Dietas e corridas e comidas

22
5617

Muita gente que decide começar a correr fá-lo porque acha que, assim, irá emagrecer. Embora a corrida seja dos exercícios em que mais calorias se queimam, a verdade é que se não soubermos comer bem de nada vão valer as centenas de quilómetros que possamos correr por mês.

Falo por mim, que sou rapaz que gosta do seu doce, de umas comidas bem portuguesas, de queijos, enchidos e essas coisas, e que mesmo quando corre que nem um louco só perde peso quando faz dieta.

E é nessa fase que estou agora: na fase da dieta. Não a comecei por entender que estava muito gordo, mas porque gosto de fazer uma espécie de desintoxicação duas vezes ao ano. São períodos em que como de forma muito regrada, em que corto por completo com os açucares, reduzo substancialmente os hidratos de carbono, evito tudo o que sejam gorduras más, e aposto tudo nas proteínas, nos legumes, vegetais e algumas frutas. Normalmente, faço isto durante uns 45 dias, duas vezes ao ano, e é suficiente para nunca engordar demasiado. Estou sempre mais ou menos na mesma, mais quilo menos quilo.

Desta vez, e pela primeira vez na vida, estou a seguir um plano, a tão polémica e criticada “Dieta dos 31 Dias”, da Ágata Roquete. Confesso que não vejo onde é que estão as razões de tanta polémica. As receitas são dentro daquilo que eu como o ano inteiro — peixe ou carne, acompanhado de legumes, com várias opções entre as refeições, como queijos frescos, bolas de queijo flamengo, iogurtes, gelatinas. Dizem os mais críticos que há um excesso de proteína neste tipo de dieta, mas a verdade é que eu como sempre assim e nunca tive qualquer tipo de problemas de saúde ou défices. Não corto de todo nos hidratos porque faço muito exercício, mas sempre que quero perder peso reduzo substancialmente, e fico-me apenas por umas fatias de pão de manhã ou uma porção de arroz integral ou massa integral numa ou outra refeição. Claro que para algumas pessoas a dieta pode ter alguns factores prejudiciais, mas se formos por aí todas as dietas do mundo terão algum tipo de desequilíbrio para algumas pessoas.

Agora, o que eu pergunto é: não será mais saudável este tipo de dieta do que uma pessoa que come de forma totalmente desregrada e sem qualquer tipo de limites? Ah, mas a Ágata Roquete abusa das proteínas. Sim senhor, pode abusar, mas não é preferível isso do que uma pessoa que abusa das gorduras e dos fritos e dos doces? Eu penso que sim. Claro que cada caso é um caso e o ideal é cada um procurar um nutricionista que lhe faça um plano adequado ao tipo de objectivos que quer atingir, mas acho que este livro é, sobretudo, um guia para se comer bem. Por exemplo, uma coisa que eu não sigo de todo é o corte com a fruta. Não vivo sem as minhas maçãs. Como pelo menos três por dia, e não deixei de o fazer mesmo seguindo este plano.

Vou neste momento no Dia 14, que, curiosamente, é o Dia do Disparate, em que se pode comer qualquer coisa. Ao almoço ainda me guardei, e comi um peito de frango grelhado com salada, durante o dia também não abusei (só dois quadradinhos de Milka juntamente com o café) e ao jantar tirei a barriga de misérias e fiz um bacalhau à brás com salada. Para sobremesa, experimentei o novo bolo de Milka da Royal, que faz bem as vezes do chocolate. Amanhã regresso ao ginásio e entro no Dia 15 da dieta. Até agora, e ao contrário da minha mulher, consegui resistir à tentação de me pesar. Sei que quando comecei a dieta tinha 71 kg, mas cheira-me que quando terminar deverei ter à volta de 69, que é mais ou menos o que peso sempre. E aqui está outra coisa que eu teimo em dizer sempre cá em casa: o mais importante na dieta é aquilo que nos diz o espelho e não a balança. Quando eu estou mais magro é quando peso mais — que é quando faço mais trabalho de ginásio. Perco gordura, mas ganho músculo, que é mais pesado. Como a gordura não é assim tanta (antes da dieta tinha 13% de massa gorda) acabo por ganhar 1 kg, mais ou menos, ou então fico com o mesmo peso, mas visivelmente mais magro e mais firme.

Por isso, já sabem, o melhor é comermos bem o ano inteiro, fazendo um disparate aqui ou ali, e tentando conjugar essa alimentação saudável com exercício. É a receita mais velha do mundo, mas tem garantias de sucesso em todas as dietas.

Depois de amanhã, dia 16, é a altura perfeita para começarem a mudar esses hábitos — é o Dia Mundial da Alimentação. Vamos a isso?

22 Comentários

  1. Em primeiro lugar dou os parabens a A. Roquette porque conseguiu ter um sucesso estrondoso com a dieta que “nao” inventou e porque consegiu resumir o seu “mau” conhecimento que adquiriu durante um curso de 5 anos de Nutriçao num livro.
    Melhor….. porque conseguiu ganhar dinheiro à custa de muita gente que se convenceu que o conhecimento de um Nutricionista se resume a um livro para orienta-lo para perder peso.

    Perder peso ate se consegue com varios tipos de dieta! Tal como o livro da A. Roquette, muito outros, como o Livro do Dunkan, Atkins e outros que “inventaram” dietas hiperproteicas tiveram sucesso e ganharam muito dinheiro; Dunkan foi expulso recentemente da ordem dos medicos em França e com muitos processos. Ainda bem que estamos em Portugal.
    A questao é que perder peso nem sempre é perder gordura, e perder peso Incorrectamente e sem controlo médico ou nutricional, é muitas vezes pior do que estar gordo. E sabem porquê? porque ainda vai ficar mais gord@, devido à influencia ao nivel do metabolismo que este tipo de dietas dos livros fazem. A quantidade de proteina nem é o maior perigo (para alguns, para outro pode ser fatal-mas isso sabem lá… )

    Lamento a ignorancia social em Portugal. Parabens à Agatha!!Resumiu os seus conhecimentos de 5 anos num livro cheio de sucesso.
    De “Nutri ou medico” e de louco todos temos um pouco…

  2. Se essa injecção de grande felicidade e satisfação interferir com doenças cardiovasculares, diabetes, doenças renais e etc, não seria melhor ter uma vida “um pouco menos feliz” e durar um pouco mais tempo e ter uma melhor qualidade de vida?

    Aquilo que diz, foi o que eu pensei durante anos, agora…posso lhe dizer que fazer dieta custa sim, mas o esforço que fiz e a infelicidade que senti por “deixar de comer pizza” ou “ir menos vezes ao McDonnalds” compenso agora com a felicidade imensa de poder dizer: “Sou Saudável!!” e isso cara Rita, não tem preço!

    Não se trata de ser aceite pela sociedade, não se trata de sentir ou não mais bonito…..trata-se de ser saudável…o que adianta fazer asneiras consecutivamente se passado poucos anos estamos num estado vegetativo com um enfarte do miocardio ou um AVC em cima?

  3. Olá Catarina. Deculpe de estar a intrometer-me na vossa conversa. De facto preparar uma salada às 6:30h da manhã não é fácil. Eu opto por comprar as saladas já preparadas e lavadas e levo-as numa caixinha em separado. Faço o molho num frasquinho na noite anterior, quase um vinagrete, mas sem a mostarda. No dia seguinte, aqueço a proteína (carne ou peixe, omeleta) e é só despejar o molho por cima da salada. Também costumo acompanhar com um queijinho fresco, que às vezes até corto em bocadinho e coloco na salada. 🙂
    Faço muitas vezes omeletas de fiambre de perú ou frango que compro já em cubos ou tirinhas.
    As saladas já com a proteína também são muito práticas. Desfie ou corte em cubos o peito de frango grelhado e adicione aos verdes (rúcula, alface frisada, espianfres, alface rouxa, etc). da salada. Com uns tomatinho chery fica delicioso. A salada pode preparar na noite anteior e não temperando logo, a salada não perde a frecura. Bom apatite.

  4. Toda a gente, acho eu. Ou vive uma vida completamente saudável?
    Olhe eu sou muito feliz. Como de tudo, não faço dieta, não faço exercício físico (detesto), fumo. Se tudo isto faz mal? Com certeza. No entanto é a minha decisão e vivo com ela. E sou feliz com isso.

  5. Como vi que não obteve resposta em como cozinhar arroz integral, vim meter a minha colher .
    A diferença entre o integral e o “normal” é que convém ser demolhado, pelo menos umas 3 horas antes de ser cozinhado, pode também deixar de um dia para o outro, para aumentar os benefícios nutricionais .
    Depois para cozinha-lo é só ter o cuidado de não refogar o arroz, para não selar os grãos. Pode refogar a cebola, o alho e restantes legumes de assim desejar no azeite, mas depois coloca a água (o dobro do que quiser fazer de arroz) e por fim então o arroz.
    Deixe cozinhar por cerca de 20 min , numa temperatura média / baixa, se for necessário junte mais um pouco de água a ferver .
    Espero ter ajudado.

  6. Rita,
    Isto que defende chama-se liberdade insensata!
    Quem é que consegue ser feliz prejudicando-se ou autodestruindo-se deliberadamente?!

  7. É comprar um dos livros da Ágata que são óptimos e têm imensas receitas e aproveitamento para o dia seguinte, para a marmita!

  8. E que tal correr para que todos os dias sejam “Dias do Disparate”? Não?
    É que senão for assim não percebo a lógica do exercício.

  9. Eu como recem-mamã que perdeu 10 kg em 3 meses, percebi isso mesmo. Por mais exercício que se faça o que se come é sem dúvida o mais importante.
    Muitas das vezes o difícil é encontrar bons ingredientes e receitas simples, rápidas e saudáveis. Aproveito para questiono a blogosfera se podem sugerir alguns workshops que possam ajudar.

    Obg.

  10. Exacto! E que tal comer de forma saudável??? Sem abusar de nada em especifico, apenas uma dieta equilibrada? Estas dietas da moda são uma parvoíce, as pessoas perdem peso efectivamente, mas não fazem uma reeducação alimentar, quando acabam a dieta e regressam à sua alimentação “normal”, aumentam de peso, pois não adquiriram habitos alimentares saudaveis.

  11. Comento apenas para dizer que é mau abusar do que quer que seja. Abusar das gorduras faz mal ao colesterol, abusar dos açúcares engorda e pode gerar resistência à insulina, abusar das proteínas pode fazer (muito) mal aos rins. Ideal é manter uma dieta equilibrada sempre, comendo de tudo um pouco (de algumas coisas mesmo pouco, de outras mais). A dieta dos 31 dias é polémica, penso, não tanto por abusar das proteínas, mas por cortar quase totalmente os hidratos de carbono (sorry, mas uma fatia de pão ao pequeno-almoço não chega) que nos dão energia e saciedade para enfrentar o dia-a-dia, o trabalho e a actividade física. É importante saber comer e estas dietas “rápidas” comigo nunca deram resultado – ou melhor, deram. Mas depois recuperei tudo o que perdi. A que tem funcionado mesmo é a reeducação alimentar.

  12. E que tal termos calma, aceitarmos o nosso corpo e comermos o que nos faz feliz? Se forem coisas grelhadas e legumes e fruta, óptima.
    Se for pizza e hamburguer óptimo também.
    Faz mal à saúde? Sim senhor, mas as pessoas sabem disso. Se forem felizes com algo que faz mal à saúde, que sejam.
    O pior mesmo é toda esta maluquice de não podermos ter mais que determinado peso porque a sociedade não deixa. Então vêm estas sanguessugas com as dietas dos 30 dias ou o raio, só para ganhar dinheiro à custa dos que procuram soluções milagrosas. Enfim, que raio de sociedade.

  13. Prefiro fazer uma dieta equilibrada sempre do que dietas restritivas pontualmente…

    Como pratico bastante exercício físico, não faço grandes restrições nos hidratos, mas a minha dieta incide no consumo de proteínas.

    Acho que é possível comer de tudo, logo que estejamos conscientes do que realmente estamos a ingerir, tento em conta a qualidade, a quantidade e a frequência.

  14. Preciso de uma dica colinária:

    Comprei arroz integral, mas tenho de admitir que não o sei cozinhar. Será que me podia ajudar´com uma explicação?

    Obrigada Arrumadinho.

  15. Ao contrário da maioria das mulheres ( e homens ), não me lembro de alguma vez ter feito dieta. Sou magricela por natureza ou ruindade como costuma dizer a minha irmã . Sempre comi com moderação e várias vezes por dia, e desde que nasceram os meus filhotes tento sempre variar a alimentação e dar mais legumes e frutas , conjugando claro o exercício físico!
    O livro da Ágata Roquete quanto a mim é uma ajuda para comer melhor, o quer realmente deveríamos fazer todo o ano.

  16. Como sempre uma opinião muito sensata! Disse exactamente o que eu penso.. A dieta pode não ser a mais saudável do mundo mas com toda a certeza será melhor que ter peso a mais. E há pessoas que não conseguem emagrecer se não virem resultados rápidos.. Desmotivam (como eu)

    Confesso que segui esta dieta mas ao contrario da maioria das pessoas ”errei” por fazer de mais. Os resultados foram óptimos nas 2 primeiras semanas perdi 5/6 kg (pesava 71.5 kg/22 anos). O meu ”erro” era comer apenas +/-500 kcal por dia, nunca excedia as 700 e não entrava nem uma migalha de HC. Isto foi há quase 2 meses. Agora já como de tudo mas ganhei aquela noção das compensações. Se num dia como uma piza no dia seguinte terá que ser super saudável. E não, não voltei a ganhar o peso que perdi, pelo contrário. Continuo a perder, muito mais lentamente mas continuo

  17. ‘Agora, o que eu pergunto é: não será mais saudável este tipo de dieta do que uma pessoa que come de forma totalmente desregrada e sem qualquer tipo de limites? Ah, mas a Ágata Roquete abusa das proteínas. Sim senhor, pode abusar, mas não é preferível isso do que uma pessoa que abusa das gorduras e dos fritos e dos doces? Eu penso que sim.’

    Oi? Mas só há estas duas opções? E que tal fazer as coisas de forma correcta durante todo o ano?!

  18. Se não me engano, o Dia Mundial da Alimentação é no dia 16.

    As refeições que come são cozinhadas na hora?
    Por norma levo o resto do jantar para o almoço do dia seguinte. E não consigo fugir das massas e arroz. Preparar uma salada às 6h30 da manhã também não é muito fácil dado que sou super dorminhoca, e só saio da cama mesmo no último minuto.

    Que sugere para refeições ligeiras que se possam preparar de véspera ou refeições fáceis e rápidas que se preparem no próprio dia?

DEIXE UMA RESPOSTA