O Hotel Cinco Estrelas que me fez corar de vergonha

19
4480

Há dias estava a fazer um zapping e reparei que ia começar na RTP 1 uma série que nunca tinha visto, chamada “Hotel Cinco Estrelas”. No genérico, reparei que um dos actores convidados era o meu primo João Lobo. Como gosto de acompanhar a ficção nacional que se vai fazendo, mesmo que não consiga seguir as novelas, e como queria ver como se tinha saído o João, fiquei a ver. E vi tudo até ao fim.

A série, com o José Pedro Gomes, a Alda Gomes, o Vítor Espadinha e a Dânia Neto, entre outros, tem, seguramente, os piores textos que me lembro de ver na televisão nacional. Verdadeiro lixo, do início ao fim – pelo menos, os daquele episódio.

A trama passa-se num hotel, José Pedro Gomes é o gerente, Dânia Neto empregada de limpeza, Vítor Espadinha o cozinheiro. Há ainda o empregado da recepção e os clientes, que são os tais actores convidados. Neste episódio, tudo andava à volta da homossexualidade. O gerente decidiu tornar o hotel “gay friendly” e, de imediato, começaram a chegar homens vestidos de lantejoulas e tops curtos, travestis, todo um amontoado de clichés sem qualquer ponta de graça. Tenho uns seis ou sete amigos gay e nenhum se veste, nem de perto, nem de longe, como os que são apresentados ali. Até entendo que o humor, muitas vezes, se faz de exageros, mas aquilo era mesmo só um estereótipo parvo. As conversas entre as personagens, então, eram de uma homofobia medonha e preocupante. O tipo de graçolas eram de fazer corar de vergonha os autores dos “Malucos do Riso” com os trocadilhos mais básicos que é possível imaginar. Estava a ver aquilo e a cada “punch line” só me perguntava: Ele não disse isto, pois não? A piada não foi esta, pois não? Era. Era sempre.

Quando a série acabou, dei por mim a pensar em toda a fase de venda daquele produto. A ideia até podia ter potencial, e se calhar o piloto até nem era mau – não sei, não vi – mas quando estava a ser produzido aquele episódio, não houve ninguém em toda a cadeia de produção que olhasse para aqueles textos e percebesse a pobreza, a falta de dignidade, a baixaria, os estereótipos grosseiros e homofóbicos presentes no guião? Ninguém na produtora – a Mandala – supervisionou aquilo? Ninguém na RTP passou os olhos pelo produto antes de ele ir para o ar? Eu quero acreditar que não, e quero acreditar que o programa passou pelos pingos da chuva e apareceu em grelha, porque se alguém o viu e deu o OK – para mais num canal público de televisão – então, algo de muito, muito errado se está a passar na direcção de programas da estação.

Quem quiser perceber o que estou a dizer pode ir aqui e ver alguns episódios em streaming (acho que este último, o tal sobre o hotel gay, ainda não aparece na lista).

19 Comentários

  1. Portugueses pelo Mundo… ainda não vi o Arménio (trolha d Areosa).
    Só vejo entradas de diretores (economicos) que repetem o que já está feito (ocos). Assim como a mesma “corja” que o empossou dizendo que a culpa foi dos antecessores.

  2. "Já aqui escrevi sobre a discussão do papel educativo da televisão, e de como a trash tv pode influenciar-nos negativamente. Não concordo com isso. Acho que não há mal nenhum em ver-se um programa destes ou um reality show, porque não é por isso que vamos ficar estúpidos, não é por isso que nos vão morrer neurónios. Acho que se dermos umas gargalhadas a ver uma coisa pateta só ganhamos com isso, porque rir faz bem. Agora, o problema está em só se ver coisas deste género. E aí, é um trabalho que cada um tem de fazer por si. A culpa de se ver má televisão é de quem a vê, e não dos canais que a emitem. Hoje em dia, com o cabo, há 250 opções em simultâneo, por isso, se alguém não gostar do que está a dar num canal, é simples, muda para outro."

    O Arrumadinho, 29/07/2013

  3. Eu por acaso estava de férias e esse episódio passou na rtp internacional e tive oportunidade de ver. Não vi com grande atenção e sim, o humor é péssimo, mas não me pareceu nada homofóbico nem com estereótipos, muito pelo contrário. O que me pareceu foi que o episódio quis transmitir que a maioria nas pessoas não sabe lidar com o tema da homossexualidade e na tentativa de agradar as pessoas homossexuais caem no exagero. Acho que o objectivo no fundo e a lição que eu tirei do episódio foi que os homossexuais são pessoas normais que gostam de coisas normais e não é preciso estar a tentar fazer coisas diferentes e super alternativas para agrada-los. Porque no fundo somos todos iguais. Apesar da série me parece um bocado foleira, acho que o objectivo foi conseguido e apesar de tudo não é lixo televisivo como os programas de horário nobre da sic e da tvi. Se me dissessem: queres ver este episódio 30 vezes ou um episódio da casa dos segredos uma vez, eu escolhia ver esse episódio umas 30 vezes.

  4. Olá Arrumadinho,

    Sou leitora assídua do seu blog, assim como dos seus livros. No entanto há, ainda, um tema que gostaria de ver abordado por si. Já conversei com várias amigas e partilhamos a opinião de que vocês, homens, dizem gostar de lingerie, no entanto, na prática parece-nos que não lhe dão o devido valor.

    Será que este tema poderia ser explorado?

  5. Nunca vi o programa mas pela sua descrição não faz o meu género e deve ser realmente mau. Mas agora não concordo que digam que a RTP não tem programas de qualidade a não ser o "Portugueses pelo Mundo"! Gosto do programa, é interessante, dá para distrair e conhecer um pouco do mundo enorme que nos rodeia mas acho impensável que se diga que não há mais nada de qualidade… Houve pelo menos duas produções da RTP relativamente recentes e que eu considero excelentes: Conta-me Como Foi e Depois do Adeus. São as duas séries fantásticas com bons atores e bons guiões, contendo como tudo algumas falhas mas nada que nos permita dizer que não são programas de jeito!

  6. Nunca vi mas, se assim é, tenho imensa pena que o José Pedro Gomes esteja ligado a algo com tão pouca qualidade porque gosto imenso do seu trabalho.

  7. Já que faz questão de acompanhar coisas nacionais, gostava de ver um texto seu em relação ao (possível) fecho da Cinemateca Portuguesa, um pilar da nossa cultura.
    Cumprimentos.

  8. O Portugueses pelo Mundo é bom sim senhora e tá bem feito..mas mostra apenas portugueses bem sucedidos..não mostra a realidade de 90% dos emigrantes portugueses por esse mundo fora..
    porque não é a realidade ali mostrada de todo! não deixando de ser um programa que gosto..também acho que só vai ao bom e bonito..não ao real!

    Relativamente ao hotel 5 estrelas..conseguem ser deprimente ver aquilo..jasus…tanta coisa boa que se pode fazer em televisão e há quem escreva guiões destes? estudaram onde? tiraram o curso ao domingo???

  9. Concordo inteiramente com o seu comentário, embora não tenha visto esse episódio, dos que vi é mesmo esse o estilo. E se ali podem ter sido homofóbicos, noutros como "Odisseia" faziam uma propaganda subliminar à homossexualidade, sem que na cena viesse a propósito. Nesses casos, o efeito é contraproducente.

    Tenho uma análise detalhada de alguns programas da RTP nos meus blogues – separador "Critica aos media".

    Não concordo que "Portugueses pelo Mundo" seja uma boa série como diz alguém acima. À primeira vista pode parecer, mas uma análise atenta mostra a sua superficialidade. Só passam emigrantes felizes e de sucesso – bem longe da realidade de muitos emigrantes. E a imagem que dão dos países visitados é sempre vibrante, tipo postal turístico. Ex: quando foi para o ar o episódio sobre o Brasil, os entrevistados só diziam maravilhas – mas na mesma altura deram-se as gigantescas manifestações que puseram em causa essa imagem que em Portugal se dá do Brasil (país para onde já venho há uns 10 anos). Nos primeiros 3 anos também eu tinha essa imagem estereotipada metida na cabeça pelas telenovelas e coisas do género. Se fossem ao sertão, andassem pelas feiras e bairros periféricos, abrissem uma conta bancária, fizessem um contrato, frequentasse as "lanchonetes" e restaurantes comuns, mudavam de ideia.

    Quanto a "Beirais", como noutras novelas, a maioria dos atores é confrangedora, geralmente nem os textos fixaram, emendam as falas constantemente, e não são convictos, nem intensos, nem naturais. A comparação com as telenovelas da Globo é confrangedora (Globo, aliás, conhecida no Brasil pela sua manipulação ideológica) e nem dá para fazer, tal a diferença de qualidade.

  10. eu sempre achei que o problema da ficção portuguesa não estava propriamente nos actores, (temos alguns actores bastante bons, com reconhecimento também para além de Portugal)mas sim na escrita das historias que sao sempre ridiculas e degradantes. Nao me consigo lembrar da ultima historia com pés e cabeça escrita por portugueses (e que nao seja uma adaptaçao de alguma coisa que ja se fez la fora). É uma pena, porque tal como eu, acredito que existirão muitos mais portugueses que não tem dinheiro para pagar TV cabo e por isso estão limitados aos 4 canais. E sim claro há sempre os computadores para ver as séries norte americanas, mas há alturas do dia em que as pessoas nao querem estar sempre com um computador à frente depois de horas a fio no trabalho.(Já agora, por amor de Deus, quando é que vão tirar a porcaria das festas das aldeias ao Domingo?!Quando é que vao pôr programas decentes no serão de sábado à noite?)

  11. Apenas passei os olhos por um dos episódios mas não me agradou. Um humor muito brega, por outro lado a série Bem Vindos a Beirais vale a pena ver, não sei é se já acabou.

  12. Gosto imenso de acompanhar o seu blog, temas sempre actuais e interessantes numa escrita inteligente. Bem haja para esta critica acertada sobre um assunto que ja devia ha muito estar ultrapassado.

  13. Esta série é repetida Arrumadinho, já passou à um tempo atrás na RTP, no entanto era transmitida noutro horário. Pelos vistos teimam em passá-la não entendo bem porquê mas enfim.

  14. Eu acho que a RTP chegou ao ponto de não querer saber que programas produz e passa. Já há algum tempo que grande parte dos programas são vergonhosos, especilamente no que toca à ficção. O que é uma pena, tendo em conta que é um canal público e que faz assim programas vergonhosos com o nosso dinheiro. Mas claro que também tem programas excelentes, como o Portugueses Pelo Mundo. É o que lhe vale.

DEIXE UMA RESPOSTA