Não vou falar mais sobre os miúdos do vídeo

48
5948

Vou falar, pela última vez, sobre os alunos entrevistados pela revista SÁBADO, que divulgou um vídeo com respostas patéticas.

E quero tranquilizar todos os indignados que pertencem à mesma geração que estes alunos do ensino superior. E tranquilizá-los dizendo que só gente ainda mais burra do que alguns destes alunos entrevistados pode julgar o todo pela parte, pode rotular toda uma geração com base em entrevistas como as que a SÁBADO fez, ou em respostas dadas por concorrentes da Casa dos Segredos. Cada pessoa é uma pessoa, e não há rótulos geracionais que mudem isso. Ninguém irá ser afastado de uma entrevista de emprego só porque é da geração rasca, da geração à rasca, ou da geração que não sabe quem escreveu “O Evangelho Segundo Jesus Cristo”. A individualidade continua a existir. E as pessoas inteligentes continuam a olhar para os jovens e a pensar que eles são isso mesmo, jovens, uns melhores, outros piores, uns mais cultos, outros menos, uns informados, outros alheados do mundo, uns extremamente inteligentes, outros muito limitados. É assim agora, como era assim há 10, 20, 30 anos.

É verdade que o mundo hoje está muito mais duro e competitivo. Mas isso não deve servir para que se baixe os braços, para que se aponte o dedo à “situação actual”, “ao Estado”, aos pais, à sociedade, aos professores, às escolas, ao primeiro-ministro, à crise, à conjuntura, aos meios de comunicação social, aos programas da TVI, ao Facebook. A culpa de haver gente estúpida (e aqui falo de gente, não de jovens) é, em primeiro lugar, delas próprias. E sobre isso quase ninguém fala.

Da forma como as coisas estão, e estão difíceis – para os jovens e para todos -, cada um deve fazer de si uma pessoa melhor, mais culta, mais informada, mais inteligente. É isso que a fará vingar no mercado de trabalho e nada vida. Chega de culpar o mundo pelas nossas incapacidades. Há é que ir à luta com as armas que se tem. E a melhor arma que podemos ter é a nossa cabeça, a nossa cultura, o nosso espírito, a nossa criatividade, a nossa força, a nossa vontade. E isso não nasce connosco, aprende-se e apreende-se. Nas escolas, em casa, mas também, e sobretudo, por nós próprios.

Quantos dos miúdos entrevistados pela SÁBADO não tiveram todas as condições sociais e económicas para se tornarem pessoas melhores, mais instruídas, mais viajadas? Quantas chegaram aos 20 e tal anos e, percebe-se agora, desperdiçaram todos esses anos, provavelmente em coisas completamente inúteis e contribuiram zero para que se tornassem homens e mulheres superiores, ou, pelo menos, razoaveizinhos? Não aceito que se culpe o mundo pela estupidez de cada um. Cada um é o principal responsável por ser estúpido. E não é estúpido porque uma revista coloca um vídeo a dizer que ele é estúpido. Se não o for, não tem com que se preocupar, porque os bons têm quase sempre mais oportunidades de terem sucesso do que os medíocres.

É nisso que acredito. Era por pensar nisso que me esforçava, quando tinha 18, 19, 20 anos, por ser uma pessoa melhor. E lia, e via filmes, e olhava para o Atlas, e corria atrás de informação, e ia para a biblioteca municipal alugar livros que não tinha em casa. Mas também jogava à bola, e computador, e fazia disparates, como acho que os putos têm de fazer. Mas uma coisa é também fazer disparates. Outra é só fazer disparates.

Podem dizer que a culpa é dos paizinhos, e dos professores e da escola, e da sociedade e de tudo o que quiserem, porque eu direi sempre que a culpa é, em primeiro lugar, dos próprios. Com 18, 19, 20 anos têm obrigação de perceber que se não se tornarem pessoas melhores não irão longe, que serão ultrapassados por outros, comidos vivos por um mercado de trabalho cada vez mais cruel e competitivo.

Como já escrevi aqui, acho que os miúdos que aparecem no vídeo da SÁBADO são a minoria. Continuo a crer que são a minoria. Quero crer que são a minoria.

O que acho é que está na altura de dizer basta, de dar um grito de alerta, para que esta minoria não continue a crescer, porque eu acredito que está.

Se a reportagem da SÁBADO serviu para isso, para ser esse grito de alerta, para chamar à atenção para o caminho para onde estamos a ir, então, acho que valeu a pena.

48 Comentários

  1. Caro Arrumadinho, sou estudante universitária e não concordo de todo com o rotulo que se tem tentado colocar a esta geração. Estou certa que foi apenas um péssimo exemplo, que foi um video um pouco tendencioso. No entanto, não discordo que haja muita falta de cultura, por esse Portugal fora. Mas o mal não é só dos maus alunos, é também dos péssimos professores! ( e o vídeo fala por si)

    http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=D0E9Rw5Kx6Q

  2. Cap Créus, por acaso sei o que é cultura geral e acho que deixei isso claro no meu comentário. Por isso é que não lhes chamo burros ou estúpidos, mas sim que têm falta de cultura geral.
    Quanto às questões, assim de rajada, até sei a resposta, mas se não soubesse, não seria burra nem estúpida por isso. Burra e estúpida apenas por estar a responder a comentários com os quais nada concordo. Mea culpa.

  3. Susana,

    integrais triplos, aqui, neste blog?
    Não querendo ser malvada, acho que se nós temos queimar as nossas ricas pestanas á volta de matérias realmente complicadas. Estes senhores de psicologia/privadas/qq coisa tem… todo o tempo do mundo para aprender os mínimos!

    A ignorância é uma escolha. Mas pior, é ver os pseudo que aqui andam a mandar postas da sua inteligencia.

    Adora.

    A Engenheira

  4. A Susana e o anónimo não sabem o que quer dizer cultura geral, pois não?
    E matemática pura não o é.
    A Dona Susana sabe que tratado está em vigor na UE? Assim de rajada sem ir ver à net.
    Outra?
    Em que ano aderiu a Grécia à então CEE?
    O que quer dizer CECA?
    Pois…
    IGNORANTES é que estes tadinhos são. todos eles.
    Capela Sistina? Capital dos EUA?
    Por favor!

  5. LOL
    Susana… nas percas tempo…porque infelizmente ha uma certa classe de pessoas que pensam que sabem muito porque nao aplicam o seguinte lema :

    "Eu so sei que nada sei"

    Coitados julgam que por escreverem meia duzia de linhas de texto em PORTUGUES numas revistas de tanga sao grande coisa ……. SAO em comparaçao com a minha avó que É ANALFABETA E tem 90 anos…NAO SABEM é que na piramide intelectual/academica estão NO FUNDO ……

  6. Concordo plenamente contigo arrumadinho e faço parte desta geração à raca. No entanto, irrita-me profundamente as pessoas que apontam o dedo sem olhar para elas próprias. Hoje estive a ver o video do tal rapaz que mentiu e disse que só tinha errado uma resposta etc, e havia pessoas a comentar "é o estado do país em que ESTA-MOS". Tanto comentários destes como pessoas a dizer ou a dar a entender que os da provada são burros irritam-me muito porque eu ando numa privada e tive média de 17, o que é que isso tem a ver?

    Beijinhos

  7. Não podia estar mais de desacordo.
    Chamar de burros ou de estúpidos a estes alunos é demasiada arrogância. Quando muito é falta de cultura. Já pensou que talvez eles saibam doutras áreas que se lhe perguntassem a si talvez não soubesse responder?
    Só para lhe dar um exemplo. Tive um colega na faculdade que se lhe fizessem estas perguntas nem respondia a metades. Tinha uma falta de cultura gritante. Mas de integrais triplos, equações diferenciais, geometria afim, teoria dos jogos, criptografia, teoria dos números era do melhor. Tanto era que acabou Matemática Pura com média 18 numa das Universidades Públicas melhores do país. E agora é professor na mesma. Não creio que ele seja burro mas tenho a certeza que se lhe perguntar qual a capital de Angola ele não me sabe responder.
    As pessoas não têm que ter todas os mesmos interesses.
    Eu sei quais são as maiorias das capitais, porque me interesso pelo assunto, mas se me perguntar por reis portugueses digo-lhe apenas dois ou três.

    Já agora Arrumadinho se eu lhe perguntar o significado de um integral triplo sabe? Assim de rajada, não vale ir pesquisar.

  8. De vez em quando dou uma saltada ao seu blog mas tenho sido uma lurker. Hoje, li este post e não resisto a comentar. É que de manhã, voltei a comentar um post no Facebook em que se discute o mesmo assunto e escrevi:

    "Ontem li a reportagem na revista e fiquei a pensar no assunto. Não revejo nenhuma geração naquilo nem me sinto pessoalmente atacada mas a verdade é que estamos a falar de gente que frequenta a universidade. Já se sabe que não se deve confundir instrução com educação nem com cultura mas era bom que assim fosse. As pessoas são empurradas cada vez mais para conhecimentos especializados e sofisticados MAS "afunilados" e pessoalmente conheço muita gente cheia de sucesso profissional e/ou académico e/ou monetário com quem dói conversar. A sociedade, a escola e os paizinhos têm culpas no cartório mas as próprias pessoas, que são muitas vezes alegre e orgulhosamente ignorantes, são as mais culpadas de todas. Quem não sabe quem pintou o tecto da Capela Sistina nem quem escreveu o "Evangelho Segundo Jesus Cristo" e se desculpa com coisas do género "não sou muito da igreja" merece um estalo na cara."

    Concordo, portanto.

  9. Ao anónimo: Existe uma enorme discrepância entre um aluno que obtêm uma média de 10 e outro que obtêm uma média de 18 no final do secundário. Sabe porquê? Porque há muitos que tiram 18 mas não sabem nada, enquanto que o outro que tira 10 estuda e acaba por saber alguma coisa.
    Em relação ao privado, é verdade que a maior parte opta por este tipo pelo facto de não ter média suficiente, mas não quer dizer que seja pelo facto de não saber, não se esqueça que os exames contribuem para baixar a mesma. Há bons alunos no privado, sabia?

  10. Não sei o que é pior, se um molho de universitários claramente ignorantes e despreocupados com isso se uns jornalistas que não lhes ficam muito atrás: a água não tem símbolo químico. Tem sim, uma fórmula química que inclui dois símbolos químicos. A própria jornalista dá uma calinada quando pergunta qual é o simbolo quimico da água quando a água é uma molécula e não tem simbolo químico mas sim fórmula química. Ou seja, é basicamente tudo de bradar aos céus. Pelo menos os entrevistadores deviam dar o exemplo, digo eu. É incontestável que estamos perante uma geração que anda um bocado a leste, mas tenho a certeza que há por aí muito boa gente interessada, culta e empenhada. E são esses que devem ser o exemplo. Ninguém sabe tudo nesta vidinha. Só é triste que seja mais fácil para a maior parte de nós apontar o dedo e rir daqueles que não sabem x ou y, do que olhar para o umbiguinho e fazer por ser melhor.

    Joana

  11. Tenho que concordar contigo, eles são literalmente a minoria. Mas mais triste é não só uma revista como a Sabado ter generalizado meia duzia de respostas como a falta de inteligencia de uma geração inteira…como o video ter percorrido toda a internet como um virus e as pessoas se rirem como se não respondessem tais absurdos nunca na vida, quando não sabemos até que ponto aquela foi a unica resposta que o interrogado errou, ou se foi feita uma montagem estratégica sobre a resposta, como alega o aluno que processou a revista. Enfim…nem todos temos a mesma cultura geral, somos diferentes tal como as nossas respostas.

    Bom fim de semana =)

  12. Este assunto já cheira mal.

    É claro que quem não lê jornais e só vê os videos no facebook e afins fica ou muito indignado pela imagem que passam, ai que os universitários são burrinhos burrinhos, ai que não é nada assim, ai que humilhação e beca beca beca ou apregoa a calamidade deste país a sete ventos que é como quem diz: saaai notícia quentinha no facebook, olha que vergonha, cobras e lagartos. as 'repotagens' têm contextos, claro, que isto é como as manchetes: manipulam-se as variáveis para que venda, para despertar a atenção. até aqui não me parece novidade.

    eu sou aluna de psicologia exactamente como o sujeito e estou no terceiro ano. confere tudo. sabia as respostas todas, mas podia dar-se o caso de não saber uma ou outra. a questão é que há ali lapsos que apetece perguntar donde é que estes sujeitos vieram que metade do mundo lhes passa ao lado e rezar às alminhas. se generalizar é um erro? claro. mas que há personagens bem piores no ensino universitário, há. incultos que dói. mas não são todos, nem a maioria. este é um retrato fiel de parte da população portuguesa, infelizmente. e há semelhança do que nos diziam em pequenos que para sermos grandes tínhamos de comer muita sopa, eu acho que muita gente para ser grande devia ler muito livro, ter uma estaleca de teatro, de concertos, ler jornais, ver clássicos de cinema. não só por uma questão de cultura, mas também de perspectiva enquanto pessoa.

    é isto.

  13. Reparem no grosso da amostra?! Ou frequenta um curso na pública com média de 10, ou então frequenta o privado! Eu tenho 21 anos, petenço à geração desta triste amostra,e estou a fazer mestrado num instituto de investigação científica, altamente bem reputado, onde só se fala, escreve e pensa em Inglês. Em que leio 4 pappers por dia e tenho exames logo na 1º semana dos módulos. Estou feliz ainda assim, esta exigência, há-de difenciar-me dos demais.Sei quem escreveu uma catrefada de livros, as capitais de quase todos os países,etc et al So what? A verdade é q ao contrário do q o arrumadinho pensa, nada disto é perguntado numa entrevista de emprego e parte desta gente inculta que participou no voxpop vai provavelmente arranjar emprego 1º q eu. Porq o q não falta são filhinhos de pais ricos, q ainda q profundamente limitados em volume neuronal, ocupam bons tachos!

  14. Na mesma revista, no artigo sobre "Os locais mais marcantes da história mundial" podemos ler o seguinte:

    "Este aglomerado rochoso junto ao Mar Morto foi local de resistência épica dos rebeldes judeus contra a ocupação romena de Israel."

    Bom, ocupação romena??? ROMENA???

    Bem sei que todos cometemos erros no nosso trabalho mas eu pago os meus bem caros em auditorias de controlo de qualidade…

    Uma revista não é um academia, não é uma escola, mas quando queremos ter pergaminhos temos que lutar por eles.

    Imaginemos que um daqueles estudantes passa a ler a Sábado para se "cultivar"… e confia, confia porque crê que a informação é correcta…

    E os revisores de texto, por onde andam? Ninguém deu conta? E as traduções tantas vezes feitas a martelo?

    A Sábado, e tantas outras publicações ditas de referência, brindam-nos constantemente com erros deste calibre. Já para não falar de constantes atropelos gramaticais, ortográficos e quejandos.

    Cumprimentos.

    P.

  15. Não valeu a pena pá.

    Podias ter sido tu um dos tipos que falhou. Bastava insistir, insistir.. até meteres o pé na argola. Era uma questão de tempo. Depois era só recortar e colar-te lá no meio.

    O problema não é a geração. Não é a escola. Não são os pais. Nada disso.
    O problema é o mau jornalismo. Só isso.

    (Mas percebo que tentes salvar a honra do convento..)

  16. Não sejas anjinho.
    Isto é o retrato do que temos, do que anda por aí. É uma maioria sim, e não tão silenciosa quanto deveria ser.
    Mas, tal como tu, não falo mais sobre esta tristeza, já disse o que tinha a dizer no fcb e no blog.
    Acho lindo ler tanta gente a defender os idiotas.
    Abraço

  17. Já agora, diga lá à sua colega (e ao resto da redacção que viu e não deu por isso) que não existe "símbolo químico" da água. Quanto muito haverá fórmula química da água…!

    Claro que não se pode julgar o todo pela parte, mas quando temos luminárias no jornalismo como o grande Nuno Luz que numa reportagem sobre uma conferencia de imprensa do Mourinho disse que iam estar presentes 900 proffissionais de mais de 300 (!) países. E que a noticia passou com destaque no ticker da SIC sem que ninguém na redacção se questionasse sobre a existencia tantos países?

    Não se cuspa para o ar, porque pode cair na testa.

  18. Apoio incondicionalmente a Sofia e a Lily's, e reforço!
    Os meninos não são culpados de nada, nenhumas culpas, passadas, presentes ou futuras lhes podem ter sido, serem nem virem a ser atribuídas, na medida em que nada mais foram do que vítimas indefesas, ingenuidade pura sacrificada aos instintos sanguinários de uns adultos comprovadamente conflituosos, beligerantes e gananciosos, que, para justificarem álibis para as suas incompetências governativas, resolveram muito simplesmente atrai-los a uma entrevista, supostamente de cariz educacional que nada mais era do que uma cilada ignóbil, infame e difamatória.
    As razões estão à vista de um cego e só não vê quem não quer ou for manifestamente asinino.
    A Sábado, de conluio com o ME, ou de esse com essa, não interessa, é irrelevante pois a má-fé era premeditadamente comum; sem minimamente se preocuparem com os danos irreversíveis de traumas eternos nas jovens e inocentes mentes, resolveram, com requintes de malvadez, difamar a juventude no deliberado propósito de:
    Primeiro: “enquanto se ocupam a discutir a ignorância desta juventude, não se debruçam sobre a nossa”. (espertinhos)
    Segundo: “se mostrarmos a burrice desta malta, ninguém com os neurónios a funcionar vai reparar na nossa” (continuam a ser uns espertinhos, pois )
    Terceiro: “ Isto levará a que nenhum empregador lhes abra a porta de acesso, o que permitirá que cá os velhotes continuem a ocupar indefinidamente os lugares da boa broa e do bom palhete sem serem minimamente incomodados nem questionados” (esperteza nos píncaros…saloios )
    Quarto: “se provarmos que os meninos são uma geração rasca, quem se vai lembrar, ou dar laivos disso, do quanto estamos nós à rasca?” ( esta não. Fiquei estupefacta com tanta omnisciência à solta)
    Compreenderam agora? Foi por isso que foram deliberadamente e com má-fé atraídos para uma entrevista, supostamente franca e honesta e,…viram o que aconteceu. Uma cilada superiormente engendrada só ao alcance de mentes malignas como estes entrevistadores.
    Não há que confiar na maldade adulta, sobretudo quando vem encapotada de sorrisinhos e palavrinhas meladas. Desconfiem sempre porque; eu nem quero pensar, mas tenho de o dizer a fim de que se possam precaver de situações semelhantes.
    Imaginem pois que vos perguntavam quem foi o primeiro rei de Portugal? Ou a quem se deve o Pinhal de Leiria? – Claro que o normal e razoável, dada a situação calamitosa de endividamento do nosso país, seria os meninos responderem perguntando. “ Mas essa merda ainda não está paga?”
    E imaginem!!! Cruzes, credo! Vade-retro Satanás! Vade-retro! Mas todo o cuidado é insuficiente para fazer face à ignobilidade adulta, e então imaginem que vos sai a pergunta quantos são nove vezes oito. Já imaginaram?
    E depois, como eu já referi, em que a cultura contribui para o embelezamento do vosso Look?

  19. Concordo com o texto mas o que está em causa, nem é tanto, o vou tornar-me culto só porque sim… o que é importante é sentir vontade de aprender e descobrir o que nos rodeia e de facto é fundamental que os Pais e professores tentem incutir o mais possível, determinados gostos nas crianças e isto é algo que deve começar quase no berço. Quantos são os Pais que optam por oferecer livros em detrimento de outras coisas? Independentemente dos gostos inatos de cada um e inerentes à personalidade de cada um, há outros gostos que podem ser desenvolvidos e apurados e mais tarde, o processo de leitura e aprendizagem, torna-se um hábito e não uma obrigação e uma seca. Mas eu creio que infelizmente isso ainda é uma minoria.

  20. Aprovado inteiramente, Sofia e Lily's. Tem alguma lógica imputar a ignorância aos meninos, coitadinhos. A culpa…Já venho explicar melhor.
    Inté….

  21. Se há coisa para que a reportagem da sábado é um grito de alerta é para a qualidade dos jornalistas que a fizeram. Sem generalizações. Para os 2 ou 3 gatos pingados que a fizeram que demonstraram a pobreza de espírito que lhes vai na alma e que produzem lixo do tipo. E não, não sou dessa geração. Só me incomoda a ignorância, e não é a dos alunos.

  22. Exactamente, Pepita M.! Por isso é que este vídeo me revolta! Estas pessoas acham que ter um canudo é ser inteligente/culto (porque nem o sabem distinguir) e esquecem-se que estar na Universidade é uma experiência única que deve ser aproveitada não só a nível académico mas também a nível pessoal. Eu estou a tirar Psicologia e afligem-me as pessoas do meu curso que fazem um percurso casa-faculdade, faculdade-casa. Se a olhar para a pauta elas são as melhores, depois quando falas com elas ficas chocada com a falta se capacidades evidenciada na primeira frase! O canudo está sobrevalorizado.

  23. A inteligência e a cultura não são preditivos de sucesso no trabalho, existem outros factores tão ou mais importantes como as competências interpessoais que raramente são mencionadas (para não cair na vulgaridade de dizer que o estatuto social é tão ou mais importante do que qualquer indivualidade).

  24. Celina, sim sim 🙂

    Isto é o que muitas pessoas (que não estudaram cá) me dizem por vezes.

    Eu considero Coimbra e a experiência de ser estudante cá muito gratificante e enriquecedora. Conheço a realidade de estudar noutras cidades do país e a minha opinião é que toda a vivência (se a soubermos aproveitar) e todo o ambiente que Coimbra te dá te forma realmente. Como pessoa. Como cidadão.
    Da mesma forma que penso o mesmo sobre a experiência erasmus… noutro dia uma mãe perguntava-me o que achava. Se era mesmo necessário ir para fora para aprender mais sobre o curso, se cá o curso não era melhor… Eu acho que essa senhora não estava a ter a visão correcta das coisas. É que a faculdade até pode ser tecnicamente melhor ou pior, não interessa. Não é só isso que nos forma. É tudo o resto. E é tão triste quando vemos seres que tecnicamente são os maiores mas depois são… pessoinhas! Porque não têm valores, porque tudo o que não seja o que lhes ensinaram nas aulas não é bem a sua praia… enfim 🙂

    Sim, Coimbra é uma excelente cidade para nos formarmos e evoluirmos! Desde que saibamos aproveitá-la. 😉

  25. A reportagem não dá ideia de ser uma minoria a dizer todos aqueles disparates.
    Parecem ter sido a maioria das respostas, senão a compilação feita também teria respostas lógicas e correctas.
    Ou, então, porque vende mais, como se comprovou, aproveitaram apenas as respostas más, mas deviam tê-lo dito de alguma forma, senão leva-me a crer que não se trata de grande jornalismo.
    Há sempre a última hipotése de ser uma grande coincidência e apesar de não serem o retrato fiel de uma geração, mas apenas uma minoria, a sábado teve azar e só lhe sairam os cromos!
    Não?

  26. Finalmente alguém que não culpa os jornalistas ou o Estado! Esta gente parece que não quer as rédeas da própria vida para nada, preferem ser guiados (pelo Estado ao que parece) e dizer depois que não tem responsabilidades. E isso – muito mais generalizado do que as respostas ignorantes do vídeo – é o verdadeiro problema.

    E… Pepita M., deixa-me só dizer uma coisa que penso e que ressalvo do teu texto: difícil (impossível também não!) estudar, mas perfeita para se formar. Right? 😀

  27. Eu só tenho de fazer um reparo à Engenheira: esse "Síndrome da Pila Pequena" tem Direitos de Autor (moi même). Por isso, dê cá o seu mail para eu enviar o NIB para transferência bancária.

  28. Foi a melhor crítica que vi sobre o assunto.
    Eu própria, 19 anos, estudante-trabalhadora, tenho dias em que sinto que estou no caminho certo. Tenho uma vontade enorme de aprender, evoluir. Não é por acaso que, com esta idade, trabalho naquilo que gosto. E levo a faculdade como um sítio para evoluir e não para tirar as melhores notas.
    No entanto (e é aqui q tens uma razão do caraças), passam por mim pessoas que, com sensivelmente a mesma idade que eu, são muito mais auto-didatas e estão num nível muito superior na mesma área. Aí, é a frustração que me consome. Questiono-me do que ando por aqui a fazer. E reparo que "Com 18, 19, 20 anos têm obrigação de perceber que se não se tornarem pessoas melhores não irão longe, que serão ultrapassados por outros, comidos vivos por um mercado de trabalho cada vez mais cruel e competitivo."

    Obrigada por escreveres tão bem.

    E.

  29. Lá está… É só abrir os olhos e temos exemplos… "falas, falas e só te vejo falar de literatura comercial".

    Lá está o sacana do preconceito que faz de nós seres poucoxinhos…

    Oh senhores, então eu porque tenho imensas fotografias de comida no meu blog só percebo disso???

    Ou como já me disseram porque ajudo animais não devo saber falar de mais nada senão dos bichinhos e nem devo gostar de pessoas e ter amigos…

    Oh pessoinhas… tenham dó.. É que não há paxorra!

  30. Subscrevo. Na íntegra. Só acrescento, se me permitir, que considerar os outros responsáveis por actos ou omissões que nós próprios escolhemos é só, deduzo, a forma mais fácil de conseguirmos conviver connosco. Daí, também, ser a mais comum…

  31. As entrevistas foram todas cortadas e editadas para ficar assim. Muitos deles erraram apenas a uma ou duas perguntas. Ok, não saber quem é o presidente da comissão europeia, quem pintou a mona lisa e temas afins é gritante, mas todo o vídeo foi editado para ficar assim e para mostrar o monte de gente burra que existe. E nenhum deles foi avisado para o que seriam aquelas perguntas. Só faltou mete-los a cantar o hino nacional… lool
    Está um deles no facebook a revolucionar tudo porque apresentou queixa contra à jornalista.

  32. As entrevistas foram todas cortadas e editadas para ficar assim. Muitos deles erraram apenas a uma ou duas perguntas. Ok, não saber quem é o presidente da comissão europeia, quem pintou a mona lisa e temas afins é gritante, mas todo o vídeo foi editado para ficar assim e para mostrar o monte de gente burra que existe. E nenhum deles foi avisado para o que seriam aquelas perguntas. Só faltou mete-los a cantar o hino nacional… lool
    Está um deles no facebook a revolucionar tudo porque apresentou queixa contra à jornalista.

  33. As entrevistas foram todas cortadas e editadas para ficar assim. Muitos deles erraram apenas a uma ou duas perguntas. Ok, não saber quem é o presidente da comissão europeia, quem pintou a mona lisa e temas afins é gritante, mas todo o vídeo foi editado para ficar assim e para mostrar o monte de gente burra que existe. E nenhum deles foi avisado para o que seriam aquelas perguntas. Só faltou mete-los a cantar o hino nacional… lool
    Está um deles no facebook a revolucionar tudo porque apresentou queixa contra à jornalista.

  34. As entrevistas foram todas cortadas e editadas para ficar assim. Muitos deles erraram apenas a uma ou duas perguntas. Ok, não saber quem é o presidente da comissão europeia, quem pintou a mona lisa e temas afins é gritante, mas todo o vídeo foi editado para ficar assim e para mostrar o monte de gente burra que existe. E nenhum deles foi avisado para o que seriam aquelas perguntas. Só faltou mete-los a cantar o hino nacional… lool
    Está um deles no facebook a revolucionar tudo porque apresentou queixa contra à jornalista.

  35. Já tive oportunidade de o dizer aqui uma vez e volto agora a repetir: às vezes assusto-me com o que escreves por ser exactamente aquilo que eu penso e aquilo que digo quando falo de certos assuntos. Este é mais um desses casos.
    Para mim essa história de culpar tudo e todos pelo fracasso e pelo insucesso e não se tentar dar a volta e fazer pela vidinha, já cansa! Compreendo que é bem mais fácil culpar outros do que esforçar-se, mas a minha compreensão acaba aí!
    Tal como tu, entendo este vídeo como um grito de alerta e, por isso … FAÇAM-SE À VIDA!!!!

    Maura

  36. Acho que tudo se resume a duas frases nas quais me revejo e com as quais concordo absolutamente…
    "Mas uma coisa é também fazer disparates. Outra é só fazer disparates."

    Tenho 27 anos e licenciei-me com 22 anos. Estudei numa cidade que muitos dizem ser uma maravilha para ser estudante, mas impossível estudar porque é só copos e queimas… Coimbra.
    Saí bastante para discotecas (pelo menos à 3ª e 5ª não falhava, faltei ás aulas mas não falhei uma festa académica, passei tardes a jogar cartadas no bar da faculdade, apanhei bebedeiras estúpidas (mas que serviram para aprender os meus limites). Em suma, fiz muitos disparates… mas também li muito, também vi filmes, assisti a peças de teatro, viajei, fiz erasmus, fiz amigos para a vida, discuti muitos assuntos com amigos entre cartadas e copos e acabei por licenciar-me no tempo previsto e entre as 5 melhores alunas do meu curso…
    Hoje em dia já tirei um mestrado (pré-bolonha), trabalho em auditoria e simultaneamente dou aulas e estou na fase de estágio para ROC… E continuo a viajar… tanto quanto posso. Namoro, tenho tempo para a minha família, continuo a sair e fazer alguns disparates, assisto a concertos, a teatros e ainda arranjo tempo para ler todos os dias antes de dormir. Consigo ainda encaixar o voluntariado com animais e a gestão de 3 blogs (um dos quais da associação com que colaboro como voluntária). Mais… ainda vejo alguns programas que muitos rotulam de absolutamente fúteis (como a Casa dos Segredos) e leio blogues… é verdade, ora pasmem lá..

    E quando uma aluna minha (que provavelmente pelo que conheço faria a triste figura que estes fizeram) me disse há um tempo "a professora devia saír… fazia-lhe bem" eu percebi…

    Percebi que infelizmente muitos deles não percebem que há tempo e espaço para fazermos TUDO…
    Para muitos deles só se pode ser uma coisa: ou o fixe que faz disoarates, ou o cromo marrão…

    Não percebem que há tempo e espaço para fazermos disparates e para crescermos como pessoas.
    Porque ser culto não é só saber as capitais, etc… É também ter uma mente aberta e vejo tanta cabeça tão "poucaxinha" por aí…
    É triste. Mas quero acreditar que não sejam a maioria. Porque "uma coisa é também fazer disparates. Outra coisa é só fazer disparates."

  37. Com tanta inteligência foste estudar jornalismo? Ou seja, a área dos "burrinhos" que só se safam a estudar coisas que se dá na primária?

    Falas, falas, falas que és mt culto mas, só te oiço a falar de literatura comercial. És o que chamo de homem de com o sindrome da pila pequena.

    A Engenheira! 😉

DEIXE UMA RESPOSTA