isto foi muito para além do aceitável e no meu entender, classifico isto como burla…praticamente destruiu a família, dado que a minha mãe chegou a pedir dinheiro a pessoas fora da família usando o meu nome, por exemplo, que eu tinha tido um acidente de carro e precisava de dinheiro para pagar o arranjo…
    Fora esta triste história, que infelizmente é verdade, há sempre histórias que têm o seu lado cómico, das “mezinhas” para tirar o mau olhado (varrer a casa numa determinada ordem e deitar o lixo ao mar), aos “defumadouros” pela casa toda para afastar os espíritos…

  51. Voltei! Resisti e não queria voltar, sentia-me com eles mas não me conseguia misturar, uma coisa que não sei explicar muito bem, mas sentia-me em paz e feliz como nunca estive na minha vida. Depois tudo desapareceu e voltei a viajar de volta e senti-me a entrar no meu corpo novamente, mas os pormenores do que vi realmente, os conhecimentos que sei que adquiri mas desapareceram outra vez, lembro-me muito vagamente que conhecia tudo, todas as línguas, todos os mistérios, todas as coisas, mas como digo sei que sabia sem saber explicar como se passou.
    Mas não vale a pena contar a grandeza do que vi porque, como seria de esperar, o anónimo de baixo já veio dizer. Doze minutos em reabilitação e sem sequelas?
    Tive sequelas sim, mas para me tornar um homem muito melhor. Hoje tenho vergonha do homem que fui.
    E se interessar saber, doze minutos morto não é nada. Há exemplos, e muitos, de mais de uma hora com o coração parado e depois haver a reabilitação.
    Uma coisa eu sei. A vida não acaba com a morte. A verdadeira vida começa com a morte, e hoje sou um privilegiado que encara a morte como uma felicidade à nossa espera.

  52. Saberia que ao dar o meu testemunho, bem ou mal estruturado, iria ter represálias de alguém que adora tentar “chicotear” as pessoas. Normal neste mundo dos blogues. Se não tem nada para fazer resuma-se à sua insignificância e cada vez mais digo: o meu cão é mais humano que muitas pessoínhas (inhas, inhas…) como você.
    Já agora, leia um pouco. Vai fazer-lhe bem!

    http://expresso.sapo.pt/os-caes-tambem-sao-pessoas-prova-estudo-cientifico=f836700

  53. Já alguém teve paralisia de sono?
    É mesmo a pior sensação que existe.
    Eu já tive várias e aparentemente é um mix de oculto com explicação científica. Eu nas minhas paralisias vejo sempre vultos, algo em cima de mim a pressionar-me o peito. Tenho estas experiências desde que a minha avó morreu e acredito muito que posso estar ligado a ela.
    Alguém já teve essa sensação? Estar a dormir, acordar do sonho, querer-se mexer e não conseguir?

  54. Boas…
    Eu já estou no ponto de nem saber o que pensar. sou católica, vou à missa mas mantenho os pés assentes na terra no que diz respeito a ‘uma virgem grávida’, e ‘entrar paralítico numa piscina e sair a andar’. sempre houve coisas que desde miúda não me conseguiam impingir. Assim como nunca me levaram nestas histórias de videntes e etc. Sei que a minha mãe quando se divorciou do meu pai (tinha eu 5 anos) foi a um(a). Nas visitas do meu pai eu tinha sempre dores de barriga e ela esfregava-me um liquido qualquer que tinha trazido de lá e passava. Mais velha cheguei a pensar nisso e acreditava que era psicológico (eu ao acreditar que aquela coisa me ia fazer bem acalmava-me e passavam as dores) e sempre acreditei nisso.
    Voltei a pensar nisto à meio ano, quando comecei a namorar c/um rapaz que sempre morou aqui perto de mim, mas c/quem nunca tinha tido confiança. Nesta zona é zona de gente que já toda se conhece à mais de 20 anos (tenho 23, sempre vivi aqui, e não tenho confiança c/ninguém, muito pelo contrario) ou seja, não sou uma pessoa muito querida, sou aquela que passa e só diz ‘bom dia’ mais nada. O meu namorado não acredita em nada, mas nada mesmo, mas devido a um problema que o irmão teve, ele acompanhou-o a um senhor desses (que a mãe também frequenta). O senhor lá ‘resolveu’ o problema do irmão (disse quem tinha feito um serviço contra ele) e s/mais nem menos virou-se para o meu namorado e disse que a vida dele ia mudar, ia melhorar, ia encontrar alguém para a vida dele que ele conhecia e estava muito perto. passado pouco (muito pouco) tempo começamos a dar-nos e agora namoramos. contou-me isto talvez 2 meses depois e estarmos juntos, calei-me e disse (para mim) que era coincidência. À 2 semanas veio a minha sogra falar-me que teve gente a pedir-lhe para acabar c/o nosso namoro, e numa senhora que faz aqui na zona muitos ‘serviços’, até no local onde o meu namorado trabalha. Digo isto porquê? Porque ele começou a ter alguns problemas c/o patrão (sempre se deram super bem), a patroa também não andava bem, até que a minha sogra levou-a ao tal senhor. Resultado: era a tal senhora que tinha feito um ‘serviço’ á entrada do trabalho dele e disse-lhes para tirar o que tinha à entrada e ter cuidado c/essa mulher (encontravam sempre coisas como santos, terra no WC deixadas p/ela). A minha sogra disse algo como ‘se não me tivesses mexido tão depressa estava numa cadeira de rodas p/causa de infeções constantes p/causa dela’. suponho que para ela dizer isso não as curou num médico. O que me deixa a pensar que nestes últimos 3 meses tenho tido sempre na mesma altura uma infeção (simples é certo) mas não é normal, o meu médico não acha normal, a da farmácia também não, e uma enfermeira também não. Já tomei medicamentos para resolver e também para prevenir e não adianta. Pus-me a pensar e o inicio deste meu problema coincide c/uma altura em que a tal mulher veio a minha casa, ainda eu não sabia de nada disto. é certo que ela mudou comigo quando soube do meu namoro, e p/muito que não dê muito crédito a estas histórias fico sempre c/a pergunta ‘será mesmo tudo verdade? será que isto em mim agora também é devido a coisas desse género?’. Não sei, e não estou muito disposta a querer saber, acho melhor assim.

  55. É ir ao youtube e ver quantos documentários existem a desmistificar este tipo de “pseudo” ciência.

    A maioria das vezes são apenas pessoas com inteligência suficiente para adaptar o discurso ao observador e ir titrando “nabos da púcara”.
    Aliás, um teste comum é pegar no feedback de um desses videntes e dá-lo a outra pessoa para que esta diga se se adequa ou não a si. Na maioria dos casos as pessoas dizem que sim… Se ler os horóscopos, pode seleccionar um ao calhas que se vai sempre identificar com ele e achar que foi só para si.
    Façamos umas contas simples. No mundo há 6 biliões de pessoas e ha 12 signos. Supostamente cada signo tem características próprias (por exemplo os escorpiões são teimosos). Ora isso significa que no mundo 500 milhões de pessoas partlham uma característica APENAS E SÓ porque nasceram no mesmo mês?
    Os mapas astrais aliás nem são astronomicamente correctos. As posições das estrelas e planetas estão todas erradas…

    Gostava que as pessoas que aqui disseram que a info das videntes não era generalista escrevessem exactamente o que elas disseram. Verão que a “previsão” pode ser aplicada à maioria das pessoas. Por outro lado as pessoas tendem a recordar apenas os casos de sucesso de previsão e a desvalorizar os insucessos.

    Um último comentário é que se fossem reais, as previsões deveriam ser fiáveis, ou seja, por exemplo no tarot, a pessoa deveria ter um conjunto de cartas igual se tirasse duas vezes seguidas. Obviamente não acontece porque é estatisticamente impossível. Ora o que significa isto do ponto de vista da “vidência”? Na primeira tirada a pessoa vais ter um problema de saúde que já não existe no segundo? Desapareceu ou o futuro modificou-se?

    Enfim, como em tudo, só acredita quem quer. Eu prefiro gastar o dinheiro no euromilhões. Ao menos aí ainda há hipótese de acertar…

  56. A minha mãe e o meu pai na sua juventude, por curiosidade, compraram 2 livros para aprender a ler as mãos. E nem foi através deles que soube disto. Quando era adulescente, estava com uma amiga ao pé da escola a tentarmos aprender a ler as mãos através de um artigo de uma revista da altura, quando o pai de um colega nossso (amigo dos meus pais), me disse que eu devia sair a minha mãe, que um dia lhe tinha lido a mão e tudo o que ela tinha dito, tinha acontecido. Fiquei curiosa e fui perguntar-lhes sobre isto.
    O que aconteceu, foi que, numa passagem de ano,daquelas com muita gente, com amigos e amigos de amigos, alguém se lembrou que eles sabiam ler mãos e desataram todos a fazer uma fila para saber se eles diziam alguma coisa de jeito. A minha mãe disse que inicialmente estavam a rir e na descontracção de quem não acredita, mas que quando ela começava a interpretar os símbolos e a dizer o que eles significavam, que começavam a ficar nervosos e a suar, incrédulos de como ela conseguia saber detalhes como aqueles. Ela diz que a partir dessa noite, não quis mais saber de ler as mãos, porque sentia que entrava na vida das pessoas e que tinha demasiada sensibilidade para aqui, porque é preciso conciliar vários sinais, para construir uma conclusão. “Podia ter sido uma Maya”, disse-me ela…

    O meu pai, foi ainda mais específico sobre um acontecimento, que só soube há pouco tempo, quando este assunto das mãos veio à baila. Disse-me que nessa passagem de ano, a minha mãe estava a ler a mão a um rapaz e disse-lhe que ele aos 33 anos ia ter um problema grave no cérebro. Ele ia fazer 33 anos na semana seguinte e dias depois do seu aniversário ficou com esquizofrenia.
    Esta parte a minha mãe não me contou na altura. Acredito agora, que foi por isto que não quis mais saber de ler mãos, nem por “brincadeira”.

    São os meus pais, que faziam isto por curiosidade. Os dois professores, cultos e bem formados, sem interesse comercial nenhum nisto. Não são desconhecidos . Por isso acredito nesta ciência. E como esta devem haver outras.

  57. Bem, eu nunca fui a videntes, nem adivinhos, nem cartomantes. Não tenho interesse em saber o futuro, e acho que é possível que existam pessoas que têm esse tipo de dons, mas como infelizmente quem as consulta são, por norma, pessoas fragilizadas ou até mesmo desesperadas, abre a porta a muitos charlatães… Mas que acredito que existe mais no mundo do que aquilo que está ao alcance dos nossos olhos. A mim já me aconteceu uma coisa curiosa quando ainda vivia com os meus pais, e eles tinham ido de férias… eu fiquei para trás porque tinha começado um novo trabalho pouco tempo antes e não tinha ainda direito a férias.
    Eu cresci num bairro pequenino, que mais parece uma aldeia, e ali bruxedos e afins é conversa normal. A casa dos meus pais é no último andar de um prédio baixinho, só de dois andares, e a minha mãe sempre gostou de ter plantas na escada. Na altura eu já era fumadora, e tinha o hábito de fumar na escada. Nessa noite estava com a porta de casa aberta, a fumar um cigarro e um dos vasos estatelou-se pelas escadas abaixo. Fiquei logo piursa, e pensei que andava ali um gato. Mas não tive tempo de me mexer, caíram mais dois vasos. Não vi gato nenhum, não estava niguém na escada e eu estava longe dos vasos. Entrei em casa, tranquei a porta, e poucos segundos comecei a ouvir vozes na escada, depois gritos. Fui à janela e vi três homens a fugirem do prédio. Telefonei à minha mãe e contei-lhe o que tinha acontecido, e ela, com muita calma, só me disse: “Alguém quis avisar-te para entrares dentro de casa, para não te fazerem mal.” Eu não vi nada, mas ainda gostava de saber o que é que os três marmanjos viram… 😀

  58. Não sei se isto se enquadra no tipo de histórias que pedes, mas a minha irmã praticamente adivinha que as pessoas vão morrer. Sonhou que o nosso tio ia morrer, ele morreu; sonhou que a nossa bisavó ia morrer, morreu na mesma semana; sonhou que a nossa cadela ia morrer, morreu na mesma semana; e sonhou que o gato da nossa avó ia morrer, também morreu passados dias. Não costumo acreditar muito nessas coisas, sou demasiado céptica, mas o que é certo é que ela já acertou tanta vez que me começa a assustar.

    Quanto a mim, muitas vezes tenho pressentimentos que acabam por estar certos. Mas isso ja é mais normal e acontece à maioria das pessoas.

  59. Uns primos meus não fazem nada sem consultar essa Senhora…eu pessoalmente nunca fui mas já a vi. Confesso que até tenho medo de olhar para ela, porque parece que nos lê a alma.

  60. Este tipo de tretas dá-me vontade de rir mas depois lembro-me de tanta gente a acreditar nestas patranhas que deixo de me rir.

    Adoro quando chegam ao pé de ti e dizem “tás com mau olhado em cima” e depois fazem o “quebrante” ou lá como se chama aquilo. E fazem um show quando o azeite e a água entram em contacto. E depois rezas e afins. Já tive discussões com a minha mulher por se deixar influenciar sobre isso mas já desisti. Desde q não dê dinheiro a esta gente acredite no que quiser. As promessas que a vidente amiga da mãe lhe fez…enfim…nenhuma, obviamente, deu certo.

    O que as videntes fazem nada mais é do que senso comum. Ainda não tive oportunidade mas hei-de ir a uma vidente xpto só para me rir um pouco na cara dela. “vejo aqui problemas com a autoridade” Todos nós já tivemos encontros com a autoridade. Se acreditarmos nestas tangas mal ela diz algo deste género lembra-mo-nos daquela multa, daquela conversa, etc.

    Enfim. Temos que respeitar as crenças dos outros mas acho triste que pessoas se agarrem a estas coisas.

  61. No início deste ano o meu avô desapareceu. Todos os dias dava as suas voltas e chegava para almoçar às 12h em ponto. Num dia não chegou e a minha tia deu logo pela sua falta. Como é natural, tivemos que esperar que a polícia pudesse agir e começar as buscas mas entretanto já toda a população se juntava para começar a procurar. A GNR, Bombeiros, populares e familiares percorreram uma área enorme que o meu avô a pé nunca conseguiria percorrer. Espalhámos fotografias por todas as aldeias vizinhas e ninguém o viu. Procurámos durante dia e noite e não o encontrámos.
    Entretanto, a minha tia acredita nos poderes do oculto e falou não com uma mas com várias videntes.
    Nos primeiros dias, como é óbvio, diziam que estava vivo, que estava caído, uma disse que estava a 300m de casa, outro disse que estava preso numa carrinha branca abandonada (e que a polícia foi efectivamente verificar). Quando passou uma semana já não diziam que estava vivo porque era altamente improvável que uma pessoa daquela idade conseguisse sobreviver tantos dias… E nem os cães pisteiros, também com os seus dons, conseguiram farejar nada…
    Eu não acredito nessas coisas mas respeito quem acredita… E se alguma dessas pessoas que afirmam ter poderes conseguisse encontrá-lo talvez mudasse de opinião. Infelizmente, nem a PJ nem pessoas com poderes conseguiram encontrá-lo por isso continuo céptica até prova em contrário.

  62. tenho no minimo 4 historias, passaram se comigo, nao tenciono publicar mas, posso dizer o seguinte: sonhei com a morte do meu marido, vi a minha casa cheia de pessoas conhecidos e desconhecidos vi a policia a falar comigo, no dia seguinte o meu marido morreu, vi em minha casa os conhecidos e desconhecidos assim como tambem os policias que vi no sonho, o que dizer disto????????? mais tarde muito mais tarde sonhei com um acidente em que o meu filho morria, vi-o no caixao e…. pois isso mesmo… morreu, tal como o vi no sonho foi como estava no caixao, morreu na suiça eu estava em portugal, quando cheguei a suiça o corpo ja se encontrava no caixao exatamente com as roupas e flores que vi no meu sonho…..nunca falei com videntes nem nada disso, mas, acredito no que vi…. uns dias depois da morte do meu filho ocorreu uma situaçao em que falei com ele.. outro sonho??? nao creio as situaçoes que se passaram durante essa conversa eu tinha que estar bem acordada…. pode usar isto posso lhe dar mais pormenores mas quero o anonimato, obrigado

  63. Há sempre tanta coisa a dizer sobre esse tema. Na minha família há dezenas de histórias mais ou menos complexas e algumas delas arrepiantes mesmo (especialmente umas que aconteceram com a minha tia). E por muito que me considere uma pessoa esclarecida e inteligente, há uma parte de mim que aprecia estes fenómenos. Não sei definir o que pode ser exactamente, mas também não creio que precisamos de ter todas as respostas.
    Em miúda tinha eventos a relatar com alguma frequência, mas nos dias que correm já não existem quase episódios (e ainda bem). O último que me aconteceu foi um dia em que estava sozinha em casa e coloquei o telemóvel a carregar e pousei-o na cama, bloqueado (e cerifiquei-me disso). Quando voltei ao quarto, o ecrã estava aceso e tinha um contacto marcado, o da minha mãe, que já tinha falecido alguns anos antes. Estas coisas com aparelhos electrónicos sempre me pareceram um bocado parvinhas, mas naquele dia, particularmente saudoso, acontecer-me esta situação inocente… deixou-me a pensar.

  64. Uma vez apanhei uma bebedeira do pior numa feira medieval e fui a uma daquelas bruxas que costuma estar nesse tipo de eventos. A única coisa que me lembro é que a senhora tinha sotaque espanhol, disse que me ia correr tudo que era maravilha e que perdi 15 euros sem necessidade nenhuma. Não é preciso ser bruxo para saber que beber nem sempre ajuda a tomar as melhores decisões!

  65. Eu tento não dar mta atenção a este tema, mas acho que de facto há pessoas que entendem disto, vou-vos contar o meu caso: o meu pai sempre foi um péssimo chefe de família, péssimo pai e marido, nunca gostou de estar connosco, só gostava de cafés, enfim…! só sei k por causa de muitas destas merdas ainda hoje já casada e com um filho, sofro imenso pk não esqueço o passado. As minhas tias da terra sempre acreditaram nestas tretas das videntes e então convenceram a minha mãe a lhes entregar uma foto tipo passe do meu pai para elas lá irem à vidente e ver o que ela dizia: então a sra disse-lhes que aquele sr. tinha uma amante, que já não gostava da mulher e que quem mais sofria era a filha mais velha que se apercebia de tudo. Essa miuda sou eu, e digo-vos, ainda hoje sou traumatizada com tudo o que passei em casa deles. Entretanto na fase da adolescência tinha uma amiga que tb andava metida com a mae dela numa vidente pk o pai (que entretanto se atirou da 25 de Abril e, obviamente morreu) se enrolou com uma brasuca que lhes andava a fazer bruxedos; pedi então à minha amiga para levar uma foto minha pk tinha imensos conflitos em casa e estava desesperada. Ela mostrou-lhe a foto, não lhe contou nada e a sra disse-lhe precisamente a mesma coisa: o meu pai tinha uma amante, já não gostava da mulher e que quem mais sofria era a filha mais velha que se apercebia de tudo. A sra não arranjou soluções pk queria que eu lá fosse para conversarmos, mas eu nunca lá fui. E às vezes ainda penso nisso porque carrego um fardo que ninguém imagina, mas tento manter a cabeça fria todos os dias.

  66. O chamado jogo do copo? Também cheguei a jogar e também acreditei. Dizem que só funciona quando se acredita nele. Que aconteceram coisas estranhas, aconteceram…

  67. Isso é o tabuleiro de Ouijá a meu ver nada tem de transcendente, o copo jamais andou sozinho quando eu e colegas da faculdade brincávamos com isso. Era só rir!

  68. o que é curioso, é q neste post a maioria dos comentarios sao de mulheres 🙂 serão os homens menos crentes ou mais envergonhados em assumir que consultam videntes? curioso ! 🙂

  69. Como se costuma dizer, não acredito em bruxas mas que elas existem, existem.

    É uma área que nunca aprofundei mas respeito imenso tudo o que envolve a mesma.

    Porém, participei em jogos quando era puto e lembro-me de que num desses jogos foi escrito o nome do meu avô, algo que ninguém sabia.

    homem sem blogue
    homemsemblogue.blogspot.pt

  70. Que nem de propósito.
    Moro numa aldeia e nestes sitios, mais ainda se ouve falar nestas coisas. Volta e meia em pequeno alguem falava neste ou naquele caso.
    Nunca acreditei, porque nunca consegui acreditar, porque… não é lógico! Mas a verdade é que por vezes sinto que se calhar… mas depois digo, nah…
    Mas estes dias … o meu filho (18 anos) anda com uma dor estranha. Já foi 3 vezes ao hospital, uma consulta com médico particular e ninguém sabe o que se passa. Análises, rx, etc tudo ok.
    Há dias no hospital (ele estava sozinho, que como tem 18 anos não me deixaram entrar logo com ele…) diz ele que uma senhora velhota passou por ele e disse- “meu menino, tu anda para aqui a correr mas os médicos nada descobrem. Os teus pais que vejam por outros lados senão daqui a 15 dias estás em 4 tábuas…” E foi-se embora.
    Nesse dia o meu filho nada nos disse, mas depois contou-nos o sucedido.
    Noutra altura tinha-me rido, mas a verdade é que ele já tinha ido ao médico tantas vezes… e lá fui ao cartomante da terra.
    Não sabia o que esperar… sentei-me e ele pediu-me as fotos do membros da casa. Mostrei e ele olhou logo para o meu filho e disse: como tu estás rapaz!
    Seguiram-se outras coisas que me deixaram abismado e agora dou por mim sem saber o que pensar.
    Nesse dia à noite o meu filho, pela primeira vez em 8 dias, disse que tinha menos dores….
    Não sei…

  71. Eu já. Já estive fora do meu corpo cerca de doze minutos antes que me pusessem o coração a bater novamente, e muita coisa estranha aconteceu. Vi-me a pairar sobre o meu corpo, os meus familiares a chorarem e o corpo médico a reanimar-me. Depois viajei e vi os meus falecidos queridos e falei com o meu avô, mas depois nao me deixaram entrar e voltei a viajar até ao meu corpo.
    Se lhe contasse pormenores do que realmente se passou, deixaria de ser cético.

  72. Não vejo nada de intrigante no facto de pessoas que considera “educadas, estruturadas, cultas e com estudos” acreditaram no espiritismo ou doutrinas semelhantes relacionadas com o dito oculto. Com toda a imodéstia, considero-me tudo isso e a espiritualidade é uma parte muito importante da minha vida. Compreendo porque pense assim, talvez considere que uma pessoa mais erudita não acreditará num facto que não consegue ser comprovado cientificamente, de forma empírica e irrefutável. Mas facto é, que a ciência não explica nem nunca explicará tudo. Eu trabalho na chamada área das ciências naturais, com vários médicos, enfermeiros, psicólogos etc. e conheço muitos deles que por exemplo são católicos fervorosos. Acho que por mais informada que uma pessoa seja, há sempre espaço para a fé se assim lhe quisermos chamar. O problema é a proliferação de charlatões ridículos à procura de dinheiro que descredibilizam totalmente o espiritismo e temas relacionados. Eu pessoalmente, encontro aí muitas respostas para questões na minha vida pessoal mas longe de mim algum dia tentar catequizar quem quer que seja. Respeito muito os cépticos até porque constituem sempre um desafio e originam debates interessantes.

  73. Sei que para quem não acredita pode parecer algo mesmo muito estranho… Na verdade também nunca fui dada a estas coisas de saber o futuro, afinal de contas saber tira a graça das coisas.
    Contudo tenho duas situações estranhas na minha vida. A primeira foi precisamente com uma vidente que tinha sido paga pela minha madrinha para me fazer um mapa astral. Até aqui tudo normal, até ao dia em que essa senhora me liga em pânico a dizer que preciso de ir lá porque tem algo muito importante para me dizer. Como é óbvio preferi ficar na ignorância e não fui. Um ano depois o meu melhor amigo morreu! Se hoje teria ido? Não, porque acho que viveria numa ansiedade tremenda achando que poderia evitar.
    E a segunda situação está ligada com essa morte. Havia uma música que em miúdo me tinha dedicado e que nunca prestei atenção, mas as perdas fazem-nos ver coisas antigas e quando olhei para a letra falava de alguém que morria e que ia proteger outra pessoa acontecesse o que acontecesse. Até aqui parece algo normal, coincidências acontecem. A verdade é que desde do dia em que morreu essa música começou a passar em todo o lado por onde ia, sendo que é uma música antiga não é normal. Até aqui tudo pode ser coincidência. Estranho passou a ser quando as televisões de casa se apagavam e recebia links no face dessa música de pessoas que nem o conheciam. Sinto imensas vezes a presença dele, parece que o vejo na rua e que lhe sinto o cheiro. Se pode ser só o destino? Pode. A verdade é que quando perdemos alguém ficamos mais susceptíveis a acreditar nestas coisas…

  74. Olá Ricardo!
    …por razões profissionais, durante 2 anos fiz viagens diárias entre uma cidade alentejana e Lisboa…sempre as mesmas pessoas, a mesma rotina e as mesmas conversas…os amigos das viagens de comboio. Certo dia, já de volta ao Alentejo, uma colega começa com a conversa sobre ler as mãos, que o fazia e que as linhas das mãos vão mudando ao longo da nossa vida, e muitas outras coisas. O que despertou a curiosidade de toda a gente. Até aos meio ensonados, rapidamente lhes chegou a insónia! Foi então que a divertida prof. de Matemática diz: “Anda cá Madalena, que eu vou ler a tua mão!” Não achei muita piada, porque não acredito muito e tenho as minhas dúvidas, mas que me desperta uma enorme curiosidade…DESPERTA!
    Foi então que me pegou nas mãos e começou com as coisas banais, só vais casar uma vez…e eu ria-me. Até que a prof. de Matemática me sussurra ao ouvido, dois factos da minha vida que só eu sei…garanto-lhe que só eu sei…ou sabia. A minha expressão mudou por completo, e só pensava de como seria possível?! Tirei as minhas mãos, e disse: “Acabou-se!”
    Fiquei num misto de assutada e incrédula, como seria possível uma pessoa saber algo sobre mim, que só eu sei, isto com base de linhas que tenho nas mãos?! Foi uma experiência estranha, ainda por vezes penso se haverá algo mais que nos transcende, se haverão pessoas que têm esse “poder”! Mas que fez despertar ainda mais a minha curiosidade…fez, mas continuo com as minhas dúvidas e muito pouco crente em “adivinhações”.
    Foi um episódio engraçado, mas que não gostaria de repetir. Esta história já serviu para noites entre amigos, em que aventuras semelhantes e episódios “mirabulescos” foram contados. Afinal muitos nós apesar de cépticos, temos uma ou outra história para contar…

  75. Claro que sabes que este assunto vai dar pano para mangas, não é Arrumadinho?

    Eu até poderia contar alguns episódios que já me aconteceram e episódios que assisti com outras pessoas, mas não vale a pena.
    Normalmente quando falo com algumas pessoas e o discurso é parecido com o teu (sim, acredito que o tom que utilizaste não foi com intenção de menosprezar ninguém ou alguma crença em particular), perco logo a vontade de me alongar sobre o assunto.

    É um bocado com as religiões e o futebol, é melhor não se contestar porque as opiniões vão sempre divergir.
    E digo-te que acredito muito mais em energias do que em religiões.

    Se há muito charlatão por aí? Sim, há.
    Se há muita gente desesperada e que acaba por acreditar em tudo o que lhe dizem? Também.
    Mas que há algo mais do que aquilo que nós conhecemos e pessoas mais “sensíveis” a este tipo de coisas, lá isso há! 😉

  76. Também tinha tal e qual a tua visão, até que uma pessoa que se cruzou na minha vida fez uma série de previsões nada generalistas (que é o que muitos charlatões fazem e acho que as pessoas caem porque se aplica a todos nós), demasiado específicas até. Tudo o que ela disse, tem acontecido. Resultado: nem quero meter lá os pés porque sinceramente, com tanta precisão, prefiro não saber mais nada.

  77. Eu também não acredito em nada disso, não sigo nenhuma religião nem nada disso, mas…

    A mulher do meu tio tinha um irmão com problemas mentais que um dia desapareceu. Passaram-se dias, sem ninguém saber nada dele, a GNR não tinha pistas nenhumas e a minha tia e as suas irmãs, em desespero, recorreram a bruxas, soldadores, videntes, whatever…
    Uma coisa todos tinham em comum: diziam que ele ia aparecer na àgua. Passado algum tempo, onde é que ele foi encontrado? Numa barragem…

    Curioso, não é? Eu não acredito, mas… faz-me pensar!

  78. Ricardo,
    Gostei desta abordagem como outras que escreve.
    Tenho 36 anos e tenho vivido situações caricatas sobre o oculto. Em pequena sofria constantes socos na cabeça e acordava a gritar (ainda hoje os sinto), vi o meu pai durante a noite a jogar-se para as paredes completamente completamente louco (ele n tinha nenhum problema além de ter sido doente de longa data); nessa noite ouvi portas a abrirem e fecharem, passos e pessoas a puxar móveis (inexistentes) no sótão da casa; vi há um ano um vulto enorme de repente, e que me chamou a atenção foi o meu cão e ontem por obra do Divino e Espírito Santo, a minha casa estava toda fechada, excepto a janela do quarto da minha mãe, e sinto um estrondo enorme, o meu cão a gritar. Corri para ele e estava ele aninhado a gritar compulsivamente e a tremer. Olhei para todos os lados e n podia ser! Ele n poderia saltar para a janela que está altíssima! Agora alguma coisa é e ainda hoje falei isso com uma tia.

    Agora relativamente a bruxos e bruxas… Respeito e acredito em alguns. O ano passado após ver o vulto branco disseram-me para ir a um senhor com dom. Fui com medo e receio. Quando me sentei sei que o senhor apenas disse: não a consigo ver porque está negra com invejas, ciúmes, pragas rogadas por pessoas vivas. Fiquei a olhar até que o espírito que estava a encarnar na pessoa (era um santo que não recordo o nome). E nessa sessão, sei que chorei, chorei porque ele falou de uma ex-chefe que me prejudicou imenso e no qual tive que sair por laboral. relatou momento a momento tudo o que ela me fez e outras pessoas. Penso que foi a partir daí que comecei a acreditar mais que vivemos acompanhados de outras pessoas, para o bem e para o mal…
    Respeito as pessoas e respeito muito o senhor que me ajudou. Vou ter que recorrer novamente, pq pela segunda vez foi enviado um “sinal”. E como sei como não ando bem (desempregada há dois anos depois de ter sido maltratada psicologicamente por uma chefe e nunca mais ter voltado a ser a mesma) vou pedir novamente ajuda ao senhor. Não gosto muito de falar sobre estas situações, mas como é anónimo, escrevo.

  79. “Videntes”…. “cartomantes”…. não acredito em nada disso embora tenha tido uma experiencia muito estranha com uma que caramba! Adivinhou coisa que ainda hoje acontecem e fazem sentido… coisas de facto muito especificas. Mas já outras pessoas lá foram e ela não “acertou” em nada! heheheh….

    Situações mais a atirar para o paranormal já tenho a minha dose. Aconteceram-me já tantas coisas que tenho até vergonha de as contar e parecerem parvas e mentiras. A verdade é que ainda hoje com 36 anos tenho medo de dormir com os pés destapados e se tenho que dormir sozinha tenho os meus rituais para dormir minimamente tranquila…

    Por vezes há portas que quando são abertas… é uma carga de trabalhos! hehheheh

  80. Espiritualidades propriamente ditas não mas…
    quando a minha mãe faleceu, durante os tres primeiros meses, senti-a contantemente alguém a olhar-me por cima do ombro, mas ao contrário do que é habitual em mim, tinha nisto um sentimento de apoio, de segurança, conforto. A minha mãe faleceu duas semanas antes do meu filho nascer e senti que era ela quem me protegia das adversidades que se seguiram nos meses pós-parto.
    Além disso tenho um amigo que é tarólogo e não falha uma. Se ele diz qaue vai acontecer é porque vai mesmo, e já há mais de dez anos que o consulto. Tiro-e-queda.
    Curiosamente, este meu amigo tarólogo é professor catedrático.

  81. Um dia acompanhei uma amiga a uma dessas videntes que me “leu a sina”. Contou-me coisas da minha vida que não lhe tinha contado e deu explicações para as mesmas, com outros acontecimentos que não sabia.
    Acho que ela realmente conseguia “ver coisas” nas cartas. Como sou céptica fugi a sete pés e nunca mais lá quis voltar, apesar da minha amiga ter continuado “cliente”.
    vidademulheraos40.blogspot.com (http://vidademulheraos40.blogspot.com/).

  82. Olha Ricardo muito tinha a dizer sobre isto mas vou tentar resumir o melhor que puder.
    Sou agnóstica, nada dada a espiritualidades e muito cética em relação a certas supostas adivinhações que me cheiram sempre a charlatanice. No entanto, já experienciei algumas coisas menos… triviais digamos assim mas no campo onírico. Ou seja, já sonhei com algumas coisas que de facto aconteceram ( e não, não foram os números do euromilhões com pena minha ). Mas já me aconteceram coisas durante a vida real que eu pensei de imediato :”eu já sonhei com isto, assim tal e qual”. Será paranormalidade? Serão meras coincidências? Será de facto prova que de facto algo mais transcendental existe e que algumas pessoas mais sensitivas possam absorver melhor este tipo de fenómenos? Não sei, só sei que já me aconteceu e várias vezes, mas também acho que muitos dos relatos que já li a respeito devem ser falsos e daí ser muito difícil avaliar a veracidade de todos eles. Abraço Catarina Alves

  83. Na minha terra (Pego – Abrantes) há uma senhora que nós chamamos Bruxa do Pego, é extremamente conhecida, qualquer terra/cidade que vou há sempre alguém que me fala dela quando digo que sou do Pego… Eu não acredito em nada dessas coisas mas uma coisa lhe digo Ricardo, nós que não acreditamos, quando a vemos na rua preferimos passar bem longe pois ela diz sempre (sem ninguém pedir) qualquer coisa estranha acerca de nós que nos deixa um bocado “assustados” =/

DEIXE UMA RESPOSTA