Money makes the world go around

0
6500

O dinheiro é o motor da vida de muita gente. E na sociedade de hoje tudo tem a ver com dinheiro. O dinheiro é razão de ódios, invejas, comportamentos mesquinhos, é causador de distúrbios graves de personalidade. E estou a falar da micro-sociedade, dos indivíduos, e não de nações, porque aí as coisas podem assumir outras proporções.

Há dias escrevi um post para falar sobre dimensão humana e o que muita gente leu foi um post sobre dinheiro. Escrevo sobre livros e à cabeça de muitos vem o dinheiro que eles custam. Partilho experiências de férias e o que importa é o eu ter ou não ter dinheiro para viajar. Digo que gosto de um casaco e há quem venha a correr perguntar onde é que eu tenho dinheiro para o comprar, ou dizer que aquela marca não é para o meu bolso. Explico que me dá prazer fazer coisas como ir ao cinema e a resposta é que eu me gabo de fazer isto e aquilo mas que depois vivo numa casa alugada porque não tenho dinheiro para comprar uma minha. Comento o meu prazer em andar de bicicleta mas o que muita gente vê é um desgraçado que anda de bicicleta porque tem um carro a cair de podre, e só o tem porque gasta o dinheiro em futilidades.

Este não é um post sobre os comentários que fazem ao que eu escrevo. É mesmo sobre esta visão exacerbada que muita gente tem do dinheiro, e a forma como o dinheiro tantas vezes nos tolhe a razão e o discernimento.

Não vale a pena dizerem-me que eu só digo o que digo porque tenho dinheiro, e que é fácil falar de barriga cheia. Não sou rico, nunca fui e acho que dificilmente serei. Todo o dinheiro que recebi na vida foi fruto do meu trabalho, nunca recebi uma herança, presentes milionários, prémios, nada – nem um 3 no Totoloto, nem um 2+1 no Euromilhões, nada.

Se tenho emprego e salário devo-o ao meu trabalho. Construí uma carreira sem a ajuda de ninguém. Antes de entrar nos quadros de um jornal, trabalhei dois anos à borla, sem receber, sequer, dinheiro para os transportes ou para o almoço. No fundo, pagava para trabalhar. Mas achava que, mais tarde, isso poderia ser bom para mim, já que me deixaria numa posição mais vantajosa do que a dos meus perto de 100 colegas de faculdade. E foi o que aconteceu.

Também escusam de dizer que não sei o que é passar por dificuldades, estar desempregado, ganhar mal, porque já passei por tudo isso. E sempre ultrapassei as dificuldades trabalhando mais e mais e mais.

Eu sei o que custa ganhar dinheiro, sei o valor que tem o dinheiro, mas não me movo unicamente por dinheiro (eu disse “unicamente”, claro que tenho o meu emprego para ganhar dinheiro, como toda a gente). Hoje, trabalho onde queria verdadeiramente trabalhar, com as pessoas com quem gosto verdadeiramente de trabalhar, e faço um trabalho que me dá verdadeiramente prazer. Actualmente, consigo ter mais vida, dar mais tempo à minha família, fazer mais coisas que me preenchem e o custo disso é só um: um salário mais baixo do que aquele que poderia ter noutro sítio, mais baixo do que tinha há não muito tempo.

O que ganho vai-me chegando para as coisas que me fazem feliz. Se gostava de ter mais? Gostava. Mas para o conseguir teria de abdicar de outras coisas, das tais coisas que me fazem bem, que me fazem estar de bem com a vida. Claro que há gente que é feliz a ver a conta bancária crescer. Eu sou mais feliz a usar o dinheiro que tenho em coisas que me dão gozo. São opções, naturalmente.

Houve momentos em que achei que precisava de dinheiro para fazer as coisas de que mais gostava. Hoje, acho que preciso de mais tempo para fazer as coisas de que mais gosto. E, agora, tenho esse tempo. Não tenho é tanto dinheiro. Mas sou mais feliz (e eu acho que é também isso que irrita tanta gente).

1 Comentário

  1. Filipe, o senhor está completamente errado!

    As pessoas que realmente têm "carácter" e "auto-estima" (se realmente o tiverem), apenas se limitam a NÃO COMENTAR, ou seja, não sentem a necessidade de confrontar e começar um debate, apenas não concordam e guardam isso para isso, porque não vale a pena perder tempo e paciências apenas para não concordar com algo e por isso por escrito.

    Gostei muito do post Arrumadinho (:

  2. Cara CristinaP

    Por essa ordem de ideias (1ª)….
    era preferivel acabar com os comentarios nos blogs …..bastava manter uma lista de visita para cada post 🙂

    Mais tarde…. com mais tempo prometo desenvolver mais a minha ideia……

    Saudaçoes
    Filipe Gauss

  3. Caro Filipe,
    1º Não acha natural que a maioria dos comentários possam ser concordantes com o post pelo simples motivo de que quem lê o blogue partilha da mesma visão de quem o escreve?
    2º Quem tem opinião discordante tem mais carácter e auto-estima?
    Bem haja!

    Caro Arrumadinho,
    Parabéns pelo blogue!

    CristinaP

  4. A critica/ideia que vou expressar de seguida nao se dirige nem unicamente….nem especialmente ao Arrumadinho…….é
    dirigida de forma generica ……
    Começo a achar preocupante a maneira de pensar das pessoas que comentam pelos muitos blogs que existem na net.
    Nao sei se é coincidencia ou se realmente é representativo da sociedade actual.
    Passo a explicar…..depois de ler milhares de posts e respectivos comentarios em dezenas de blogs que costumo acompanhar começo a perceber um "fenomeno" a que denomino de "efeito rebanho".
    Este "fenomeno" consiste numa quase total incapacidade dos comentadores de pensar pela propria cabeça…… apenas se limitam a dizer "Amen" como comentario.
    É possivel que este padrao nos comentarios se deva a uma filtragem supervisionada pelos autores dos blogs……mas se assim é……as conclusoes nao sao menos preocupantes.
    Nota-se uma necessidade pela parte dos autores dos blogs de obterem apenas comentarios concordantes com as suas opinioes.
    É verdade que os donos dos blogs podem escrever e pensar o que bem entenderem…..mas qual é o problema de os comentadores emitirem opinioes contrarias…..desde que com boa educaçao ?
    Os poucos comentadores que se "arriscam" a "ir contra a manada" são imediatamente apelidados de "ressabiados"…..de "invejosos"……… " de gente com falta de sexo" ….. etc etc etc etc etc etc etc……………….!
    Ja pararam um pouco para pensar que se calhar as pessoas que expressam opinioes contrarias (de forma educada)
    sao exactamente aquelas que têm mais "caracter"….."auto-estima"……..e que por esse facto sao capazes de pensar por elas proprias e nao se limitam a seguir os seus "idolos dos blogs".
    Nao sei qual a vossa experiencia no mundo real …..mas regra geral as pessoas que apenas que dizem sempre "sim" a tudo sao as mais frageis a nivel emocional e/ou intelectual e/ou caracter …….. curiosamente este tipo de pessoas sao exactamente o tipo de cidadaos que os politicos mais gostam …… gente sem capacidade e/ou possibilidade de discordar ……………..!
    Saudaçoes !

  5. Eu acho graça é as pessoas acharem se melhores que os outros e com mais experiência de vida só porque dizem de boca cheia que passaram dificuldades.
    Felizmente nunca passei esse tipo de dificuldades (as dificuldades tocam sempre no mesmo – trabalhar cedo e dinheiro) felizmente tive bastantes oportunidades e agradeço todos os dias aos meus pais por isso. Se hoje mato-me a trabalhar (mesmo não havendo necessidade para tal) é devido aos meus filhos porque quero dar tudo o que tive e ainda mais.

    Acho que não tens de explicar como gastas o teu dinheiro, se és rico ou pobre … já fui muito criticada pela maneira como gasto o MEU dinheiro mas essas pessoas esquecem-se que não lhes vou pedir dinheiro para me meterem comida na mesa e acho que é assim que tens de pensar.

    Gostei do que li mas mais uma vez acho que não deves explicações a ninguém.

  6. A vida também já me ensinou a dar mais valor ao "Tempo" que ao Dinheiro. Infelizmente, precisamos de dinheiro para ter "tempo".

    Quando sonho com o euromilhões, sonho mais com a possibilidade de fazer coisas, as que quisesse, quando quisesse, do que com o comprar coisas.

  7. Em certos pontos a filosofia de vida que defende parece-me correcta.
    Tambem concordo que ganhar muito dinheiro não é tudo na vida, e realmente se for possivel é preferivel fazer aquilo que mais se gosta, mesmo que isso implique ganhar menos.
    Tambem concordo que o dinheiro nao serve apenas para acumular no banco.
    Se as pessoas trabalham devem poder usufruir de alguns prazeres da vida desde que "com peso, conta e medida".
    É exactamente na definiçao deste nivel de equilibrio que está o problema.
    Acima de tudo defendo que as pessoas devem assumir as suas opcçoes de vida com as respectivas consequencias.
    Se querem gozar em pleno a vida …..tudo bem………..se isso implica gastar tudo aquilo que ganham ….. sem margem para poupanças………tudo bem…. é uma opcção valida.
    Mas façam-me o favor de assumir essa opcçao……..se fazem creditos bancarios para "curtir" a vida porque o ordenado nao chega…entao assumam as responsabilidades de pagar o que devem….sem lamurias….nem pedidos de insolvencia pessoal etc etc.
    Se mensalmente ganham X e gastam tudo porque querem "curtir"…..tudo bem…..mas então se algum dia no futuro tiverem um percalço na vida……assumam … e por favor não vão chorar para a Segurança Social e entidades similares a pedir ajudas……….
    É um facto que com o actual custo de vida…agregados familiares cujos elementos ganham em media valores entre 500 a 900 euros (variavel consoante numero de filhos etc etc) dificilmente conseguem juntar grandes poupanças…….mas faz-me muita confusao e NAO ACEITO que agregados com rendimentos bem superiores a 1000 euros por conjuge nao poupem nada…porque querem "curtir" a vida e mais tarde ao primeiro percalço começem com choradeira ………..
    Concluindo……vivam como quiserem…….. gastem tudo…….nao gastem nada……..façam como o tio Patinhas……….ou então esbanjem tudo….MAS POR AMOR DE DEUS ASSUMAM !

  8. Gostei do post. É verdade que o dinheiro faz falta na vida, mas se só pensarmos nele e não fizermos o que gostamos para não o gastar, também não teremos uma vida feliz. Acho que é preciso equilíbrio entre tudo. Se só podemos comprar 1 livro em vez de 5, então que se compre um apenas. É melhor do que nada.
    Também sei o que é trabalhar e não receber. Fiz isso durante quase um ano e sei a falta que o dinheiro faz. E agora que estou desempregada continuo a sentir falta dele, porque já não me sinto à vontade estar a depender dos meus pais. Acho que estou na fase em que sinto falta da minha independência monetária e então nas férias… é uma chatisse. Gostava de passar as férias no estrangeiro, visitar cidades que me fascinam, mas não posso. Tive a sorte de os meus pais me pagarem duas viagens de três dias cada a Peniche e a Porto Covo. Podem ser sítios perto, mas eu não conhecia. Foram poucos dias mas bons. E talvez se as minhas férias tivessem sido em Paris tinham sido tão boas quanto estas. Não pude ir para mais longe, fui para mais perto, mas mesmo assim fez-me feliz!

  9. CLAP CLAP CLAP CLAP. . . Não imagina o gozo que me deu ler este post! Muito bem escrito, objectivo espero que sirva para essa gente aprender alguma coisa!

  10. comento agora por ter comentado o post da admiração. Nem todos os que discordaram de algumas partes desse post estavam a invejar/cuscar o seu dinheiro. No meu caso, apenas constatei que (embora nao sendo exaustivos, naturalmente) os exemplos que apresentou de como as pessoas se podem tornar mais interessantes e admiráveis eram, a meu ver, resultantes de acções externas que estao ligadas a bens materiais (que enriquecem o espirito , claro, mas nao deixam de ser materiais): viajar para sitios fora da nossa zona de conforto, fazer um esforço para sair de casa em vez de ver as novelas, etc). nunca refeiu nesse post que admirivel é um pai ou mae presente e que é um grande pai ou mae, que abdica de uma serie de coisas que o podiam tornar mais "interssante" para poder disfrutar da companhia dos filhos, uma pessoa que cede do seu tempo para ajudar outros etc etc , e isso é que , a mim, me causa admiração… E acho que para nos tornarmos mais ricos e amiráveis devemos é centramo-nos menos em nós, e sim pensar em como podemos ajudar outro (não, não é conversa de Madre Teersa de Calcuta, referimo-me a pequanas acções no dia a dia; sermos mais atentos à nossa familia, amigos, etc). Mas claro que cada um tem admiração pelo que tem e isso nao tem de ser discutivel. Agora, rotular quem nao concordou a 100% com o post das pessoas admiráveis, como nao inteligente porque nao alcançou a verdadeira mensagem do post, ou de so querer limitar só ao dinheiro, acho excessivo e injusto. Cumprimentos cordiais

  11. Obrigada!!!! Adoro ler-te e este post (mais uma vez!) merece a minha admiração. O post e tu, a tua forma de estar e viver a vida =) de fazeres o que te faz feliz!! Plenamente de acordo, e sou também adepta convicta dessa filosofia. Keep it on! *

  12. A mim parece-me que tudo se resume à ultima frase…

    "mas sou feliz(e acho que é também isso que irrita tanta gente)

    … eu não acho… tenho certeza que é isso que irrita tanta gente… não fazem por tirar partido das suas vidas e serem felizes e depois invejam a felicidade das que fazem em vez de as admirar e lhes seguir o exemplo… há muita coisa que se pode fazer sem dinheiro e que nos fazem felizes… na realidade a maioria das coisas que me faz feliz não custa um cêntimo… apanhar sol é grátis… estar com amigos é grátis… ler no jardim é gratis ( a Gulbenkian tem um fabuloso!) dormir abraçada ao meu amor é grátis… estar com a minha família é grátis… e dão-me uma felicidade que essa sim é priceless… depois vem o lado em que entra o dinheiro como fazer compras jantar fora ir ao cinema etc… mas se conseguirmos ter alguma moderação e lutar por estar melhor na vida arranjamos sempre maneira de chegar lá.

    O que a maioria das pessoas não percebe ou não sabe é que o dinheiro muda de mãos… um dia temos muito no outro temos pouco depois voltamos a ter… são ciclos… mas não é o dinheiro que nos traz a felicidade a felicidade está no modo como vimos as coisa e damos a volta por cima… o dinheiro apenas evita alguns conflitos e ajuda a pagar contas o que nos deixa andar com a cabeça mais liberta para aquelas actividades extras que não conseguimos fazer quando só pensamos nele.

    Há quem o tenha e o poupe há quem o tenha e usufrua… eu possivelmente nunca vou ser milionária porque sempre que o tenho prefiro usufrui-lo!!!

  13. É preciso de facto algum investimento para se ser feliz. Investimento não necessariamente financeiro, mas de tempo, de predisposição para, de saber abdicar de certas coisas em prol de outras, de estabelecer prioridades. E isso exige talento, que muita gente não tem 🙂 *Rita

  14. se há coisa que me tira do sério é essa boca do 'tens casa alugada porque não tens dinheiro para comprar'! sim, prefiro pagar a renda todos os meses e não hipotecar a minha vida durante 30 ou 40 anos e não ter que pagar os electrodomésticos e férias (OMG!) a prestações ou ter que ir viver para trás do sol posto e demorar 2 horas no trânsito todos os dias. além disso, será que já pensaram que pagam mais de 2 vezes o valor da casa e que com esse dinheiro se paga uma renda durante 2 vidas? é só uma ideia…

  15. Não te preocupes com esse tipo de pessoas, elas só vêem o que querem ver! Vais ver que vão arranjar maneira de distorcer este teu texto também! Já não são defeitos… são feitios! 🙁

    Maura

  16. Há muita gente que não não gosta da imagem que o espelho lhes devolve de si mesmos, e tu e o teu blog funcionam como um espelho.

    A tua felicidade causa inveja a muita gente sim, mesmo que não queiram as mesmas coisas que tu tens, querem sim sentir essa satisfação de viver.

  17. Todos sabemos que sobre o dinheiro dos outros não se deve falar, contudo em qualquer assunto vamos sempre parar ao mesmo – Dinheiro.

    Sinceramente acho que não diz respeito a ninguém quanto se ganha e a forma que cada um de nós encontra para gastar aquilo que lhe pertence.

    Quando nos preocupamos com o dinheiro dos outros e a forma como gastam, apenas demonstramos o quanto a nossa vida é miserável, pois caso contrário, porque motivo iríamos perder tempo a pensar no dinheiro dos outros, quando pensar no nosso já dá tanto trabalho 😉

    O dinheiro existe para se gastar (mesmo quando poupamos, o objectivo é um – gastar mais tarde), afinal se assim não fosse, porque motivo trabalharíamos nós em troca dele.

    Gila

  18. E o outro lado da medalha? Falo daquelas pessoas que viajam, vão ao cinema, passeiam e compram imensa roupa e quando chega o seguro do carro vêem aos amigos pedir dinheiro emprestado. Os mesmos que andaram o ano inteiro a queixar-se que eu tenho melhor vida só porque poupei dinheiro para comprar um carro velho sem precisar de recorrer a bancos ou créditos.
    Arrumadinho, concordo plenamente contigo, acho que devemos aproveitar mais a vida e não pensar só no que os outros gastam. Mas infelizmente o meu dia está repleto de pessoas que gastam todos os cêntimos que têm para irem de viajem e mesmo assim me chamam de rica quando eu compro algo de que preciso muito e para o qual poupei.

    T.L.

  19. é que não podia concordar mais…mas de facto o que me salta logo ao pensamento é "mas onde é que se vai arranjar o dinheiro?!'" e dps vem o arrumadinho e elucida-me :), pk à toda uma vida para viver e nós agarramo-nos mais ao dinheiro do que viver a vida com felicidade, fazer as coisas que nos dão prazer…e acabamos por ter uma vida amargurada..(falo por mim claro!)…sp agarrada ao dinheiro e a esqueçer me de disfrutar um pouco desta vida que é tão curta!
    Com as tuas partilhas ainda consigo ver a luz ao fundo do túnel….. 🙂 tk's

  20. Mesmo que não se faça o que se gosta, se conviva diariamente com gente mesquinha e invejosa,se ganhe pouco, temos de tentar usufruir da melhor forma do restante tempo. Tentarmos fazer coisas, pequenas coisas que nos dão prazer, nos entregarmos ao que gostamos de fazer e rodeados de quem mais amamos, a vida valerá com certeza sempre a pena!! De que adianta a Steve Jobs, por exemplo, tamanha fortuna e sucesso? Dá-lhe Arrumadinho. Grande respeito por este e outros posts, mesmo não concordando cegamente com todos ou em uma ou outra opinião…

  21. Ser mais feliz diz tudo. Coitados dos que se irritam com a felicidade alheia e não procuram o que os faz felizes a eles. E há tanta coisa que faz feliz e não se compra.
    🙂
    bjinho e um dia feliz

  22. Mas que grande texto. E que grande lavagem cerebral! Acho que cada vez gosto mais do seu blogue (e da maneira como você escreve)
    Parabéns.
    P.S: ontem passei o dia todo a pensar naquele texto sobre a admiração, e concordo plenamente consigo. A sério, foi a primeira vez que um texto me deixou assim.

  23. Bom dia,

    que de uma maneira, ou de outra, este texto sirva para "arrumar cabecinhas".

    Ainda não terminei o meu curso, nem trabalho(ainda), mas penso como tu em relação a este assunto.

    Todo o dinheiro que consigo juntar é para "viajar"(fora ou dentro), comprar livros, comprar roupa etc… ou seja, o que me faz Feliz!

    Ok, malta também temos de ter as nossas ecónomias mas o dinheiro serve, tb, para sermos mais felizes. Não se esquecam disso. Não importa ter muito ao pouco o importante é usa-lo e ser feliz:) Tanto sou feliz numa viagem à Túnisia como numa cidade de Portugal!

    Brilhante como sempre.

    Sofia Pinto

  24. Há 3 fases na vida de uma pessoa: 1 tens sáude, tempo , mas não tens dinheiro, 2 tens saúde, dinheiro, mas não tens tempo, 3 tens tempo, dinheiro mas não tens saúde :):). E o facto de estarmos na 2.ª fase não abona a nosso favor ;);)

  25. As pessoas deviam aprender a ser felizes por ver os outros felizes.

    Deviam aprender a elogiar mais o próximo, a ficar feliz por ver coisas boas e bonitas à volta.

    Em vez de pensarem "Eu não tenho" deviam pensar "que bom.. um dia também espero conseguir isto"…

    Eu acredito que quem consegue ser assim é verdadeiramente feliz!

    Sara

  26. É mesmo isso. Mas sabes, é o dinheiro, como podia ser outra coisa qualquer. Acho que procuramos sempre por amarras que desculpem a nossa falta de acção, a nossa insatisfação. E a nossa inveja.

  27. Adoro a minha profissão, mas neste momento não gosto muito do que faço, e isso é triste. Paga as contas, e compensa monetariamente mas falta a outra parte…. E a falta que sinto de ter tempo para fazer as coisas que mais prazr me dão! Mas também sei que esta é uma fase temporátia, é uma passagem para a outra margem. Sei que melhores dias virão e isso dá-me alento. O dinheiro ajuda, mas o tempo faz tanta falta…

  28. Bom Dia !!

    Na vida somos confrontados imensas vezes com os juizos de valor daqueles que tudo pensam e nada sabem, ainda ontem desabafei sobre isso…lá no meu cantinho!

    E, quando regemos as nossas opções pelas prioridades do nosso interior, como é o teu caso, o resultado é o brilho e o BRILHAR faz comichões a muito boa gentinha …olha temos pena [ ou então não] !!

    Belissimo texto para arrumar cabeças :)))) !

    CG

  29. O Português tem por principio queixar-se de tudo e de todos…
    Por isso, quando encontram alguém que diga algo de positivo, poe-se a pensar: Quem será aquele ET que consegue achar algo de bom na vida? Como ousa sentir-se feliz contrariando o implacável fado de que Portugueses viverão infelizes até que volte o S.Sebastião?
    Enfim…

  30. O teu post sobre admiração irritou-me imenso =) não pelo post em si, com o qual concordei bastante, mas pelos comentários que suscitou. Dei por mim a falar sozinha sobre como toda a gente só lê aquilo que quer, como era possível estarem a ler um post todo "ao contrário" e como era possível tu fazeres um post sobre um tema e só lerem sobre dinheiro, viagens, gastos e etcs. Triste, foi o que achei. Obrigada por este segundo post, pode ser que muita gente entenda que se o temos (por pouco que seja!) e se podemos fazer o que gostamos com ele, é porque trabalhamos para isso e inclusivamente trabalhámos anos de borla para subirmos na carreira e fazermos alguma coisa por nós. Eu não cheguei a dois anos, mas andei 6 meses a receber 50€ (ajudas de custo…). As pessoas querem começar pelo topo quando não estão para trabalhar para terem o que querem e destilam ódios idiotas em cima de quem o faz. É impressionante como não têm dinheiro para ir ao cinema e etcs (às vezes queixam-se que não têm para comer ou vestir os filhos!), mas têm dinheiro para pagar pela internet todos os meses e vir lançar postas de pescada.
    Bom post arrumadinho, gosto de te ler, escreves maravilhosamente 🙂

  31. E eu gostei mais uma vez do seu post. Assim se explica a diferença entre ter dinheiro(ou pouco) mas tirar partido do que ele nos pode trazer, com vista a trazer-nos bem estar, seja ele gasto em roupas, viagens, livros, passeios e tantas outras coisas. O que cada um faz ao seu dinheiro( a forma como o gasta) só a ele diz respeito, até porque eu gosto de pensar que uma vez que só vivemos uma vez, devemos tirar o melhor partido daquilo que está ao nosso alcance, usufruindo de tudo um pouco que este mundo tem para nos oferecer. Mais uma vez volto a reforçar que existe muita gente que é feliz a poupar e poupar e apesar de eu achar que é um desperdicio, compreendo que o façam muitas vezes, porque vivem uma vida sem escolhas, onde basta-lhes pagar as contas, sentarem-se a ver TV e pouco mais para serem felizes. Conheço muita gente que só sorri, quando vê o extracto da conta, e isso deixa-me intrigada, pela forma como vêem a vida. O dinheiro é uma fonte de troca, em que o usamos para trocar por algo que nos dê prazer, como uma ida ao cinema, uns sapatos uma viagem, ou seja para viver. O dinheiro parado, traz-nos o quê? Vamos guardá-lo para uma eventualidade(todos devemos ter um pé de meia, certo), mas guardar, guardar e guardar para quê? Para um dia bater-nos á porta um acidente ou uma doença?!

  32. É mesmo assim! As pessoas não gostam de ouvir os outros dizerem que foram de ferias para fora e que foi fantástico, por exemplo. Já ouvi um: Ah, mas eu não tenho dinheiro para isso!
    Mas eu disse quanto gastei? Isso é relevante para a conversa? Please!
    O mesmo se passa com roupa, almoços num restaurante em vez de levar tupperware de casa para o trabalho, etc. Tudo gira à volta do dinheiro, de facto (e da inveja)!

  33. Partilho também este video, que é uma inspiração, de tão lindo, e verdadeiro que é, pois é assim que me sinto com as experiências que já tive além fronteiras e de cada vez que volto a casa.
    Não liguei à marca, mas sim à mensagem, espero que façam o mesmo! http://www.youtube.com/watch?v=m5xCGZuvhWI&feature=player_embedded
    Ana T.

  34. É o primeiro comentário que faço na blogosfera. Adorei o post da admiração, Obrigada.

    Primeiro tenho a dizer que leio muitos blogues, e este é fantástico, partilhas sabedoria, cultura, moda, opiniões formadas. A tua escrita simples, é viciante e cativante. Mal posso esperar pelo livro!
    Agradeço pelo teu “esforço” de agitar, animar e ressuscitar esta gente, Portugal precisa de gente como tu, que não têm medo do que dizem, que gostam de informar, que se preocupam com os outros e esforçam-se por causar a mudança, procuram que as pessoas reflictam, por isso mesmo arriscas e escreves este tipo de textos…Por isso te agradeço e admiro a coragem e força. Parabéns!
    És um exemplo, principalmente porque sabes saborear a vida!! Diverte-te. 🙂
    Ana T.

  35. Arrumadinho, você escreve tão bem (: Além do dinheiro há uma coisa que não sai da cabeça de muita gente: a inveja, e têm de implicar com tudo o que os outros têm de bom na vida.
    Eu neste momento também não tenho dinheiro para viajar como gostaria, mas não o ando a maltratar por nos contar as experiências que vive nas suas viagens!
    Obrigada por nos fazer meter a mão lá nos confins do cérebro e chegar onde por nós mesmo não chegaríamos (:

    Ah, e naqueles dias em que esses comentários estejam a chatear, o botão de apagar serve p'ra isso mesmo 😉

  36. assim é que se fala!
    gostei principalmente da parte em que referes que trabalhas 2 anos sem receber nenhum, só mostra que quem corre por gosto não cansa e que é preciso muito esforço para se ter!
    cumps
    Rute

DEIXE UMA RESPOSTA