Ainda a Playboy (ou novamente a Playboy)

0
6991

Ontem já tinha colocado a capa no Facebook do Arrumadinho, mas como há quem não siga a página, deixo-a aqui.

Mais uma vergonha comprovada. Não sei o que me dá mais vontade de rir, se o facto de ela estar mais vestida do que em muitas produções que já fez para revistas masculinas onde não existe nu se o título da capa: “Dânia Neto revela-se”.

Ainda não vi a revista, mas li qualquer coisa onde se diz que a produção com a Dânia “segue a mesma linha da de Rita Pereira”. Acho que está tudo dito.

Já quando saiu o número da Rita Pereira falei aqui deste assunto, mas como há quem não tenha lido, e quem não queira perceber, vou tentar explicar novamente a minha posição sobre o assunto.

Historicamente, a “Playboy” é uma revista de nus femininos. Em muitos países, é para as mulheres um orgulho serem convidadas para serem capa da publicação (como no Brasil ou nos Estados Unidos). A filosofia da revista é essa: despir mulheres conhecidas, e despir mulheres com potencial para virem a ser conhecidas (as Playmates). E tem sido sempre assim ao longo de décadas.

Quando decide abrir em Portugal, a “Playboy” não pode querer ser diferente, não pode querer “reinventar” a filosofia da publicação. A filosofia é aquela. E se se quer ter uma “Playboy” é para fazer como se faz nos outros países. Se se quer fazer uma coisa diferente, então, arranje-se outro título, crie-se uma marca nova que vá ao encontro dessa nova filosofia.
Ter uma Playboy sem mulhres nuas conhecidas é como abrir um franchise do McDonald’s e começar a vender peixe cozido com todos, porque é mais saudável, mais português e mais de acordo com a nossa cultura. Não. O McDonald’s vende hamburgueres com ketchup, mostarda, batatas fritas e coca-colas. Faz mal? Faz, se se abusar. É pouco português? É. Mas é assim que ele existe em Portugal, tal como nos Estados Unidos ou na Nova Zelândia.

Esta coisa de fotografar a essência da mulher, de captar a alma, e que isso se consegue com ou sem roupa é uma treta absoluta. As produções (falo da da Rita Pereira, que desta só conheço a capa) não querem nada captar almas e merdas, querem mostrar o máximo que o contrato lhes permite, querem pô-la com um ar lânguido e guloso, porque não conseguem ter mais nada, não podem mostrar mais nada, não têm dinheiro para lhe pagar para ela mostrar o que eles queriam que ela mostrasse.E é essa é que é a grande questão: não há dinheiro, em Portugal, para ter grandes figuras nuas na capa de uma revista.

Sim, somos um país conservador, sim, somos um povo que tem preconceito de andar com uma revista destas debaixo do braço, mas esse preconceito vai sempre existir estejam as mulheres na capa nuas ou vestidas, porque o preconceito é em relação ao título, ao nome “Playboy” e não ao facto de ter uma mulher nua na capa. Se assim fosse, então, poderiam fazer capas mais recatadas e lá dentro mostrar tudo. Mas não é isso que acontece. Não mostram nada. Não mostram porque não podem, não têm dinheiro para lhe pagar.

Agora, o que pergunto é: venderá mais uma Cátia do Big Brother nua ou uma Dânia Neto vestida? Sinceramente, continuo a achar que vale mais a Cátia nua (goste-se ou não da figura – e aqui quem diz Cátia diz Daniela P., ou uma daquelas figuras tipo Sara Kostov, ou uma qualquer menina do Fama Show). E ao menos assim respeita-se a filosofia da publicação.ramos por vocês. Faça chuva ou faça sol.

1 Comentário

  1. O que eu acho mais engraçado é a revista ou quem for, pagar os balúrdios a estas 'famosas', para elas irem posar em lingerie para a Playboy. Se é para isso, compramos a TV7 dias que conseguem capta-las na praia com mais nudez que isto. Sinceramente, querem ser tão para a frente e depois apresentam-nos com isto. Como dizes e muito bem, a Playboy tem a sua filosofia, se a alteram deixa de ser a Playboy.

    http://twenty-28-eight.blogspot.pt/

  2. Na minha opinião, muito mais grave que o facto da jovem estar vestida ou despida, é a qualidade da foto colocada na capa. Não sei se é do ângulo de captação de imagem, ou do trabalho de photoshop: mas aquela assimetria dos seios, é estética? Aquela mão esquerda parecendo retorcida seria aceitavel numa foto de qualidade? Esta playboy tem os dias contados, pois é feita por amadores.

  3. Pior a emenda que o soneto. Para além de ser uma produção púdica e pobrezinha, o photoshop é tanto, mas tanto que nem sequer é esteticamente bonito, quanto mais sexy. O que é que fizeram à rapariga, tão jeitosa que ela é??? Até a Jessica Rabbit parece mais real. Coisa mais plástica, credo!

  4. É o seguinte, a imagem da mulher é definitivamente explorada, continuamos a ser tratadas muito mais como objectos sexuais do que o homens e isso vê-se especialmente com as cantoras americanas cada vez mais novas e mais sexualizadas.
    No caso português, realmente há uma certa hipocrisia. Pessoalmente, perturbar-me-ia ver um corpo todo nu na capa, mas no interior da revista não vejo prblema nenhum, somos um país livre, cada em vê, lê, ouve aquilo que gosta.

  5. Tens toda a razão!!!
    Mas não percebo o que se passa porque na 1.ª versão da Playboy portuguesa as famosas mostravam muito mais!!!!

  6. Não. O McDonaldas em Portugal não é como o McDonalds nos EUA. Lá, os tamanhos ditos "normais", são gigantes para nós. Cada indústria adapta-se à realidade de cada país. Simples. Certamente, haverá outros países onde a Playboy também tem uma linha mais conservadora.

  7. O problema é o dinheiro. A Playboy em Portugal não pode pagar o mesmo que noutros países, vai daí, não compensa alguém que já conquistou algo, que tem uma carreira, despir-se por pouco. Foi esta a versão que me contaram, porque eu, revistas de meninas nuas, é igual ao litro…

  8. Bem, desta vez já se vê mais qualquer coisinha, um bocadinho duma mamoca num reflexo dum espelho e na transparência dum pano qualquer. Mas continua a não ser a Playboy. Ainda assim, gostei bem mais desta do que da Rita Pereira – que além da produção, devia ter vergonha das declarações que davam a entender que se tinha despido.

    Abraço!

  9. E desde quando é que uma mulher tem de estar com as meninas de fora para ficar sensual? A beleza da playboy não está na flor nem nas trufas de chocolate.

    Pesquisem capas recentes da playboy pelo mundo e vão ver que todas seguem a minha linha.

    Se querem ver flores e trufas de chocolate vejam o rancho das coelhinhas, fica a dica.

  10. Mas acha que em Portugal alguém "famoso" se iria despir e ficar todo nú à frente duma câmara? Nem pagam o que pagam lá foram nem isso traz prestígio como no Brasil por exemplo…e a mim disseram-me, quando a Playboy, veio para cá que o conceito era "girl next door" portanto …é o que temos 🙂

  11. concordo com o post. o que tá mal aqui é o conservadorismo. a playboy é, no género em causa, uma publicação de referência. não estamos a falar da revista gina e afins.
    recordo que, nos Estados Unidos, entre outras, tivemos a Marylin Monroe, a Pamela Anderson e a Stephanie Seymour (para quem não conhece, uma modelo dos anos 90). Ninguém pode dizer que foram penalizadas por posarem para a Playboy.
    No Brasil, Claudia Raia, Bruna Lombardi e Vera Fischer. Os nomes falam por si.
    Mas cá, à nossa maneira, ainda somos muito púdicos.
    Por mim boicote à Playboy.
    Tenho dito.

  12. Sinceramente não se compreende a Playboy Portuguesa! Concordo com tudo o que disseste Arrumadinho!Enfim esperemos melhores dias desta revista… ou não…

  13. Realmente… pagar 3.95€ por um catálogo de lingerie… quando se pode entrar em qualquer loja da especialidade e trazê-lo de graça!

  14. é certo que estas raparigas mostram ais o corpo em trabalhos de tv do que nas revistas em que o nu integral é a arma de trabalho. no entanto, nada contra… acho que quem compra revistas para ver os pipis da mulheres que todos cobiçam acabam por cair no ridículo. ou seja, acho que as fotos têm qualidade na perspetiva do angulo. porque podiam muito bem tirar todas nuas e tapar os atributos, se é isso que causa tanto receio / vergonha ^/medo que o lábio esteja descaido. sinceramente não me fascinam este tipo de revistas com homens ou mulheres peladas… não se aprende nada… melhor procurar outras paisagens. entenda-se aqui que não sou anti nada. mas há um prazer do corpo tão grande que acaba por se perder o prazer… já há corpos aos desbarato, passo a expressão, com tanta oferta. quanto mais simples, mais singular, em bruto as coisas forem mais prazer dão.
    Segue um beijo para ti…

    [irrita-me esse teu charme;) ]

  15. O seu texto diz tudo!!! Playboy são mulheres nuas, não semi despidas!!! Então não é Playboy… quanto muito Playboy às Doses….quer ver vestida, semi, ou nua??? Adorei a comparação: "é como se estivessemos no McDonalds a dizer que peixe cozido é que é bom e saudavel"!

  16. Bem…a Matadinho ficou conhecida por outras coisas que fazem corar de vergonha a Playboy!! ☺☺☺

    Algumas das meninas do Fama numa Playboy a sério seria muito interessante.

    Isto é uma palhaçada. Mais valia pagarem mil euros para a vizinha do lado se despir do que esta treta. Estas pseudo-vedetas fazem ensaios para as FHM's e Maxmen's bem mais ousados do que para a Playboy.

    Enfim…vamos lá ver no que dá esta Dânia Neto mas a expectativa é reduzida (apesar de dar 10 a zero á Rita Pereira ☺ )

  17. Li a sua posição sobre a Rita e subscrevi inteiramente… Repito a minhas tomada de posição e reforço a minha concordância com a sua opinião acerca desta edição da revista.

  18. Tens toda a razão. Se querem ver miúdas em biquíni, que comprem as revistas cor-de-rosa no Verão e não comprem a Playboy. É a mesma coisa.

    A Playboy portuguesa não vai longe.

  19. A questão é que, e creio que já escrevi a respeito, as mulheres portuguesas efectivamente bem sucedidas profissionalmente e "bem casadas", jamais irão aceitar este tipo de exposição. Quem? Bárbara Guimarães, Catarina Furtado, Diana Chaves, Cláudia Vieira, etc. Depois as restantes, com todo o seu mérito e valor, também não se despem porque as quantias, conforme disseste e bem, não devem ser nada de especial.
    Resumindo: a Playboy portuguesa é como o país: pobrezinho e envergonhado.

  20. Desta vez concordo contigo. Acho ridículo o que andam a fazer ao nome Playboy em Portugal e devem ser raras as pessoas que ainda compram a revista. Com tanta mulher bonita disposta a despir-se para aparecer (e é a PLAYBOY, hello? conheço miúdas que recebem 500 euros por mostrarem o mesmo no site Suicide Girls), mais valia pagarem-lhes a elas. Assim até podiam estimular outros mercados, como o da indústria pornográfica portuguesa, em que ainda se vive do tabu e por isso se pagam balúrdios a quem mostra o pipi.

  21. Concordo oh arrumadinho..
    Vêm com aquelas teorias que para se ser sensual não é preciso estar nu/a mas então que não apareçam na Playboy porque isso é estar a ir contra a filosofia e a tradição da revista.
    Se agora estão armadas em púdicas então não se comprometam a fazer este tipo de trabalho.. Não querem aparecer nuas então também não apareçam na Playboy..

  22. Senhores da Playboy: Como ficou conhecida a Carla Matadinho? Sigam o exemplo. Poderá não ser da mesma forma.

    Tenho a certeza que a Cátia e outras que querem ganhar a dita fama, iriam fazer mais furor, despedindo-se e por pouco dinheiro.

    @Suspeita

DEIXE UMA RESPOSTA