Amores vão e vêm

0
5178

Hoje li a história do João e arrepiei-me.

O João, que não se chama João, mas que eu prefiro chamar de João, deixou de acreditar nele por culpa de um amor nunca correspondido, sempre desprezado, um amor que começou por corroer um jovem universitário feliz e tornou-o num homem descrente na vida, sem amor próprio, sem auto-estima.

O João tirou um curso e um mestrado, viu uma oportunidade de vida e realização num concurso autárquico, mas ficou para trás porque nestas guerras as cunhas correm mais depressa do que o mérito. O João não conseguiu mascarar as dores de coração com a profissão cheia que desejava, e então voltou ao emprego para que não nasceu, que nada tem que ver com o que andou anos a estudar, e lá teve de gramar com gente que despeja as suas frustrações em cima de quem as atende ao balcão ou ao telefone.

O João chegou a sentir que o melhor era desistir, dele, de tudo, porque o amor já se perdera mas teimava em não o largar, grudava-se-lhe sem piedade. E isso destruía-o todos os dias, um bocadinho mais, e mais, e o que restava não era ele, mas um retalho dele.

O João esqueceu-se do mais importante na sua vida: ele próprio.

O João sabe que não se chama João, e sabe que eu estou a falar dele. Só não sabe que tem demasiado valor para deitar a vida ao lixo, ainda mais quando a vida ainda está toda por viver.

Eu tenho a certeza de que vais erguer-te e voltar a ser tu mesmo.

Daqui a uns tempos cobro-te uma água de coco no calçadão do Rio.

Há muitos outros Joões por aí. E Joanas. Façam o mesmo: não se deixem ir abaixo, acreditem, sejam ambiciosos, peçam o céu a vocês mesmos, não desistam. Amores vão e vêm. A vossa vida só vos dá uma oportunidade. Se a desperdiçarem, adeus.

1 Comentário

  1. Sensibilizad…, sentimento "AMOR" é difícil de expressar, uns matam por am…, outros deixam os supostos amados embaraçados com exigências e perfecionismos(João?ARRUMADINHO), o "AMOR" é quimica natural, expontânea, deixar rolar….

  2. Gostei muito deste texto. Fiquei muito sensibilizada com o que li nesta caixa de comentários. Como é possível as pessoas magoarem-se tanto e chamar o que fazem de amor? Não palavras, nem soluções. Também eu gostava de aprender a gostar mais de mim. Só isso, só esse primeiro passo bastava-me.

    Um abraço a todos.

  3. 1ª visita ao blog.,Obrigada, por todos os comentários que escreveram.Estou perpelexa, com o ressentimento do ARRUMADINHO. Medo, insegurança e falta de auto estima podem estar na base do do "AMOR NUNCA ARRUMADINHO".Deixo um pensament o "O sonho comanda a vida" para quem, por medo nunca se sentiu amada.

  4. Porquê um novo amor? Porque não aprender a viver sozinho/a?

    Parar de sonhar com aquilo que não temos e começar viver com aquilo que temos.
    Porquê sonhar com um futuro cor-de-rosa quando o presente é a preto e branco? Mas se calhar podemos juntar o preto e o branco e fazer vários tons de cinzento!

    "Poderíamos ser melhores se não quiséssemos ser tão bons."

  5. Não costumo comentar, mas penso que nestas situações, perceber que não estamos sozinhos, ajuda. Também eu acabei de ficar desempregada, ao final de uma licenciatura, um mestrado e quase um doutoramento. Também eu terminei há pouco tempo uma relação de quase uma década. Também eu sofri muitos anos com o síndroma de pânico. Também eu me questiono todos os dias quais os meus objectivos de vida.
    Mas cada vez mais me apercebo de que não sou a única e isso traz-me uma nova perspectiva: de que não fui eu quem falhou (pelo menos não só), mas que infelizmente são as circunstâncias… e parece que faz parte desta vida. Não tenho receitas (também as queria), mas cada dia é diferente e espero sempre por uma nova oportunidade, por um novo emprego, por um novo amor…

  6. Estou na mesma situação que a anonima das 20:39, estou prestes a bater na mesa e dizer basta, mas…eu amo-o e hoje já veio com a conversa do arrependimento. Sinto-me "doente" á custa disto tudo, ainda nem sei bem o que tenho mas vivo constantemente anciosa, já tive dois episódios graves e esta semana fui parar ao hospital tudo por causa duma depressão/nervos. Estando a reconhecer este cenário tão negro seria suposto estar confiante do passo a tomar mas não estou. Aquilo que me afronta é muito estranho, nem sei porque desenvolvi estes pensamentos, vejo que ambas as anonimas sofreram de panico/ansiedade, porquê? Que origina isto?

  7. O João só tem de se apaixonar por si próprio…É o amor mais duradoiro e o mais precioso. Às vezes, é um amor difícil de encaixar, mas é o verdadeiro amor…E, a partir daí, nunca mais pára…

  8. Embora não esteja directamente relacionado com o post, não posso deixar de responder à Anónima das 20:39.
    Também eu vivi uma relação assim, psicologicamente abusiva, também eu passava dias a fio a chorar, também eu passei noites e noites angustiada porque às 7 da manhã ela ainda não tinha voltado para casa,também eu fui enganada, traída,também eu fiquei com a auto-estima e amor-próprio em frangalhos, também eu desenvolvi um transtorno de ansiedade com ataques de pânico, também eu sinto que me roubaram 5 anos da minha vida, numa altura que deveria ser o melhor tempo da nossa juventude, também eu fiz cenas de bater com a porta e dizer que nunca mais, que era a última vez, mas acabava sempre por voltar e perdoar..ou achava eu que perdoava, porque há coisas que nunca mais se esquecem por mais que se tente, porque deixam cicatrizes demasiado visíveis, porque a mágoa acaba por tomar conta de tudo.
    Comecei a sentir pena de mim própria (o pior sentimento que podemos ter), até me aperceber que estava nas minhas mãos mudar o meu destino…e que a única pessoa que podia fazer-me sentir melhor comigo própria era eu mesma..Ninguém tem o direito de nos fazer sentir feias, inferiores, não merecedoras de amor, respeito, carinho e atenção.
    Era o que ele fazia…acho que depois de ter sido tão humilhada pensava que não merecia mais do que aquilo, que era uma sorte tê-lo encontrado porque de certezinha mais ninguém me ia querer e antes com ele do que sozinha…pois, só que nunca me senti tão sozinha do que quando acompanhada por ele..
    Todos os dias ensaiava o discurso do adeus mas nunca tinha coragem de o dizer..nunca me senti tão infeliz e ao mesmo tempo tão sem forças para mudar..Até ao dia..até ao dia em que mais uma vez acordei sozinha porque ele andava sabe-se lá por onde, me olhei ao espelho e não reconheci a pessoa que o reflexo me devolvia…estava uma sombra da rapariga alegre, feliz e descontraída que um dia tinha sido..Foi nessa altura que resolvi mudar a minha vida para sempre e nunca mais olhar para trás.
    Fiz-lhe as malinhas e coloquei-as à porta de casa. Deixei-lhe uma mensagem no telemóvel (que para variar se encontrava desligado)para que fosse buscar as suas coisas. Apareceu em casa pouco tempo depois, completamente alterado, a perguntar o que se tinha passado. Com uma calma, discernimento e frieza que nem sabia que possuia, disse-lhe tudo aquilo que estava engasgado e que tantas vezes tinha dito ao espelho. Senti-me mais leve, mais parecida com o que outrora fui..Chorei horas, dias, semanas, chorei por tudo o que tinha sido e por tudo o que não foi..
    Nas semanas que se seguiram ele procurou-me inúmeras vezes, que estava arrependido, que ia mudar, blá blá blá…eu estava irredutivel e hoje, passados 4 anos, não tenho a menor dúvida que foi a decisão mais acertada que tomei em toda a minha vida..
    Aos poucos recuperei a auto-estima perdida e o amor-próprio e, embora tenham ficado as marcas, não deixo que essa relação falhada defina o que sou, na certeza de que existe vida para lá de um coração despedaçado.

    Sónia

  9. Infelizmente, existem por aí muitas histórias como a do "João", em que as pessoas se esquecem de viver verdadeiramente o bem mais precioso que têm: a sua própria vida!

  10. O tempo cura tudo. Acredita João, quem tu diz é alguém que já passou por grande dor amorosa e profissional (as duas ao mesmo tempo). Com muita força mental e um passo à frente todos os dias consegue, todos conseguimos. Erga a cabeça, lute por si antes de mais POR SI pelo seu equilibrio, pelo seu bem estar, depois…depois deixe o tempo correr, não importa quanto tempo. Um dia irá chegar/ter aquilo que o faz realmente feliz e só nesse dia irá entender quando olhar para tras que afinal não valeu a pena a dor e o sofrimento.
    Beijo meu de felicidades.

  11. Joões, Joanas, Arrumadinhos e todos, todos, todos, vamos mas é beber uma água de côco (para mim pode ser caipirinha sff?) ao tal calçadão do Rio e celebrar a Vida com alegria! Porque daqui a pouco, já somos é velhotes, entrevaditos, e aí é que são elas. O que hoje doí, amanhã passa. Parece é que demora muito a passar, quando é no presente, e que passou rápido, quando já é passado. Depois vem outra, e mais outra, e mais outra, porque o sofrimento faz parte da vida. Sem noite, havia dia?… 🙂

  12. Li a frase em cima e sinceramente rolaram lágrimas. É tão dificil amarmo-nos quando passamos pela vida sem sentirmos que somos amados de verdade. Como continuar a acreditar em mim, quando mais ninguem acredita? As vezes que tenho de me reerguer já são tantas que aquela história de quando pararmos de procurar, o amor de verdade aparece, não me parece, que aconteça. Como é que eu me amo a mim própria se mais ninguem o faz? Eu sei que é esse o caminho. Ninguem vai gostar de nós se nós não gostarmos, mas e faze-lo? De coração, de verdade, a acreditar mesmo. Arrumadinho, obrigado a ti e à Pipoca. Com vocês é mais fácil acreditar que é possivel. Que existe.

  13. Olá arrumadinho. Adorei este post. Conheces o texto do MEC do livro "último volume" intitulado "Como é que se esquece alguém que se ama?". É fenomenal!
    😉

  14. Das coisas que mais me tocam são situações como a do João, em que as relações e/ou as patadas da vida nos tiram a esperança e o amor-próprio. Mas uma vez (re)adquirido é uma grande aprendizagem para uma vida melhor. Força João, nitidamente não estás sozinho!:)

  15. João acredita, vive…ou faz um esforço e tenta viver. Mais tarde essa tentativa vai-se tornar uma realidade 🙂 mesmo que tenha sido uma desilusão e que o teu coração se tenha despedaçado a verdade é que tens de acreditar em ti e na tua força interior.
    Sai de casa, bebe um copo, convive com amigos e familiares, faz exercicio fisico, grita bem alto…liberta-te João. Sê livre e feliz…nenhum ser humano jamais quer alguem ao lado que nao nos ame em pleno.

    Força

    Ana

  16. Espero ter sempre a lucidez de nunca vir a sofrer por amor. Sofrer com a perda de entes queridos isso sim, agora por amor a ponto de se deixar ir abaixo. "João" vamos lá arrebitar e olhar para o lado que pode lá estar a(o) tal ;). Bjs.

  17. Gostei do que li e identifico-me com o facto de ter tirado um mestrado, não conseguir trabalho a fazer o que mais me fascina e por isso ter que me sujeitar a um trabalho que é um suplicio e que todos os dias me deixa mais e mais infeliz! Apesar disso tenho o amor…esse sim, que me preenche, que me torna melhor e que me faz esquecer o resto!
    Mas como disseste, o mais importante é não desistirmos de nós próprios, e por isso é que luto todos os dias…porque sei que mais tarde ou mais cedo vou estar a fazer o que quero 🙂

  18. Infelizmente há histórias assim. Eu tive recentemente ( e ainda existem algumas marcas dela). As vidas têm tudo para correr bem, mas tão bem que parece que estamos a sonhar. E de um momento para o outro perdemos tudo o que foi construído ao longo da relação. E para reconstruir pode levar MUITO tempo, sem dúvida. Podemos pensar nas maiores asneiras no mundo. Mas no fim vamos acabar por ser uns vencedores e olhar para trás e concluir que sofrer não leva a lado nenhum. Tal como dizes, temos que acreditar e ser ambiciosos. Eu ando a pensar nisso ! 😉 gostei imenso deste post!

  19. E mais importante que tudo… e de quem já passou também por amores não amados…

    um dia a importância daqueles momentos vai passar… um dia… nunca se sabe exactamente quando mas… o dia em que a importância passar… a nossa vida tem que valer a pena por nós…

    se nós não lutarmos por nós próprios nem pelos nossos sonhos… nunca podemos pedir a alguém que o faça por nós…

  20. Mais um texto de tirar o ar. Parabéns Arrumadinho, sempre com uma escrita tão deliciosa! João força…costuma-se dizer que "Num universo de tantos biliões de pessoas haverá uma que existe para ti" 😉

  21. "João" se me estás a ler força. Pensa que não és o único…eu sou mais uma "joana" que já amou e foi muito amada. Mas um belo dia conheci um menino, que não foi das pessoas que mais gostei até hoje diga-se, e destrui-me a auto-estima e amor próprio todo. Todo ele era mentiras, falta de principios, e um sem fim de coisas que nem me apetece recordar….

    conclusão da historia:
    -passei a ter ataques de pânico;
    – A não amar-me;
    – A achar-me inferior;
    – A sentir-me feia;
    – etc, etc,etc…

    Mesmo que tudo isso fosse verdade ninguém têm o direito de nos fazer sentir assim….

    Eu sei que é fácil falar ( e a prova é que ainda estou nesta relação) mas, todos os dias penso que será o último dia. Estou a arranjar coragem para ir embora.

    Tenho 25 anos, mestrado, trabalho e passo os dias a chorar. Ele é psiquiatra e nada faz….Por isso, eu e tu temos que fazer por nós….

    Força "João". beijinhos doces

  22. Os amores vão e vêm até que se encontra uma duas pessoas verdadeiramente especiais. Que não têm comparação. Que ficam gravadas de forma profunda para sempre no nosso coração. E essas devemos tratar como um ente extremamente querido. Vale a pena enfrentarmos o céu e a terra por eles, porque foi o nosso coração que os escolheu para de destinguirem dos restantes. E contra o coração, dificilmente a razão consegue vencer.
    Aposto que não deixarias a tua mulher "ir embora" tão facilmente. Depois da experiência que percebi que ambos têm, vocês têm uma relação muito equilibrada e sensata. Respeito e consideração um pelo outro. Tenho a certeza que ela não passaria tão facilmente. É umas das realmente especiais.

DEIXE UMA RESPOSTA