O blogue da semana #2 – As Dicas da Bá

20
4564
Chama-se As Dicas da Bá e está sempre em cima de novidades ligadas à poupança. Traz, muitas vezes mais rápido que os jornais, as grandes apostas de grandes marcas, as promoções, últimas sobre consumo, inovações tecnológicas e, tenho a certeza, com mais projecção tem tudo para se tornar num dos blogues de referência nesta área.

Apesar de ser muito recente, é um blogue adulto, bem escrito, bem estruturado, com um rumo definido, diversificado e muito próximo do que interessa às pessoas, sobretudo nesta conjuntura.

A autora chama-se Bárbara, é jornalista, mãe, apaixonada pela vida e especialista em finanças pessoais.

Podem espreitar o blogue aqui, e tornar-se fãs da página de Facebook aqui.

20 Comentários

  1. Realmente há com cada pessoa… alguém cria um blog de utilidade, outra pessoa faz a amabilidade de o divulgar e depois aparecem sempre as aves de rapina com teorias e mesquinhez, ó pá o blogue é bom, vai dar jeito como dão milhares de outros, qual é o problema? Quero cá saber se é a irmã gemea de arrumadinho ou se é um alien a emitir de Marte, o que interessa é que tem qualidade e a meu ver mereceu o destaque. Não há pachorra! Desculpem a ira…

  2. Olá Cara Anónima, aqui estou eu, a Bá. Denoto no seu comentário uma certa desconfiança. Compreendo que já se tenha desiludido, mas não percebo a necessidade de atacar quem não conhece.

    Como vem descrito no blog "As Dicas da Bá" trata-se de um blog pessoal, não de finanças pessoais. Nele falo de vários assuntos, incluindo de finanças pessoais, mas não se foca apenas nesses assuntos porque acho que as "dicas" podem ir mais além do mundo financeiro. É pessoal, reforço.

    Está muito interessada em saber o que faço, então deixo-lhe a biografia que vem nos dois livros de finanças pessoais que já publiquei.

    Bárbara Barroso é jornalista do Dinheiro Vivo, o jornal digital de economia da Controlinveste (plataforma que engloba o DN, JN e TSF). Licenciada em Ciências da Comunicação e da Cultura, fez um Curso Intensivo de Banca, ministrou vários workshops sobre finanças pessoais, investimentos e orçamentos familiares e tirou uma certificação em em consultoria financeira pessoal (Certified Financial Planner – CFP), pela Universidade de Boston. Como jornalista foi coordenadora de economia do jornal i e redactora de finanças do Diário Económico, onde desenvolveu o suplemento de finanças pessoais deste jornal. Teve uma rubrica diária sobre poupança na rádio fi fm. Em 2009, lançou o seu primeiro livro: 19 Passos para Sobreviver à Crise. Em 2011 apresentou a sua segunda obra: Tempos Complicados, Soluções Simples – Saiba Como gerir Melhor o Seu Dinheiro.

    E, pronto, sou eu a Bá! E, já agora, a Srª quem é? Qual o seu nome? Estou aqui a apresentar-me e nem sei como quem falo.

  3. Cara Rosa Mendonça. Em primeiro lugar, só me envia links quem quer. Eu pedi, não exigi. Choveram mails, sim. Quem é que disse que isso é um grande problema? Não tenho tempo para os ler a todos num curto espaço de tempo, é verdade, mas vou lendo com tempo. Muita gente que me enviou links tem recebido respostas minhas.
    Em segundo lugar, quem é que lhe disse que a Bárbara é minha amiga? É por ambos sermos jornalistas? Se a Rosa for advogada devo depreender que é amiga de todos os advogados do país, é isso?
    Em terceiro lugar, diz que este blogue "ainda não é nada". Pois. Tal como não era o primeiro que sugeri. São blogues que eu, pelo que li, acredito que vão ter sucesso. Já agora, e se quiser, pode perguntar à autora do Pippa Coco se me conhece de algum lado. Verá que não.
    Em quarto lugar, as pessoas que comentam o blogue não têm de ser "grouppies" ou ofensivas. Há um meio termo. Se o seu comentário fosse, simplesmente, sobre a sua análise ao blogue, e a sua análise fosse má, e dissesse que não concorda, e tudo o mais, nenhum problema, tudo normal. Mas não. Tem de vir a especulação sobre a eventual amizade entre mim e a autora do blogue, o pagar de favores, e essas tretas todas que tornam o seu comentário, apenas, numa coisa parva. E só o publiquei porque o seu perfil não dá para enviar mails, porque, por norma, não publico comentários de gente que não sabe dar a sua opinião sem teorias conspirativas. Que é o seu caso.

  4. Super útil, sou seguir.

    Ricardo desculpe que isto não tem nada a ver com o tema mas… vi há uns dias uma entrevista sua em "conversas de sofá" que me deixou incrédula pela postura da suposta jornalista acho que era marta borges, que lhe fazia perguntas num tom completamente superficial e snob… aquilo foi mesmo assim? Ou era para ter mesmo aquele registo de suposta brincadeira? A sério, é que se foi mesmo assim tenho pena dela… desculpe mas fquei atónita com a entrevista.

    Catarina Alves

  5. Vou novamente parecer ofensiva mas não é a minha intenção, na verdade todos os dias aparecem especialistas em finanças pessoais, e depois há uns que o são efectivamente e há outros que nem por isso. Atendendo a que pareces conhecer muito bem a Bá, pergunto afinal qual é o nome da senhora, Bárbara? E o apelido,qual é?

  6. Portanto, você pede para os leitores enviarem links de blogues porque, provavelmente, anda por aí muita coisa que merece ser lida. As pessoas fazem isso. Mas, grnade problemas, choveram e-mails (achava mesmo que seriam só uns 10 e que era fácil de ler tudo?). Assim, dá-se a volta à coisa e sugere-se o dos amigos.

    Ninguém o obrigou a pedir blogues. Mas, se é para mostrar os dos amigos, que não têm ainda qualquer substância, mais vale chamar à rubrica "Os blogues da malta que gosto".

    Se este blogue que indica se vai tornar, ou não, numa referência, não sei. Agora, ainda não é nada.

    E toda a malta, aqui, a dizer que é interessante, e bonito e tal. Ao que chega a bajulice. Não é interessante. Não é apelativo visualmente. Não tem conteúdos que o diferenciem. E, mais importante, está no início. Daqui a um ano estará por cá? Daqui a seis meses? A essência de um blogue sente-se ao final de algum tempo. Não ao final de uns quantos posts.

    Claro que, de seguida, toda a malta irá bater neste comentário, que o que eu tenho é inveja. Se calhar é isso: tenho inveja de não ser uma groupie que bate palminhas a tudo o que o senhor diz. Ou, então, não.

  7. Sim, cara anónima, ainda é cedo. Faça como a Bárbara e trabalhe durante vários anos em jornais de referência, jornais exonómicos, sempre ligada às finanças pessoais, torne-se numa das jornalistas mais respeitadas nessa área, e, depois, intitule-se de especialista em finanças pessoais.

  8. Lamento se vou parecer ofensiva, mas para blog de especialista em finaças pessoais ainda não vi nada. Porque razão as pessoas se autointitulam de algo que na verdade não é nem deixa de ser com o objectivo de angariar leitores e depois decepcionam abruptamente.
    Olha, eu já li mais de dez livros de finaças pessoais, entre eles o Pai rico, pai pobre do Kiyosaki, o meu primeiro milhão e o descubra o milionário que há em si do Pedro Queiroga Carrilho, o amor, dinheiro e auto-estima da Alexandra Almeida, o Manual de Finaças Pessoais (capa azul com a imagem de um extracto multibanco, não me lembro do nome dos autores) e um outro do David Almas, sobre reformas. Diz-me: também posso autointitular-me de especialista em finanças pessoais, ou ainda é cedo?

DEIXE UMA RESPOSTA