Desliguem a televisão, senhores

16
2854

A luta pelo domínio da televisão continua a ser uma grande fonte de problemas entre casais. Invariavelmente, elas passam-se porque eles vêem a Liga dos Campeões à terça e à quarta, a Liga Europa à quinta, a Liga Sagres à sexta, sábado, domingo e segunda; e eles passam-se porque elas só querem ver a Oprah, e as novelas, e a Casa dos Segredos, e o Peso Pesado e o Querido Mudei a Casa. Alguns arranjam duas televisões e acham que isso é a solução para o problema. Outro desistem da luta e vão fazer outras coisas. Há os que saem de casa para ir ver a bola ao café e às que vão para o quarto porque já não aguentam com mais bola.

Não há propriamente uma solução para este problema. Há formas de o ir ultrapassando. E se calhar o mais fácil será reflectir sobre a necessidade absoluta de se ver televisão, como se não houvesse nada mais importante ou divertido para se fazer.

A televisão matou muitos dos programas entre casais. E o problema agravou-se há uns anos, com a globalização do cabo, com a chegada de 200 ou 300 canais a casa de milhões de portugueses. É que agora há sempre qualquer coisa que se pode ver, o que não acontecia há 10 anos, quando só uma minoria de pessoas tinha cabo.

Hoje passeia-se muito menos, vai-se menos a casa de amigos, fazem-se menos programas caseiros que não impliquem uma televisão. E a culpa não é dos homens ou das mulheres, é da inércia dos dias, que nos empurra para o sofá, porque é mais fácil, porque cansa menos ser passivo do que activo, e quase todos, ao final do dia, temos pouca força para lutar.

De parte a parte, é fundamental perceber que há mais vida para lá da televisão. Os homens não podem, nem devem, deixar que o futebol se sobreponha a tudo o resto. Eu adoro futebol. E até tenho Sportv. Mas não vejo nem 1/10 dos jogos que passam. Acho que nunca vi um jogo da Liga Italiana, Alemã, Francesa ou Holandesa. Mesmo das Ligas Inglesas e Espanhola não fico horas agarrado à televisão a ver os jogos – nem que joguem o Messi ou o Ronaldo. E não o faço porque não vivo sozinho, porque sei que se eu ficar ali duas horas agarrado à televisão a ver um jogo que é completamente desinteressante para a minha mulher ou para o meu filho estou a ser egoísta. Até o poderia fazer uma vez ou outra, e isso seria aceitável e normal, agora fazê-lo sempre é absurdo.

E depois há aquela coisa a que algumas pessoas chamam de estupidificação, e que o aplicam aos reality shows. Eu discordo. Não acho que fiquemos estúpidos por vermos um reality show, seja ele qual for. Nem acho que fiquemos estúpidos se virmos um jogo de futebol por semana. Agora, se a nossa vida for centrada em bola ou em reality shows, se essas forem as nossas únicas áreas de interesse, se não pensarmos e não falarmos em mais nada, aí, bom, caminhamos para o abismo.

E, meus queridos e minhas queridas, uma mulher que só fala de reality shows é um grande turn off. Como acredito que um homem que só pense em bola, dia e noite, também o seja.
Por isso, olhinho aberto. Eles e elas.

16 Comentários

  1. Os meus tios têm 2 televisões, 1 em cima da outra. Ele tem uns phones wireless que pouco usa. Logo, vê sempre futebol ao som das telenovelas. Esta realidade funciona há mais de 20 anos, ainda do tempo do VHS, 2 também, todos ligados entre eles onde se faziam cópias das cassetes. Claro que já se actualizaram para as box.

  2. Estas generalizações são extremamente redutoras.
    Cá em casa, a televisão passa dias ou semanas desligada; é apenas uma opção da qual nos lembramos muito raramente. Aliás, nem entendo a importância que lhe é dada em muitas casas.
    Não, não me estou a armar em intelectual, apenas acho que o tempo livre é pouco e deve ser bem aproveitado.

  3. olha eu agr nem tenho televisão e realmente nem sinto a falta! Gosto de ver alguma coisa no PC e leio mais e saio mais e divirto-me mais sem TV! Sim, um homem q só pensa em bola é um turn off… 🙂 Tks Arrumadinho por mais um great post! Matilde

  4. Cá em casa só há uma tv e na sala. Já temos tb 2 crianças que adoram Disney, Pandas e afins. Chegamos sempre a um acordo entre todos. Tv qb…para todos 🙂

  5. eu por vezes opto por ir ler um livro mas o meu T. não tem esse vicio da bola, mas às vezes gosta e acho que faz bem e quando é assim faço um pouco de companhia e depois sigo para o meu livrinho!!! bem mais interessante!
    Arrumadinho eu já vou em Agosto a ler os teus pots e estou a ficar viciada!
    e mais!
    fazes-me bem!
    obrigada!

  6. Pois eu não vejo Oprah, nem novelas e muito menos reality shows… e nas escolhas televisivas estou claramente do lado masculino 🙂
    Vejo a Liga dos Campeões, a Liga Europa e claro, a Sagres. De vez em quando a liga espanhola (quando joga o Sevilla e o Real) e a inglesa (Manchester e Chelsea).

    Para além do futebol, cá em casa ainda vemos juntos filmes dos canais TVC, boas séries e alguns programas de entretenimento. Não vivemos para a televisão, mas temos a sorte de ter gostos em comum e evitar brigas com os comandos!!

    Quanto à «estupidificação» (da qual falei no comentário ao texto da Casa dos Segredos), é óbvio que não acho que seja automática, uma espécie de contágio só por sintonizarmos na tvi… mas é inegável que esses programas não tem nada de pedagógico (excepção para os sociólogos deste mundo) e apelam ao mais básico do ser humano.

    Mas lá está, vê quem quer… e a mim também já me criticaram por ver tanto futebol porque acham que é um desporto de massas desprovido de valores e que também não acrescenta nada. É claro que discordo totalmente… …

  7. Cada dia vejo menos televisão!!
    Lembro-me de ser miuda e achas que não vivia sem televisão, hoje em dia sou capaz de estar 3 dias que nem sequer a ligo.

  8. E quem diz reality shows e futebol diz muito mais. Qualquer pessoa que seja completamente centrada numa única actividade/programa e não fale de outra coisa é um grande turn off. Tive um namorado que não desligava do wrestling. Via wrestling na TV, via wrestling no PC, coleccionava vídeos de wrestling pela internet, cassetes de wrestling antigas, bonecos de wrestling, até a colcha era de wrestling! Só vestia T-shirts/Sweat-shirts de wrestling, e mesmo em conversa arranjava sempre maneira de meter lá uma piada de wrestling. Eu até gostava de wrestling quando comecei a namorar com ele. Um ano depois deixei de conseguir olhar sequer para coisas relacionadas com wrestling!! QUE SECA!!

  9. Concordo plenamente… não há qualquer necessidade da tv passar a ser o centro de discussões. Já assisti a isso em casa, mesmo sem a dita tv por cabo…imagine-se! Hoje continuo a assistir com o bendito gravador do meo, e quanto mais se assiste, quanto mais nos deixamos atingir por essa espécie de síndrome possessivo do comando é "meu", mais parece que nos tornamos egoístas.
    Não sou casada nem vivo com os meus país, sou estudante e vivo com mais duas colegas, no ano em que possuímos uma tv no quarto mal a ligávamos, é como dizer-se, damos mais ao convívio e esse sim é o melhor remédio.

DEIXE UMA RESPOSTA