O miúdo e a professora

56
7034

Muito se tem falado do vídeo em que o jovem Martim Neves, de 16 anos, cala uma professora universitária chamada Raquel Varela. Quem ainda não o viu, pode ver mais abaixo.

É opinião generalizada que o rapaz deu uma lição à professora, pela postura, pela atitude, pelo que disse. Mas acho que faltam dizer algumas coisas sobre as questões levantadas neste pequeno diálogo.

A primeira, é a da falta de preparação da professora. Acredito que ela estava firmemente convencida de que o rapaz encomendaria as suas T-shirts nalguma fábrica paquistanesa ou chinesa, onde os trabalhadores recebem um ou dois dólares por dia. Quando ele lhe disse que não, quando lhe disse que as fazia numa fábrica em Portugal, a professora, em vez de recuar, fugiu para a frente, foi para fora de pé e afogou-se. Especulou sobre quanto ganhariam os funcionários daquela fábrica, e sobre as condições de trabalho dessas mesmas pessoas. Com base em quê? Ela não sabe se aquelas pessoas ganham o salário mínimo, 700, 900 ou 1200 euros. Não faz ideia. Calcula, atirou para o ar, e isso, numa discussão daquelas, é um tiro no pé. A resposta do Martim foi só a humilhação final.

Depois, e ainda antes disso, se calhar era importante perceber se uma professora universitária deveria entrar numa discussão daquele género com um miúdo de 16 anos. O que é que ela tinha a ganhar? Onde é que ela queria chegar? Se tivesse argumentos para o desarmar, bom, seria a coisa mais natural do mundo. Ninguém espera que um puto de 16 anos saiba contraria argumentos de um professor universitário. Ou seja, mesmo ganhando a discussão, ela perderia sempre. É com um brutamontes do ginásio dar uma tareia num lingrinhas com menos 30 quilos – ninguém o vai ver como um herói, e todos vão ter pena do sovado. Mas até nisso ela teve azar: meteu-se com o lingrinhas e levou uma tareia.

Mais uma questão: pessoas que ganham o salário mínimo. Pagar o salário mínimo não é ilegal. Há pessoas que, efectivamente, têm de ganhar o salário mínimo, porque há empresas que não podem pagar mais e o serviço que elas prestam é muito pouco qualificado. O grande problema é mesmo o facto de o nosso salário mínimo ser vergonhoso, porque 485€ não dão para pagar casa, alimentação e a educação de uma criança, e há gente que depende exclusivamente do seu salário. Mas isso é outra discussão. E foi essa discussão que a professora quis ter com o rapaz, como se ele tivesse culpa que houvesse fábricas a pagar mal aos trabalhadores, ou como se fosse plausível que ele fizesse a encomenda das suas T-shirts com base naquilo que as fábricas pagam aos seus funcionários. Esperaria ela que o rapaz ligasse para as fábricas a saber quanto é que os trabalhadores recebem e, mediante a resposta, a escolhesse ou não para comprar as T-shirts? Isso faz algum sentido? Não. É só parvo e demagogo.

Será que aquela professora não compra roupa na Zara, que tem roupa feita nesses países que pagam miseravelmente aos trabalhadores? Será que não vai a cafés onde se paga o salário mínimo? Então, mas se compra na Zara e se vai a esses cafés está a contribuir para que essa indústria continue a subsistir. É ridículo, claro.

Agora, não acho que a posição académica da professora tenha sido incorrecta. Acho, sim, que foi desadequada. Como professora, acho que ela deveria ter dito o que disse, deveria ter chamado a atenção para outro tipo de problemas, de questões que muitas vezes escapam, agora, nunca o poderia ter feito em jeito de discussão com um miúdo, nem tentando culpá-lo por isso.

56 Comentários

  1. Não sei se devias odiar. Se um miúdo de 16 anos já é grande o suficiente para ser "empreendedor" como lhe chamam, também é grande para saber todos os aspectos das condições de trabalho. E as condições do que trabalham para ele! A professora não se devia ter calado, foi o único problema dela. "Mais vale receber salário mínimo". Claro, com esta mentalidade nunca mais saímos daqui. Triste país, triste povo.

  2. Sim ele anuncia roupa barata mas de barata nada tem…uma t-shirt a 10 euros…para isso vou a uma loja Pull&Bear…ou outras do género e por 10 euros trago duas e ainda trago 1 cêntimo de troco….Nem vou discutir o quer q seja…ele simplesmente aproveitou os 5 minutos de fama para fazer publicidade gratuita e nada mais….

  3. Arrumadinho,

    Como trabalho de casa o arrumadinho deveria ter ido ver qual o tema do programa "prós e contras" só aí poderia realmente afirmar se a resposta da professora foi desadequada ou não.
    Será que o tema foi "empreendedorismo" ou "precariedade"?
    Não sei e daí, não comentei.
    Já o arrumadinho…

  4. Oh Pedro, se a Holanda é assim um país tão maravilhoso para se viver e se está tão feliz com a sua escolha, porque é que passa a vida nos blogues portugueses a comentar o que se passa aqui no nosso pequeno país? Tem saudades é? Meta-se na sua vidinha e deixe-nos em paz, pessoas como o senhor não fazem falta!

  5. Sim, também li exactamente isso, que as camisolas vêm da Bélgica, de uma empresa que as manda fazer no Bangladesh…não tira realmente o mérito da resposta, mas assim o seu "empreendedorismo" fica mais reduzido. Provavelmente estampa ele as ti-shirts em casa, com uma daquelas maquinetas e acaba por não trazer grande valor acrescentado, a não ser para ele, claro.

  6. Reproduzir o que o estilista «cria»
    não é trabalho pouco qualificado
    mas sim pouco valorizado.
    Havia tudo andar nu e descalço,
    para dar valor a quem confecciona.
    salário igual ao real valor das marcas.
    Isto sim ,havia de ser a norma.

  7. Se estivermos a falar de marcas conceituadas como Rip Curl, etc, sei que os preços são bem acima disso. Até posso compreender que essas marcas tenham produtos de uma qualidade superior às outras marcas, mas também estamos a pagar (e bem) a marca em si. E a roupa/calçado dessas marcas também vem da Tailândia, China, etc, onde a mão de obra é muito barata.
    Por isso, prefiro ir à BSK ou à Pull&Bear e comprar uma sweat com capuz por 20€ ou 25€. Também tem qualidade e assim, em vez de poder comprar apenas uma, talvez possa comprar mais coisas.
    Daí eu dizer que a marca Over-it não tem nada de low-cost…

  8. Se estivermos a falar de marcas conceituadas como Rip Curl, etc, sei que os preços são bem acima disso. Até posso compreender que essas marcas tenham produtos de uma qualidade superior às outras marcas, mas também estamos a pagar (e bem) a marca em si. E a roupa/calçado dessas marcas também vem da Tailândia, China, etc, onde a mão de obra é muito barata.
    Por isso, prefiro ir à BSK ou à Pull&Bear e comprar uma sweat com capuz por 20€ ou 25€. Também tem qualidade e assim, em vez de poder comprar apenas uma, talvez possa comprar mais coisas.
    Daí eu dizer que a marca Over-it não tem nada de low-cost…

  9. "muito derivado a ainda viverem num país onde a maioria do povo é pouco mais do que analfabeto", já cá faltavam as pérolas do Pedrito da Holanda… Oh Pedro, vá lá trabalhar na sua Holanda e deixe o povo português descansado, caramba. Já chega de tanto "bota abaixo", já sabemos que é o melhor e que ganha muito bem. Vá lá à sua vidinha, por favor.

  10. É engraçado a hipocrisia que existe no movimento onde foi buscar este texto Anónimo.

    No entanto, só queria partilhar uma coisa consigo, a B&C tem distribuidores em Portugal.

  11. Só tenho uma pergunta para fazer a Joana
    Onde foi buscar essas certezas todas em relação ao Martim?

    Não foi na qualidade de Economista ou de Politico que o Martim foi falar ao programa.

    Ah e mais uma coisa, eu prefiro ganhar o ordenado mínimo do que estar no desemprego. Em momento algum o Martim referiu que o ordenado mínimo era bom, apenas disse o correcto.

  12. Arrumadinho, essa história de que as empresas não pagam mais do que o salário mínimo porque não podem ou porque os trabalhadores não são qualificados é que não é mesmo verdade. Lamento estar a informar.

  13. Gostei muito do texto. Parabéns! Penso que foi a melhor análise que vi ao sucedido. Porque no fundo a questão é mesmo essa: porque raio é que uma professora universitária vai discutir questões políticas e económicas com um puto de 16 anos???? Ridículo!

  14. Alguém pode falar do sr. empreendedor da Science for you e perguntar-lhe quanto paga ele aos seus colaboradores nos quiosques e que tipo de contratos faz?

    Ser empreendedor para gerar trabalhos precários acho que não vale a pena! Mas ainda bem que ele já tem 4 escritórios espalhados pelo mundo!

  15. P.S –
    O Bill Gates criou aquilo que viria a ser a Microsoft com a mesma idade (adolesciencia) e isto nos anos 70.

    Agora qualquer palhaço cria um negocio no Facebook a vender bugigangas e ja ´e o salvador da patria.
    Triste jornalismo este em Portugal.

    Ganhem juizo.

    Pedro
    Holanda

  16. Ponto 1 : simplesmente um puto mimado que pensa que ´e o Bill Gates, o Larry Page ou o Mark Zuckerberg

    Ponto 2 : as camisolas da empresa sao feitas na Belgica

    Ponto 3 : tem 16 anos, julga que ´e o futuro Mark Zuckerberg, mas na verdade ´e mais um "empresario pato bravo" (a base ´e a mesma que os tipicos empresarios portugueses de 50/60 anos com a 4ºclasse). Cria uma treta, diz-se empreendedor e defende crescimento `a base de baixos salarios. O que ´e simplesmente o caminho oposto ao correcto. O futuro ´e apostar em valor acrescentado REAL e pagar bem a gente qualificada.

    Ponto 4 : sim, realmente ´e muito dificil "ganhar" uma discussao com os tipicos professores universitarios ….regra geral muito fraquinhos, basicos e pouco habituados a confrontos intelectuais (muito derivado a ainda viveram num pais onde a maioria do povo ´e pouco mais do que analfabeto)

    Resumindo : mais um caso sem significado e que nao merece 10 segundos de atençao.

    Pedro
    Holanda

  17. Mas um miúdo de 16 anos nao tem culpa do estado do pais nem tem qualquer poder para o alterar mas os governantes têm essa responsabilidade!!!

  18. Eu acho é que estamos a entrar na fase do desespero…Em que sob a máxima de "é melhir que o desemprego" se forçam cada vez piores condições de trabalho. E isso é grave. Qq dia estamos a agradecer uma taça de arroz ao final do dia arduo de trabalho. E se por um lado a economia afundada não permite mais,por outro lado há muito liberal que beneficia com tal descalabro. Até na emigração se aproveitam dos trabalhadores qualificados do sul da europa e pagam-lhes salarios maus baixos que o usual,para as categorias profissionais.
    Isso do nivel de vida nos outros paises da europa é treta. Actualmente temos das cargas tributárias mais pesadas(sem contar com eletricidade, agua,internet etc).E sem regalias.no norte da europa desconta-se muiti,mas existem toda uma serie de contrapartidas positivas. Os supermercados na alemanha têm os mesmos preços que em pt,por exemplo.
    basta viajar um bocado para perceber as assimetrias.

  19. " Há pessoas que, efectivamente, têm de ganhar o salário mínimo, porque há empresas que não podem pagar mais e o serviço que elas prestam é muito pouco qualificado. " Arrumadinho vive em que planeta? E o que é trabalho qualificado para si? Ninguém deveria aceitar trabalhar por 500€…talvez a escravidão acabasse.
    Joana

  20. parece que afinal, não desenha nada.
    limita-se a comprar roupa a uma empresa belga que a manda vir do Bangladesh…
    falta saber que impostos paga, que trabalhadores tem, etc…

    parece-me que a professora mais lhe valia estar calada e quanto ao puto, nada de especial fez… disso há por aí ás carradas….

  21. Concordo com tudo o que aqui foi dito…A senhora deu um tiro no pé e a seguir ainda levou um tiro do miúdo!

    Levanto só uma questão: se não fosse um miúdo a dizer que mais vale os 485€ do que o desemprego? Se fosse, por exemplo, Passos Coelho ou Vítor Gaspar?

    Haveria palmas?
    Seguramente terminaria com vaias e insultos…

  22. Sério… esta senhora foi tão burra, mas tão burra, tão burra, que até tive de ouvir duas vezes para acreditar que a croma estava a pegar-se com um miúdo de 16 anos que desenha e vende t-shirts, por causa das condições de trabalho na China e do valor do salário mínimo nacional (que é ridículo, é um facto!). E com aquela arrogância nojenta a transborda-lhe pelos olhos. Aquele olhar mexe-me com os nervos.

    É preciso se-se mesmo muito, mas muito estúpida.
    Odeio burros.

  23. O único 'problema' foi este:
    "Quando ele lhe disse que não, quando lhe disse que as fazia numa fábrica em Portugal, a professora, em vez de recuar, fugiu para a frente". E está tudo dito.

  24. estou na mesma situação, tenho um mestrado, trabalho 8 horas por dia e recebo 500 euros porque a empresa não quer pagar mais. também prefiro os 500 euros do que nada, mas visto que sustento uma casa sozinha, e 90% do ordenado vai para as contas, muitas vezes não tenho dinheiro para comer ou para tomar um café. triste país este.

  25. Prós e Contras
    "Afinal o Martim não disse toda a verdade"
    http://www.bc-collection.eu/en/distributors.php?lang=en

    O jovem Martim, novo herói nacional, encomenda a roupa a um distribuidor desta empresa da Bélgica. Só coloca um transfer com o nome da "marca" e um logótipo feito num PCzito em 10 minutos:
    http://www.textilpromocional.com/
    Ao contrário do que disse, a fábrica onde é produzida a roupa não é portuguesa. Não paga impostos, ou seja, é apenas uma brincadeira de um miúdo. Não lançou negócio nenhum, nem está a criar emprego ou riqueza.

    Et voilá!
    https://www.facebook.com/photo.php?fbid=354116918027820&set=a.271605552945624.52477.129175870521927&type=3&theater

    «Eu gostaria de perceber como é que algo assim surge no Prós & Contras e depois corta-se a palavra aos que queriam falar dos jovens desempregados e dos que têm de desistir da faculdade por falta de dinheiro.
    Rico serviço público.»

    «Tem 16 anos e idealizou uma marca de roupa de baixo custo que se tornou num sucesso de vendas." ahahahah»

    Parte da produção da B&C vem da fábrica que desabou em Dhaka (em 2005, não se trata deste acidente mais recente que causou milhares de vítimas). http://blog.pier32.co.uk/2008/03/ethical-brand-profile-b.html
    http://www.business-humanrights.org/Categories/Individualcompanies/C/CottonGroup

    Parabéns Raquel Varela!
    O que tem de ser dito, deve ser dito – para 1 pessoa, para uma plateia, na Bilder-Tê-Bê ou no café.
    Só assim poderemos diferenciar-nos e fazer andar a Humanidade.

    Não é a primeira vez que o Prós&Contras dá voz a empreendedores que não produzem nada e que se aproveitam da visibilidade para rentabilizar os seus negócios.
    Agora temos o Martim, mas também houve aquela história da página Empregos no Brasil para Estrangeiros, e claro o Miguel "bater punho" Gonçalves."

    Aquelas palmas são juras de obediência do escravo ao seu amo.Há muito caminho a fazer.Um abraço solidário para a Raquel Varela.

    Investigação: Pedro Ferreira
    https://www.facebook.com/JPedroSMFerreira/posts/590810877603218

    Portugal sem Prozac
    Procuramos gente positiva e feliz
    http://www.facebook.com/portugalsemprozac

  26. Realmente a senhora doutora deu um tiro no pé e visto de fora sem saber sequer se o menino Martim fala verdade quando diz que a roupa é confeccionada em Portugal, poderíamos afirmar que sim,ele respondeu muito bem. A questão que se coloca aqui é : 1 – Ele passa recibos?
    2 – Tem a marca devidamente registada e paga impostos por ela?
    3 – Que necessidade teve este miudo em mentir sobre onde DE FACTO a roupa é confeccionada?
    4 – Desde quando um canal televisivo como a RTP pode dar a voz a um miudo de 16 anos e chama-lo de empreendedor quando os lucros que ele recebe por vender as ditas T-shirts são exclusivamente para ele e não contribui em nada para o país?
    5 – Viram o programa todo? pois se não viram houve um estudante universitário que à revelia(ninguém lhe deu tempo de antena) falou em casos de FOME nas universidades em Portugal, nisso ninguém fala porque a maior parte das pessoas que comentam e aplaudem o jovem Martim apenas viu um pequeno excerto do programa todo.

    Agora o meu ponto de vista é este: Desde quando este jovem é motivo para tanta polémica e publicidade, quando mentiu, desvalorizou o ordenado mínimo, e sim não é culpa dele que se receba tão mal em Portugal,mas denota-se que se trata realmente de uma criança a falar. Totalmente de acordo a Doutora errou no alvo, mas muito pouca gente se deu ao trabalho de analisar o comentaria deste adolescente. A minha linha de pensamento é a mesma de Karl Marx,e porque muitos se contentam com pouco realmente não têm nada, em Portugal é isso que se passa, as pessoas conformam-se e depois aplaudem respostas como a do Martim.

    Agora aproveito para vos perguntar e espero respostas: Se tivesse sido um Belmiro de Azevedo a dizer exactamente a mesma resposta que o Martim deu,quantos de vós o aplaudiriam?

    Joana Anastácio

  27. quanto a mim, só esta em causa a mentalidade de um kiudo de 16 anos achar que um salrio miseravel é melhor que não receber nada.Vendo bem o estado do país até se pode pensar que tem razão, que não deixa de ter. Mas a ideia de que o pode pgar é que está mal.

  28. Uma questão de forma e não de conteúdo. Para não variar. O miúdo estava ali para servir de exemplo de "empreededorismo" e a professora enterrou-se. Não que não tenha razão sobre o salário mínimo e as condições paupérrimas que o sector têxtil por norma oferece. Mas é uma questão meramente comunicacional. Deviamos forcar-nos no conteúdo dos debates do que em 20 segundos de vídeo e um sound bite que recebe palmas.

  29. O Arrumadinho sabe perfeitamente que em Portugal se paga salário mínimo a pessoas muito qualificadas e que exercem atividades com elevado grau de especialização – na sua área, por exemplo.

  30. Simpatizo com o miudo. Acho que e preciso ser muito calhorda para criticar a iniciativa jovem. Essa professorazinha perdeu uma boa oportunidade para estar calada.

  31. Infelizmente passa tudo por uma questão de realpolitik. É de censo comum que o salario minimo praticado em Portugal está bem abaixo do que, face aos custos que qualquer pessoa tem, deveria ser pelo menos 30% mais elevado. Tambem e verdade que ha empresas que podendo pagar mais nao pagam e outras que nao podem pagar mais por se encontrarem em situação dificil.
    O caso da industria dos texteis e disso bom exemplo: passados os tempos de "vacas gordas", quando os ditos empresarios da aera passeavam-se em carros de topo de gaam, enquanto pagavam salarios miseraveis ja passou. com a concorrencia de paises como a china, paquistao, etc, os custos competitivos sofreram um forte abalo, e a nossa outrora poderosa industria textil e hoje uma breve imagem do que ja foi. todavia, sejamos praticos: a maioria destes trabalhadores que estão nas areas tem uma media de 40/50 anos, sem qualificacoes. Se fossem despedidos, quem lhes daria emprego, com a agravante de ainda estarem longe da reforma? Obviamente estes trabalhadores resultam de anos de politicas economicas baseadas na mao de obra intensiva sem qualificacao, que com a entrada de novos players que nao "jogam" com as mesmas regras, colocou-a numa situacao muito complicada. E este bom senso que faltou a Raquel Varela, enfiada no seu gabinete, demonstrando nao so falta de conhecimento do mundo real como uma atitude de arrogancia e superioridade moral que…caiu no chao. E por favor nao tentem fazer deste "caso" uma guerra direita-esquerda. Estas novas geracoes ja se comecam a aperceber que o trabnalho por conta de outrem e cada vez mais diminuto, ja para nao falar do trabalho para a vida. Tem mais oportuindades, estao ligadas a todo o mundo. Infelizmente tem ido para fora, os miudos que deveriam ser os nossos futuros quadros, ja para nao falar da piramidade etaria e segurança social, pois pensam globalmente e se voltarem sera tardiamente. Por todos estes motivos, espero que as Raqueis Valarelas da vida acordem ~, deixem-se de ideologias e hipocricias e vejam o mundo tal como ele é: duro, competitivo e global. Nao e o mundo que desejei, mas e o mundo real…
    Diogo

  32. Só para esclarecer, a Raquel Varela não é professora universitária, mas sim investigadora e, pelo menos no campo profissional, competentíssima. Agora, obviamente esteve muito mal (e o ar de snob e arrogante não ajudam nada) e por isso toda a gente lhe anda a cair em cima e até a questionar o seu profissionalismo. Mas pronto, infelizmente nas redes sociais não faltam ódios de estimação. De qualquer modo não concordo com esta história de se fazer do miúdo o novo herói nacional, um exemplo para o país. Menos pah! O que ele disse é do mais elementar do senso comum, mas é também muito triste… A situação é de tal modo problemática que uns míseros 485 euros são melhores do que nada (eu bem posso dizer que são míseros porque já ganhei isso). Qualquer dia trabalha-se por um prato de lentilhas e um par de botas, porque em boa verdade é melhor do que nada.

  33. Acho que ela comprou uma guerra que não deveria ter comprado. O rapaz, mesmo que as tshirts fossem feitas no Paquistão, tem de ser um exemplo. Um jovem que aos 15 anos aposta numa marca e que tem uma ideia interessante que é ter roupa mais barata.

    Depois, ela deverá ter pensado que o desarmava em segundos. Tramou-se. Porque o rapaz respondeu aquilo que ela não esperava.

    Nesse momento, em vez de se calar, pensou que ainda podia ganhar a discussão. Voltou a meter o pé na lama.

    O rapaz não é o salvador do nosso país. Nem a senhora é a culpada de tudo. Mas a atitude dela é um autêntico tiro no pé.

    homem sem blogue
    homemsemblogue.blogspot.pt

  34. "Anónimo", estava a tentar perceber a tua lógica, mas, efectivamente, não há nenhuma subjacente ao teu discurso.

    – O facto dos pais terem financiado o negócio do filho não é positivo nem negativo: é uma fonte de financiamento como outra qualquer (aliás, uma das primeiras: "friends, family and fools").
    – "há muitas pessoas que querem construir negócio e não podem": E então? O puto tem culpa disso? Ou não devia ter formado o negócio dele, por solidariedade?
    – Em relação ao salário mínimo, o autor do artigo já disse o que havia a dizer, sem tirar nem pôr.

  35. Faz sim pela economia, o negócio pode ser financiado pelos pais sim porque ele não tem idade para isso… mas este desenha peças de roupa com o pensamento de criar uma marca low-cost de roupa atrativa na mesma… e fe-lo sozinho… e se a marca esta regista entra dinheiro de impostos que ele tem de pagar e para além disso as encomendas que sustentam a fábrica textil portuguesa que sustenta outras tantas famílias, mesmo se supuser que ganhe 500 euros são 500 euros honestos e melhor do que não ter dinheiro sequer… a culpa de eles receber 500 euros é do estado e da sua economia, porque mesmo que aumentem o ordenado mínimo em Portugal o que acha que acontece? Tudo fica mais caro e o mesmo salario minino que foi aumentado deixa de dar para pagar o basico… é um ciclo vicioso… ou acha que lá porque noutros paises o ordenado minino ser mais elevado que em Portugal, que estas pessoas vivem bem? Errado não vivem porque os produtos e a vida por si também é mais cara.

    Nem eu nem ninguém tem a solução ideal para que um ordenado mínimo de para viver sem que o preço dos produtos aumente… Se tiver essa solução força candida-te a Primeiro Ministro e lance a sua proposta… treinadores de bancada estamos todos fartos de os ler e ouvir.

  36. Completamente de acordo!
    Aquela discussão acabou por levantar imensas questões igualmente polémicas, nomeadamente a do salário minimo que em Portugal é ridiculo. Mas chamo a atenção que o salário minimo é pago por empresas que acredito que não podem realmente pagar mais, e muitas vezes a empregados com escolaridade que nem além do 4º ano vai, ou que nem uma formação mais técnica/profissional têm, MAS eu sou licenciada em Design, trabalho na minha área, 8h por dia, e ganho adivinhem quanto…500€! E não, não trabalho numa empresa que não pode pagar mais, simplesmente não quer pagar mais! Ainda assim, antes ganhar 500€ do que estar inscrita no Centro de Emprego, tal como o Martim disse. Por pouco que seja, é fixo ao final do mês e já me contento com isso, tem de ser.

  37. Seja pago pelo pais ou não, não deixa de contribuir. Um puto, até pode ser, mas teve uma ideia e deu-lhe forma! Se teve ou não a ajuda dos pais não sei, mas que seguiu em frente, seguiu. E daí? Não tem culpa que as outras pessoas não o possam fazer! Vamos todos deixar de investir, porque o resto do país não pode? E alguma vez ele defendeu que "500" era um bom salário? Apenas referiu que não ao menos não estavam no desemprego. O que é verdade, e que não deixa de ser bom, pelo não estão a usufruir de subsídios mais precários ainda para sobreviver. Aprendam por favor a analisar e não só a apontar o dedo.

  38. Olá Arrumadinho,

    Segundo o que já li no FB, o rapaz manda vir as camisolas da Bélgica. Mas como tu dizes, ele não tem culpa que os nossos governantes não façam mais para o salário mínimo ser diferente. Quanto a mexer ou não a economia, acho que se lhe compram as camisolas, sempre mexe qualquer coisa. Pelo menos, ele mexeu-se, ao contrário de muita boa gente. Só o futuro dirá se será um patrão ganancioso ou não… por ora, sempre faz mais do que muitos jovens da idade dele…

  39. E então Anónimo? Lá por o Martim não ter uma família para sustentar e uma casa para pagar não pode ter um negócio? Não o percebo. Com certeza que o Martim, quando for mais velho, vai ter outra profissão, a não ser que isto corra muito bem. Mas até lá, porque não? Ao menos não fica o dia todo à frente do computador, como muitos jovens.

  40. Mas ele quis e pôde e se o negócio dele for completamente legal económica e fiscalmente ele está efectivamente a fazer algo pela nossa economia..mesmo que pouco é melhor que nada! se pensássemos todos como você ninguém investia e nem salários de 500€ haveria para ganhar não acha??

  41. mas o rapaz está a fazer pela nossa economia aonde ?? podem me dizer ? um puto de 16 anos cujo o negocio foi financiado pelos pais, e quando a muitas pessoas que querem construir um negocio mas nao podem ?? por amor de deus ! ganhem 500euros e tenham TUDO para pagar a ver se chega para depois comerem algo…

  42. Exacto! O falhanço foi da Dra. Raquel em querer "culpar" o rapazolas! E achar que era tudo feito na China…até fiquei com vergonha alheia quando ele respondeu que era numa empresa portuguesa! Ahahahahha!

  43. Estou completamente de acordo. Aquele "TU tens ideia…" soou-me tanto a desprezo!
    Há já a corrente nas redes sociais contra o Martim. Dizem que ele mentiu, que manda vir as camisolas da Bélgica e que só a estampagem é feita em Portugal…
    Se mentiu é muito mau para ele, mas não lhe tira o mérito da resposta à senhora.

  44. Concordei contigo: foi um adversário completamente errado. E o Martim, apesar de ter sido apelido de arrogante por alguns, respondeu à altura, dizendo, por outras palavras: "estou a fazer pela nossa economia, e faço o que posso. não posso é mudar sozinho o mundo em 2 dias!".

    Também gostei muito desta análise: http://expresso.sapo.pt/martim-neves-raquel-varela-e-o-pronto-a-vestir-da-luta-de-classes=f808599#ixzz2U0iwGAj9

    pippacoco.blogspot.pt

  45. E eu acrescento que pior que tudo isso para mim foi a postura arrigante e snob que ela assumiu perante o miúdo como se quisesse descredibilizá-lo e desvalorizá-lo, teve azar.

DEIXE UMA RESPOSTA