Ca bom

0
4993

Gosto muito de ir a restaurantes novos experimentar pratos diferentes, especialidades de chefes e conhecer técnicas originais de cozinhar.

Também adoro fazer experiências culinárias caseiras, preparar jantaradas para amigos ou pratos mais práticos e rápidos.

E depois há dias em que sou muito feliz com uma simples… lasanha do Lidl.

Nham!

Prontinha.

100_1829

Quando estiverem a ler este texto, ela já estará prontinha (ou já terá sido devorada)

1 Comentário

  1. Rute;
    Eu disse uma gota de água referindo-me concretamente à sua observação sobre a miséria dos sem-abrigos em Portugal.
    Não foi o que disse?

  2. Rute Querida.
    Veja o que lhe mostro, e se não se arrepiar, veja até ao fim e depois venha-me falar da miséria em Portugal.
    A mim não me pagam consulta, medicamentos, tratamentos, nada.
    Nem o tempo que passo lá metida.
    Quer lá ir ajudar-me? Não vai gastar nada, Quer ir? Se quiser dentro de quatro meses venho chamá-la.
    E reitero! Sou um encanto de rapariga, sou bonita em tudo.

    http://www.youtube.com/watch?
    v=zhtXtWxQCZs

  3. Ao Arrumadinho: Eu sinceramente não gosto de lasanha, prefiro outras coisas, como pizzas e afins.

    Á Matilde: Peço-lhe imensa desculpa pela minha inferência acerca de si. É uma pessoa que vem para um blogue contar o que tem sem lhe ser solicitado, e complementar essa informação com auto-adjetivos, acaba por fazer com que os outros a rotulem (e com os piores nomes).Quanto a ter dito que a senhora é pobre de mentalidade, foi o que transpareceu, uma vez que não demonstrou humildade alguma. Mas pronto, cada um sabe de si, não é verdade? Não sei se faz algo para combater a fome e miséria do mundo, se não faz devia, se faz, melhor, demonstra que ainda tem um pouco de sensiblidade.
    Não é necessário ir ao Sudão, à Etiópia, por ai fora, para ver a miséria. Em Portugal há imensa. Gota de água? E eu que ia jurar que era mais de meio milhão da população mundial! Mas essa percepção também muda de pessoa para pessoa.
    Ainda bem que é bonita em tudo, se calhar você é caso raro da pessoa perfeita.

  4. É boa, sim senhora! Porém, como a poligamia não é bem aceite na nossa sociedade, tive que acabar com o nosso relacionamento e trocá-la pela lasanha freca do Pingo Doce que é um verdadeiro património nacional!

  5. Querida Rute.
    Pensava mas pensava muito mal, porque, veja lá como as coisas são, estava enganada.
    Ora como a menina se mostra tão preocupada com a minha alimentação, (desde já um muito obrigada pela sua preocupação) vou esclarecê-la.
    Como de tudo, querida. Como de tudo, mas pouquinho. Nem uma avezinha come tão pouco como eu.
    Como disse é a minha empregada que faz as compras, porque eu, morro se entrar num super qualquer só de viver aquela balbúrdia. Há sempre dinheiro em cima do Frigorífico, numa cestinha que lá há, a cozinheira pede-lhe o que precisa para a alimentação e ela vai comprar. Não me dá satisfações nem eu lhas peço. Sei lá se é Lidl ou Carrefour ou El Corte Inglês ou outro qualquer? Tinha mais que cansar a minha linda cabecinha a pensar nisso. Ela só tem que comprar e mais nada.
    Rute, continua a estar enganada ao dizer que sou pobre de mentalidade. Não sou, querida. Nem de mentalidade nem de sentimentos.
    Muito melhor do que a Rute, sei bem o que é a fome no mundo e a intolerância entre povos. Fala-me nos sem-abrigos. Não é nada, Rute. Acredite que é uma gota de água na imensidão oceânica.
    Já disse que sou médica, não disse? Conhece África, Rute? Talvez conheça Cabo Verde de lá ter ido passar férias, não é? Mas, e a outra, conhece? Etiópia, Sudão, Chade, Serra Leoa, Uganda? Conhece?
    Eu conheço, Rute. E conheço muito bem. Normalmente passo lá entre três a quatro meses do ano. Não necessito de dizer-lhe a fazer o quê, não é?
    O papá dispensa-me da Clínica Hospital dele para isso, e muitas vezes acompanha-me.
    Para a elucidar melhor, estou em França, na terra onde nasci, mas sou portuguesa.
    Agora estou em Portugal há perto de uma semana, que o papá também me deu a fim de vir visitar familiares e ser madrinha de casamento de uma amiga minha que se casa este sábado. Por isso me vê aqui tão assiduamente. Depois de Domingo já não.
    Mas não vou deixá-la morrer de saudades e virei cá, apenas esporadicamente.
    Insultá-la, Rute!? Oh, querida. Acha-me mesmo capaz disso? Ainda não viu a minha classe? Sou bonita em tudo, acredite.

  6. Ohh, a Matilde a comer coisas do Lidl? Que espantoso, pensava que só frequentava restaurantes chiques e que na sua alimentação só entrava comida gourmet, uma vez que tem tanta classe. Acho que até é um escândalo uma senhora com tanto nivel alimentar-se de marcas brancas. Afinal de contas, marcas brancas é coisa para "farrapeiras", não é verdade?
    Olhe, Matilde, por mais dinheiro que tenha, você é muito pobre. Pobre em mentalidade, sabe? Devia ganhar um pouco mais de humildade e ostentar menos aquilo que possui. Porque nunca se sabe o dia de amanhã, você hoje é rica, mas amanhã pode perder tudo o que tem, o papá pode morrer. E depois? Ahh, pois… Sabe, existe gente a morrer á fome por este mundo fora, há um número interminável de sem-abrigo nas ruas. Devia olhar para isso, ser mais humilde e não se sentir a rainha só por ter jardineiro e empregada e etc.
    Ah, e pode chamar-me os nomes que quiser, está á vontade.

  7. Pois, deve ser pena, deve.
    Uma cozinheira efectiva e uma empregada, efectiva também.
    O jardineiro não! Só vem uma vez por semana.
    Já comi lasanha e gosto muito, mas não sei se é da Lidl ou não porque quem vai às compras é a minha empregada e ela limita-se a comprar o que é precis sem me dar satisfações do que compra.
    Deve ser da Lidl, deve, uma vez que gosto muito e vou perguntar-lhe da próxima vez.

  8. É pena é não podermos fazer todos como a nossa "amiga" Matilde que tem cozinheira! Eu tb tenho uma cozinheira "moi"…nunca provei essa do Lidl vou provar…

  9. Eu então na cozinha sou um autêntico desastre, e por isso agora já nem me aproximo.
    Quando era novinha a mãe teimou que eu devia aprender a cozinhar, que uma menina devia saber fazer de tudo um pouco, mas a verdade é que nunca consegui mesmo.
    Azar, que querem? Não fui fadada para a cozinha, nem para muito mais concernente a trabalhos do lar.
    Graças a Deus que o meu Príncipe também nessas coisas é muito prendado como o Arrumadinho e lá vai fazendo alguma coisa, mas só quando há necessidade mesmo, porque de resto é a cozinheira que faz que eu não me preocupo nada com comida.
    O que gosto mesmo é de comer fora e em sítios diferentes.

DEIXE UMA RESPOSTA