A polémica reportagem sobre blogues na SIC

64
11337

Há dias, a SIC emitiu uma reportagem sobre blogues e bloggers que ganham dinheiro com o blogue. Falaram, na reportagem, a Ana Gomes (A Melhor Amiga da Barbie), o Cláudio Ramos (Eu, Cláudio) e a Vanessa Martins (Frederica). Como blogger, e professor de um curso de blogues, tenho obrigação profissional de acompanhar de perto esta realidade, em todas as suas vertentes, logo, como é evidente, vi a reportagem com atenção.

Ando sempre atento a blogues novos, leio imensa coisa que vai aparecendo, analiso os blogues mais conhecidos, estou atento aos números, ao impacto de cada um, e tenho a vantagem de conhecer pessoalmente grande parte dos bloggers mais influentes e conhecidos em Portugal. Até por isso, na altura em que a jornalista disse na peça que o blogue Eu Cláudio tinha 100 mil visitas diárias soltei uma gargalhada. Não é preciso ser um analista profissional da área digital para perceber que este número não faz qualquer sentido. Não há blogues em Portugal com números desta grandeza. Há nos Estados Unidos, há no Brasil, e mesmo aí são meia dúzia. Em Portugal, para se ter uma ideia, um site de um jornal como o “Público” tem uma média de 300 mil vistas por dia. O Observador terá umas 120 mil visitas por dia. Logo, como é que um blogue que não consta da lista dos 10 mais lidos poderá ter 100 mil? É um número totalmente disparatado. Na altura, partilhei no meu Facebook pessoal a minha gargalhada. Escrevi qualquer coisa como “Ele disse 100 mil visitas por dia? Ahahahah”. A gargalhada é de quem sabe que isto é totalmente descabido.

Claro que uns minutos depois já havia vários comentários nesse post de amigos e outros bloggers a partilhar esta minha gargalhada. Acredito que não tenha sido só eu, nem apenas os meus amigos, a comentar este número. Foi, seguramente, tema de conversa entre vários blogues.

Na sequência deste episódio, Cláudio Ramos escreveu um post no seu blogue a esclarecer o erro. Disse que, afinal, as 100 mil visitas eram mensais e não diárias, ou seja, deu razão a quem se riu daquele número apresentado na reportagem, como eu. 100 mil visitas diárias representam 3 milhões de visitas mensais, que é um número um pouco diferente de 100 mil visitas mensais. Seria mais ou menos a mesma coisa que dizermos que o nosso jornal vende 300 mil jornais por dia quando vende apenas 3 mil. Não é um pequeno engano, é a diferença entre um rato e um elefante.

Mas Cláudio Ramos não esclareceu apenas o erro. Ele indignou-se com quem protestou com o número, apelidando-os de “invejosos”, “medrosos”, “coitaditos”, “penduras” entre muitas outras coisas. Bom, mas então apontar um erro grosseiro é ser qualquer uma destas coisas? Ou é ser apenas rigoroso? Se o Cláudio Ramos estivesse a conversar com um ator de uma novela num dos seus programas de TV e ele lhe dissesse que a novela dele tem 12 milhões de telespectadores diários, quando ele sabia que tinha apenas 200 mil, ele estaria a ser invejoso se o contrariasse? Inveja do quê, exatamente?

Sinceramente, pareceu-me uma reação pouco humilde, quando o que estava em causa era um erro que o favorecia grosseiramente e o colocava num universo totalmente irreal (o das tais 100 mil visitas). Também me parece pouco elegante a forma como rotulou uma série de outros bloggers. Cada um deve saber de si, deve procurar atingir os seus objetivos da forma como se sentir mais confortável e ninguém tem nada a ver com isso. É muito, muito raro alguém ver-me num evento com outros bloggers, não ando em almoços nem atrás de brindes, mas se outros gostam de receber uns presentes e se o blogue lhes permite isso, é lá com eles, ainda bem que o conseguem, não me cabe julgar isso.

Não tenho rigorosamente nada contra o Cláudio Ramos — conhecemo-nos pessoalmente, já estive em alguns programas com ele, mas não somos amigos —, acho sinceramente que é um comunicador talentoso, tem ótima imagem televisiva, presença, é bom no registo em que trabalha, e este tipo de posts e polémicas não são boas para ele. É só uma opinião.

Depois, a polémica virou-se para a Vanessa Martins. A blogger do Frederica disse na reportagem que tem uma equipa de gente que faz as fotografias e os textos. Nas redes sociais, muita gente perguntou: mas afinal o que é que ela faz para lá de aparecer nas fotos do blogue? Eu sei, porque a conheço, que ela faz muita coisa, tal como sei que ter um blogue é uma coisa que dá trabalho, e nem sempre é porque se está a escrever textos ou a tirar fotos. Há mil e uma coisas que são necessárias, e para se ganhar dinheiro é preciso, efetivamente, fazer tudo isso. Agora, o erro da Vanessa foi ter dito aquilo que muita gente sabia mas que nem toda a gente tinha noção que acontecia: muitos blogues de gente famosa não são feitos pelos próprios, eles apenas dão a cara. Ou seja, a Vanessa foi ingénua. Como jornalista, e blogger, não acho que estas pessoas não tenham direito a ser bloggers, ou que não se possam assumir como bloggers só porque não são as verdadeiras autoras dos sites. Acho, sim, que são bloggers diferentes, com blogues diferentes, e que ocupam um espaço diferente na blogosfera. Quem gosta de ler (ou ver as imagens) vê e pronto, quem não gosta, que procure outras coisas: há blogues para todos.

64 Comentários

  1. Cara Ana Rita, se consultar o site da Escola de Comunicação Palavras Ditas verá, entre a equipa de formadores, o meu nome. Se analisar os cursos existentes, verá que há uma formação sobre blogues, que sou eu a leccionar. Logo, não preciso de me “auto-intitular” nada. A Ana Rita pode querer muito que eu não dê aulas sobre blogues, mas a verdade é que dou. Quanto ao “ressabiamento”, bom, basta ler o que escrevi. O texto não era sobre esta ou aquela pessoa ter entrado, era sobre um erro factual grave na peça e a polémica que isso gerou. Não acho, sequer, que fazia qualquer sentido eu entrar ali, sobretudo na altura em que a peça foi para o ar.

  2. ah ah ah ah eu não sei com qual das tiradas me ria mais, do seu post ridículo ou de se auto-intitular “professor de blogues” lolololol isto há com cada comédia. Deve ter ficado ressabiado pelo “stor” e a esposa não terem aparecido. lololololol Demais mesmo!!!

  3. Bem, eu tenho de deixar um breve comentário relativo ao snobismo da Pipoca/Ana…
    Leio o blog da Pipoca, não de certeza com a mesma atenção que a Sara, mas há relativamente pouco tempo, talvez 2/3 semanas, encontrei a Pipoca e o Mateus no supermercado Continente, por acaso quem reconheci foi o Mateus, (já que sou minorca e a Pipoca é bem mais alta), acabei por meter conversa 🙂 (desculpe lá oh Ana a intromissão, mas o Mateus é bem simpático e convida mesmo a dois dedos de conversa lol)
    E a ideia com que fiquei é que apesar da intromissão, foi sinceramente simpática, paciente, algo reservada sem dúvida, mas de snob… nem um bocadinho.
    Felicidades e continuação de muito sucesso a todos
    Ana

  4. Ricardo, acho sinceramente que não deves continuar a dar resposta a estas pesssoas.
    Uma coisa é termos uma opinião, partilharmos, sem ofender ninguém.
    Agora o que aqui se está a passar é uma falta de respeito para com a tua mulher.
    Tenho muita vergonha de ver, naquilo que a sociedade portuguesa se está a tornar.

  5. Olá Tatiana. Provavelmente não, porque não sabe quem é a Tatiana, ou se é sequer a Tatiana ou um qualquer lunático, como se vê tanto por aí. Mas se a encontrar na rua e a abordar, verá que será simpática, cordial, falará consigo amigavelmente, até irá tirar fotos caso queira, porque ela é assim, e eu já vi esta cena centenas de vezes.

  6. Provavelmente não. Mas se a encontrar na rua e lhe disser que gostava de a conhecer, como acontece quase todos os dias, ela irá dizer que sim, irá falar cordialmente consigo, se quiser tirar uma foto ela irá fazê-lo, e será muito simpática, como já aconteceu centenas de vezes.

  7. Concordo com o que a Sara diz, com as opiniões e com a forma como descreve a evolução, em negativo, da Ana.
    Hoje em dia só vou ao blog para participar em passatempos e nessas alturas vejo o look do dia. E não é so ela que se vende…infelizmente também vende o vosso filho. No blog Pipoca mais Dois só aparecem post com referência a marcas que vos oferecem coisas….enfim é triste.
    Mas também é triste que a Ana se tenha tornado a Sofrida dos Blogs, alimentando discussões nos coments em detrimento de comentários fundamentados. Por algumas vezes comentei no look do dia o estilo ou alguma peça, com educação,devidamente fundamentada como fazia comparações e identificada e esses comentários nunca foram publicado. Mas também já testei ser brejeira e anónima e aí sim já foi publicado o coment para haver a legião de sofridas a discutirem no blog.
    Se tem um “professor de blogues” em casa a Ana devia aprender mais consigo!

  8. Acho sinceramente que está com muita inveja da Pipoca e parece-me que o que quer é saber da vida pessoal da Ana, sabe o que lhe digo se não gosta do rumo do blog, por que raio continua a ir espreitar… respeito parece ser coisa que não lhe assiste!

  9. Também sou das que segue o blogue da Pipoca há muitos anos. Não quero aqui fazer críticas à Ana como pessoa, se é snob se não é (nem acho nada que seja, de tem muito ou pouco dinheiro, isso a mim não me iinteressa nada… O que me interessa é a Ana bloguer, e essa está realmente bastante diferente. Antes eu abria o blogue da Pipoca ao mesmo tempo que o e-mail ou assim…tinha avidez em ler os textos, sempre tão cheios de graça e certeiros. Mas hoje tenho de dizer com algum desapontamento que até me esqueço de que o blogue existe porque nos últimos tempos parece uma montra. Não dá gosto. Aliás, para mim perdeu um bocadinho o encanto quando a Ana passou a dar a cara e a mostrar os outfits. Eu não via o A pipoca mais doce como um blogue de moda e tive pena que passasse a ser um. Não era nessa frente que a Ana ganhava mas sim nos textos!

    Eu não tenho receitas mágicas porque se a Ana vive em boa parte do blogue tem de o fazer render, mas eu tenho mesmo pena de que o blogue se tenha tornado tão superficial e com tão pouco sumo.

    Não sou radical, sou apenas uma leitora que gostava muito do que lia e que agora se lembra muito pouco de que o blogue existe.

    Ana, no meio de muita gente doida, ruim e invejosa, há pessoas que gostam muito de a ler e que têm saudades dos verdadeiros tempos da Pipoca mais doce. Beijinhos!

  10. Sejamos honestos, os blogs não interessam para nada. Só cá vim mesmo para dizer isso: Tempo que perco a ler blogs: ZERO!

  11. Então se não ja distinção das pessoas do social para as “normais” e se a Ana se dá com qualquer pessoa, se eu lhe mandar um e-mail a dizer que o blog é fantástico, a Ana também vem ter comigo para a conhecer?

  12. Cara Rita. Eu conheci a Margarida Rebelo Pinto por intermédio da minha mulher. E ela conheceu a Margarida Rebelo Pinto porque um dia ela lhe ligou a dizer que tinha lido o blogue dela e tinha achado o máximo, e quis conhecê-la. Está a ver como as nossas verdades indiscutíveis podem ser apenas fantasias?
    Depois, e como em qualquer casal, a minha mulher é muitas vezes muito mais simpática para os outros do que para mim, ou para quem convive com ela todos os dias, por isso, a segunda parte do que escreveu também não faz sentido.
    Eu cá divirto-me muito mais com as respostas, a ironia, o sarcasmo que ela usa no blogue do que nas conversas que temos no dia a dia, que são normais, como as de qualquer casal.
    Quanto a mim, obrigado pelo elogios.
    Beijinhos

  13. Eu não percebi nada de blogs, mas a verdade é que enquanto um assunto me desperta interesse, faço por acompanhar o seu desenvolvimento. Quando deixo de me identificar com esse mesmo assunto, arrumo para canto e sigo para outras coisas.
    Porque não fazem o mesmo e, já agora me dizem onde posso comprar umas ceroulas, porque aqui ainda está um frio do catano?!!!

  14. Gabo a paciência da Pipoca e do Arrumadinho! Pessoas, são blogues pessoais. Cada um escreve o que quer, sobre o que quer e quando quer. Se já não gosta do blogue tem direito à sua opinião, mas é só uma opinião. Acalmem lá os nervos!

  15. Olá, sou nova por aqui e adorei o teu texto. Relata exactamente aquilo que é sem criticar ninguém. As coisas são o que são, se as pessoas não sabiam que funcionava assim, então não andam atentas. O que se passa é que o ressabiamento geral está a ficar cada vez maior e tudo é razão para reivindicar. Eu também tenho um blog, gosto de escrever e escrevo o que me apetece e sou só eu a geri-lo. Não tenho parcerias, não vou a encontrinhos porque, sinceramente, tenho mais que fazer.Tenho poucas visitas diárias e poucos seguidores e estou-me nas tintas, pois os poucos que passam são espectaculares. O que importa mesmo é a malta ser feliz. Beijinho

  16. oh meu deus… só não percebo porque é que a Sara se dá ao trabalho de ler e analisar um blogue que não gosta, dando tanto importância a uma pessoa que não gosta. no nosso dia-a-dia é até normal sermos obrigados a “conviver” e a levar com quem não gostamos, agora na net?? vá ler outro blogue e seja feliz!

  17. Mas a questão é mesmo essa: este blog já me fez rir muito, já me identifiquei com muita coisa escrita pela Ana, já comprei os clinex’s todos que outrora a Ana recomendava e a questão é que a Ana cresceu e eu também e se antas chorava e me identificava com os textos sobre os fins do namoro hj em dia gostava de me identificar com os problemas conjugais. O que aconteceu é que este blog “nao cresceu” este blog mudou totalmente a sua essencia; a questao é essa. Parece outro! O que a fez ganhar popularidade e protagonismo foram os textos de antigamente…

  18. Ter um blog que não é escrito pelo próprio?Confesso que desconhecia,mas como sou uma ignorante nestas coisas entende-se,agora pergunto então onde fica a autenticidade do que lá está escrito que para muitos como eu acreditamos ser do próprio,chamo a isto embuste acho mesmo que é moralmente miserável,a partir de agora olharei para os blogs e blogers como uns farsantes sem qualquer valor que assumem a identidade de algo que não lhes pertence. PS.claro está que não englobo o Arrumadinho nesta apreciação,como em tudo na vida á sempre as excepções(felizmente).

  19. Sara eu tb sigo o blog há muitos anos e ainda bem que mudou tudo muda na vida e ainda bem as pessoas crescem para melhor ou pior mas quem somos nós para opinar sobre a vida dos outros
    só pq tem um blogue
    penso que não
    h´textos que gosto outros que não gosto como tudo na vida
    tenho 53 anos não escrevo muito bem sou pobre financeiramente mas sou uma rica mulher
    não posso comprar para a minha filha tudo o que queria que a Pipoca mostra mas gosto de ver e de saber
    quanto aos numeros quero la saber eu gosto eu vou lá todos os dias e já me fez muito feliz numa altura dificil quero lá saber se é quem tem mais visitas para mim é importante e como eu tenho a certeza que para outros
    ah e a casa dos segredos eu sei que não é ótima tv mas eu gosto distrai me e não é por isso que sou menos pessoa
    desculpe o incomodo
    Boa tarde

  20. Mas a Sara conhece, por acaso, o meu círculo de amigos para saber com quem é que eu me dou ou deixo de dar? Tenho amigos que são figuras públicas, da mesma forma que tenho amigos – a maioria – que são pessoas totalmente anónimas. Até assumo que posso ter um ar distante para quem não me conhece (muitas vezes mais por estar completamente distraída ou por ser reservada em ambientes que não conheço, do que outra coisa), mas quem me conhece sabe que a última coisa que sou é snob e arrogante. E, lá está, a Sara não me conhece, não priva comigo, por isso aquilo que acha não é uma verdade absoluta. É só aquilo que acha. Já agora, diga-me lá nomes de pessoas com quem eu me dou porque me convém. Gostava de saber.

  21. Esqueci-me de dizer, sobre a Vanessa, que o que ela faz não é uma novidade lá fora. Nós é que temos tendência a ser pequeninos.
    Não acho particular interesse no “Frederica” mas isso de ela dar a cara e alguém tratar dos conteúdos é a forma profissional de tratar do assunto, por exemplo, nos Estados Unidos.
    Também acho que foi só ingenuidade dela e maldade dos outros.

  22. Já tive oportunidade de comentar no blog do próprio Cláudio Ramos o que aqui vou dizer. O maior problema do Cláudio (além da evidente falta de humildade) é comunicar de maneira diferente, dentro e fora do blog.
    A imagem que ele transparece em televisão, inclusivamente nessa reportagem, é a de um comunicador aberto e afável. No blog é uma pessoa arrogante e intolerante, sobretudo, à opinião dos outros.
    Para além disso é uma pessoa com fraco poder de argumentação e cai sempre na resposta fácil da “inveja”. Tudo para ele se resumo a inveja.
    Essa falta de coerência na sua imagem dentro e fora do blog, associado à falta de conteúdos do próprio blog, creio que contribuem para uma imagem vazia e desinteressante do próprio Cláudio. Quando penso que muitas outras figuras públicas possuem blogs como forma de se publicitarem positivamente para o exterior, não penso no Cláudio porque acho que ele faz uma má gestão da sua imagem através do blog.
    E não conheço o número de visitas mas, honestamente, não há nada naquele blog para ver uma segunda vez. Nada de divertido, didático, inteligente, informativo ou, até, de mero entretenimento, que fidelize um público.
    Mas isso digo eu, que não percebo nada de gestão de um blog.

  23. Dou os parabéns ao Arrumadinho e à Pipoca por terem estômago para aturar estes “desabafos” das pessoas.
    Elas realmente não percebem que se a Ana deixou de escrever certas coisas é porque aturar esta gente é realmente um jogo de paciência. E que é precisamente por causa deste tipo de comentários que o blog, em parte, mudou.

    O Ricardo deve estar super orgulhoso da pessoa com quem casou, porque qualquer uma destas pessoas não deve ter a mínima noção, nem a centésima parte do “estofo” que vocês têm que ter, para ouvir e lidar com pessoas sempre a criticar e a ofender… E depois dizem que a Ana responde mal (até dá vontade de rir, porque ela responde com bastante fairplay).

    Vê-se perfeitamente que a Ana é muito bem disposta, bem humorada, uma mãe fantástica, uma inspiração de pessoa e não a conheço…

    Que pena, porque gostava realmente de a conhecer.

    Parabéns aos dois!

    E também tenho pena que os textos aqui sejam de lés a lés… mas compreende-se que a NIT ocupe e exija muito tempo. É sempre uma alegria quando vejo um novo texto. Ates de o ler, já sei sempre que vou gostar.

  24. Boa Sara!

    Se dizes que ela continua a escrever sobre a vida dela e que os passatempos não são assim tantos bla bla porque é que ha dias mal fez um texto (dos antigos) choveram comentários a dizer “pipoca voltaste” “saudades destes teus textos” “ah tas de volta” etc etc

  25. Sejamos francos… A Sara só disse aquilo que eu e muita gente pensa.

    Leio o blog da Pipoca há cerca de 5 anos e são notórias as diferenças. Aqueles posts que suscitam mais debate são sempre repletos de sarcasmo da parte dela, algo de que a Ana detesta ser alvo. São esses que aumentam as visitas e, por consequência, a publicidade. Tudo o que é conotado com alguma qualidade (e e…) vai para livro.

    Se a Ana mudou, os leitores e a capacidade de análise também. Parece-me é que ainda não se apercebeu da última parte. Há por aí blogues em que não há publicidade impingida e com textos de qualidade. Exemplo? Not So Fast Blog.

  26. Cara Sara. O snobismo não se avalia pelo “dar ares de”. Classificar uma pessoa de snob implica conhecê-la. Pode dizer que “parece snob” — há imensas pessoas que me parecem snobs. Não pode dizer “é snob” pelo simples facto de que não conhece a pessoa e nunca privou com ela.
    Por outro lado, é verdade que os números nem sempre representam qualidade, mas o contrário também se aplica: há produtos bons e vistos por milhares de pessoas. O ser popular ou muito lido não significa que não presta, significa que há muitas pessoas que consomem (logo, parte-se do princípio que gostam).
    Mais uma coisa: não me considero nada snob, mas também não me dou com toda a gente. Sou apenas tímido. Posso estar num sítio e não falar com ninguém apenas porque faz parte do meu feitio, e não por ser snob. Lá está, isso pode gerar essa percepção, mas essa percepção pode não corresponder à realidade. Não tome por verdade tudo o que julga ser verdade.

  27. Voltamos ao mesmo: os numeros subirem nao traduzem qualidade. O chines vende mais que sei la o que e a qualidade é uma merda.

    A casa dos segredos esta sempre a subir e a qualidade é zero.

    Tu és snob por so te dares com quem te convem. a data de pessoas que conheceste tem que ser assim e assado nao te das a qualquer um como se ha onze anos atras, fosses alguem!

    A resposta que deste corroborou tudo o que disse :)))) muito obrigada!!!

  28. Sara, a sério? Ainda não ultrapassou essa coisa de Cabo Verde? Já se queixou no meu blog, agora vem queixar-se aqui, já passaram cinco anos, mulher, respire, deite isso para trás das costas! A memória que tenho desse fim-de-semana foi de me ter divertido imenso, de ter conhecido uma data de gente, de ter feito imensos contactos, alguns deles que ainda mantenho. Já a Sara, que nem sequer falou comigo, achou que eu tinha “cara de superior e de snob”, e por isso traçou logo todo uma imagem. Ah ah ah ah! Tão bom! Ou seja, já não devia simpatizar muito comigo, e como eu não devo ter andado por lá a rir-me para toda a gente com quem me cruzava, então pronto, reforçou a sua ideia de que sou uma snob, superior, blá blá blá. A sério, ultrapasse isso. E já que gosta tanto de inquéritos e está sempre a dizer “pergunte às outras pessoas”, eu digo-lhe o mesmo: pergunte às pessoas com quem eu efectivamente convivi nessa viagem se me acharam snob ou com a mania de superior.

    Quanto ao resto, nem me vou dar ao trabalho de lhe responder. É óbvio que não tem capacidade para ver que o blog evoluiu nestes últimos ONZE anos (foram onze, não foram dois), que eu já não tenho 23 anos e que, obviamente, não sou a mesma pessoa. Se ganho mais agora? Claro, mas fruto do meu trabalho. Se o meu blog está diferente? Claro, mas não podia ser o mesmo. Se há mais textos publicitários? Claro, mas nunca deixou de haver dos outros. Se a Sara gosta mais ou gosta menos? Isso já é problema seu. Os números falam por si, o blog tem vindo sempre a crescer em todas as suas plataformas (Facebook, Instagram). Sou feliz e a Sara devia tentar fazer o mesmo, em vez de assumir essa postura de velha rezingona e de mal com a vida e com o mundo assim em geral. Não gosta do meu blog? Tem óptimo remédio, há outros 50 milhões, melhores e piores. É escolher.

  29. Por causa do texto do Cláudio onde chamava nomes a várias pessoas, deixei de o seguir, ler e ter no meu facebook. É assim que exprimo o meu descontentamento em relação aos bloggers. Em relação ao da Vanessa não o sigo porque não a vejo como blogger e o conteúdo não me interessa.

    Sou da mesma opinião que o Arrumadinho.

  30. Ainda bem que voltou Arrumadinho! Concorde ou não consigo (nunca dá para ser a 100% , não somos todos iguais), gosto sempre de ler os seus textos. Obrigada.

  31. Claro que é verdade o que a Sara diz! A tua mulher é uma nojentinha com a p*ta da mania. Se não fosses tu nunca tinha chegado onde chegou nem tinha chegado ao social porque nao foi a blog que a apresentou a Margarida Rebelo Pinto, por exemplO.

    É normal que contigo e com as pessoas que lida seja simpatica, o desespero para casar era tanto que quando te “encontrou” – alguem com paciencia para atura-la e aos dramas e traumas – só tu mm, claro que ela ia dar o melhor de si.

    Mas a educaçao/simpatia/humildade das pessoas não se vê com os amigos/família, para esses somos sempre TOP. Ve se é no convivio do dia a dia, ou pelo blog pelas respostas ressabiadas que ela dá.

    Tas muito mal “empregue”, és um senhor! Nao tens nada a ver com a tua mulher. Sempre simpatico, bem disposto, de bem com a vida… claro que as nossas opiniões sao virtuais mas sao as que temos e como a vossa escrita tem sempre cunho pessoal…

  32. Eu acho que quando se gosta de ter um blog muito se deve ao facto de podermos escrever o que nos vai na alma, sobre assuntos que gostamos. Partilhar ideias, opiniões, coisas inspiradoras. Se alguém escreve por nós, então onde está a piada, a parte divertida de ter um blog? É só pelo dinheiro? Então não chamem blog, chamem site, chamem marca, o que quiserem.

  33. “Antes demais,”- Antes demais?
    Entrei aqui, por estar em destaque no Sapo e também vi a reportagem e tive curiosidade de ler. Tanta pobreza de espírito e tb muita inveja.

  34. Boa Tarde:

    Diz que é professor de blogues…
    Posso perguntar como é isso? Ou seja, dá aulas em que contexto, em que plataforma, ensina o quê exatamente?

    Para quem quer que o blogue funcione de mais maneiras que as habituais, as perguntas que lhe faço fazem sentido.
    Se puder, responda.
    Agradeço a ajuda que consiga granjear 🙂

    Vasco

  35. Também estranhei quando a jornalista referiu as 100.000 visitas diárias do “Eu, Cláudio”. Pelo valor total de visitas do blog em questão era fácil de perceber que não era de todo verdade.
    Acho que o Cláudio fez bem em corrigir o erro, mas acho que não o fez da melhor forma. Aquele post em jeito de resposta aos tais “invejosos” (?!) e “medrosos” (?!) é de uma arrogância extrema e revelador de pouca humildade. Para além de sobrevalorizar o seu blog (a meu ver), menospreza os blogs mais recentes (“gatos ranhosos”?! hum? oi?).
    Eu (como blogger recente, se é que posso tratar-me como tal), há uns meses para cá, tenho o mesmo número de visitas mensais que ele tem, não tenho tantos anos disto como ele faz questão de se gabar, e não é por isso que ando aqui armada ao pingarelho, ou que acho que sou melhor que a blogger x ou y. São apenas números, valem o que valem.
    Humildade fica sempre bem e este tipo de resposta dada pelo blogger (ou comunicador, como ele diz) em causa era completamente desnecessária.

    No caso da Vanessa Martins, e no meu ponto de vista, não consigo vê-la como uma blogger daquelas mesmo à séria quando realmente tem nnn pessoas a trabalhar no blog. É óbvio que tem a sua quota parte de trabalho, não digo o contrário, mas não parte tudo essencialmente dela. Quando entramos no “Frederica” não se sente aquele ingrediente que eu tanto aprecio, o “pessoal”, a “essência”, a “personalidade” que quem dá vida ao espaço. Mas isto sou eu que tenho preferência por blogs pessoais, que tanto falam de um determinado assunto como partilham pedaços das suas vidas. Que podem ter a vertente comercial (que é perfeitamente normal quando, no fundo, o blog é a fonte de rendimento), mas não descuram da vertente pessoal.
    Talvez seja como dizes, a Vanessa (entre outras) é blogger, diferente, mas é e contra isso nada a dizer.

    Mas agora pergunto: é justo comparar uma blogger que tem as mais variadas facilidades, incluindo o ser figura publica, onde, talvez, 50% do trabalho não parte dela, com uma blogger completamente anónima que se esforça, que luta e que trabalha para conseguir passar algo de positivo a quem está do outro lado e que realmente dá vida ao blog?
    Acho que são níveis completamente diferentes e que não podem ser comparados, mas um não é, nem pode ser, mais ou menos que o outro. E o que senti por parte de algumas bloggers em relação a esta entrevista foi isso mesmo, a injustiça de não verem o seu trabalho reconhecido quando outras “bloggers” são vistas como de “sucesso” quando não “dão o litro” e nem lutam, verdadeiramente, por isso.

    Tocando no assunto publicidade, na minha opinião é um factor que contribui bastante para o crescimento de um blog. Não contribui para o sucesso, porque não vejo onde está o sucesso de uma blogger que partilha nnn passatempos e pouco mais (o que não é o caso da Ana Garcia Martins), mas que contribui para o crescimento lá isso contribui.
    Quando me iniciei neste mundinho comecei desde logo a acompanhar os blogues ditos como os mais conhecidos e com mais visitas, porque se assim era, era porque tinham bastante conteúdo e partilhavam “coisas” interessantes. Hoje, não acompanho metade deles, ou basta-me ir cuscar no fim-de-semana. E porquê? Porque o conteúdo é zero ou quase zero. Os posts não vão muito além dos tais passatempos e do anúncio das vencedoras, de publicidade, de partilha de fotos do instagram, de objectos de desejo e não muito mais. Confesso que, muitas vezes, dei comigo a pensar “porra, mas porque é que este blog é dos mais vistos se não tem conteúdo, se não tem um assunto que cative, se mal escreve, se a blogger não dá muito a conhecer de si (pelo que não pode haver aquela coisa bonita do “identifico-em com esta pessoa” por isso interessa-me acompanhar), e se o grosso dos posts são passatempos?”. Daí considerar o factor “passatempos” uma grande ajuda para o crescimento de um blog.

    Posto isto (xiiiiiiiiiça que testamento), é como tu terminas e bem: “há blogues para todos” e ninguém é obrigado a seguir um blogue que não aprecie.

  36. So no ultimo mes é que os textos voltaram (os que nao sao comerciais) em grande! existem varios dias em que o blog so tem textos comerciais – lanço-lhe um desafio: pergunte às pessoas se até ha um mes atras e durante o ultimo ano não foram mais os textos comerciais e os passatempos do que os outros. (Textos sobre a vida dela com duas linhas nao são textos – são mesmo apenas duas linhas). Refira-me aqui os textos da vida dela do ultimo ano e os comerciais e passatempos e veja como é. E as linhas da vida dela ultimamente são o q? Que vai de férias? Que comprou uma mala? Que quer andar de saltos mas a calçada portuguesa é uma porcaria? Pouco mais…Outra mentira que diz é que nos looks 95% é roupa acessivel. É mentira e ja vi comentarios de outras pessoas a lhe dizerem o mesmo. Se calhar ultimamente começou a ter mais atenção mas no ultimo ano essa estatistica nao corresponde a verdade.

    Quanto a ser enjoada, pelas respostas que ela dá nota se logo (tambem pode lançar a pergunta e ver as respostas – se bem que acho um piadão que as pessoas que atacam em anónimo depois são as que defendem com nome haha). E para além disso em 2010 fui a Cabo Verde e fiquei no mesmo Hotel da Ana e a postura dela a cara de superior e snob, foi opiniao generalizada: tem mm a mania.

    E não, não me venha com a conversa que queria que ficassemos amigas e ela não passou cartão porque nao tem nada a ver. É mm a postura dela, o ar de superior. Uma pessoa que ia de autocarro para Madrid e agora só porque é “A” pipoca (como se fosse um supra sumo e superior a alguem por ter um blog, como se ensinasse ou fosse útil em alguma coisa) é um blog do dia a dia fútil (que é o que a malta tuga gosta, basta ver os resultados da casa dos segredos) a malta gosta de lixo e ha o televisivo e o da internet. Para mim chama-se parasita da sociedade. Não acrescenta nada e ganha rios de dinheiro com isso.

    E se o objetivo era escrever no blog o que nao podia escrever enquanto jornalista, entao foi uma “vendida” porque perdeu a essencia do blog. começou-se a dar com esta e com aquela, deixou de poder escrever isto e aquilo e os textos hj em dia sao o que se vê. E ela pode fazer um passatempo hoje e as pessoas so verem amanha depois a amiga diz a amiga e isso justifica os numeros de visitas do dia do passatempo nao serem os superiores. Agora durante uns largos meses era praticamente só passatempos e publicidade – pergunte a outras leitoras.

    Por ter passado a ser a fonte de rendimento, nao significa que tenha que defraudas as
    Pessoas ate pq como ja referi – nem tudo o que da dinheiro e vende é bom. Ou seja, existiam duas alternativas: vender-se por tudo e por nada tendo o minimo criterio possivel nas escolhas e aumentar os numeros de visitas e receitas ou manter se fiel continuar a fazer bons textos se calhar ganhar um bocado menos mas ao menos manter a qualidade. Mas os €’s falam sempre mais alto do que manter a qualidade.

    Sabe que mais? Os textos que ela escrevia, deixou de os escrever para poder po-los em livro que aproveito para dizer de opiniao pessoal e amigas esta uma
    Porcaria porque está forçado.

    É o que o dinheiro faz as pessoas!

  37. A afirmação do sr. Ramos está em consonância com a presunção de muitos que apresentam números completamente desfasados da realidade. O quanto pior, melhor, é uma realidade de muito mau a aderência seria de acreditar. Mas 100 mil por dia? Até porque não estou a ver a maioria d@s interessados no pensamento do sr. Ramos a serem tão intensos clientes de um “Blog”.

  38. Boas!

    Bom regresso, em primeiro lugar.

    Não estava a par desta reportagem até ter lido sobre a mesma noutro blogue. E só aí percebi a confusão que estava instalada. Pessoalmente, acho que a reportagem podia ser melhor. Não sei se existiu esse contacto, e aqui poderás responder, mas acho que seria justo ter a Pipoca nesta reportagem, no sentido de ser a pioneira neste tipo de blogues. Depois, fazia sentido (e aconteceu) ter um blogue de homem e um de uma “celebridade”.

    Podiam ser aprofundadas diferenças entre todos. Perceber o crescimento, a forma como se cresce, a estratégia e tudo mais. Nesse sentido, acho que a reportagem podia ser mais rica.

    Quanto às visitas, os blogues falam por si. Têm os números que têm e que eventualmente os engane está apenas a enganar-se a si mesmo porque essa mentira nada muda no funcionamento do blogue. As pessoas que lá vão são as mesmas, com números adulterados ou não. Vamos supor que esse eventual mentira atrai uma marca. E depois? Quando a marca perceber que não existe o retorno que esperava? Por isso, quanto a números sou da opinião de que não vale a pena mentir sobre os mesmos.

    Quanto à Vanessa, confirmou aquilo que só não repara quem não quer. Muitas figuras públicas encontraram nos blogues uma fonte de rendimento extra e dão a cara por um. Emprestam a sua cara a determinadas marcas, às quais acabam por se associar. Cabe a quem lê perceber a diferença entre dar a cara e alimentar um blogue. E acho que isso é muito fácil de perceber. Não deixa de ser curioso que dentro deste tipo de blogues, os das figuras públicas, existam autores que já acusam os outros de não escrever nos mesmos. E já presenciei isto na apresentação de um deles.

    Por fim, que isto já vai longo, é como dizes, há-de tudo na blogosfera. Quem gosta, lê e acompanha. Quem não gosta, dedica-se aqueles de que gosta, o que não invalida que não critique, desde que seja com pés e cabeça e não com insultos vazios de conteúdo, os conteúdos de que não gosta.

    O pior é que, em muitos casos, as pessoas dedicam mais tempo aquilo de que não gostam e raramente ocupam o seu tempo com aqueles de que gostam.

    homem sem blogue
    homemsemblogue.blogspot.pt

  39. Tenho blog há menos de um ano e, ainda assim, identifico-me com a opinião da Alda. Há uns dias, também comentei esta reportagem polémica e houve imensos comentários em concordância com o meu post.
    Se o autor dos textos não é a celebridade que dá a cara, então esta deveria ser mencionada na 3a pessoa.
    Muitos leitores (os mais distraídos) continuam a acreditar que os seus ídolos escrevem aqueles textos. Tanta ingenuidade…
    E onde está a credibilidade de um blog criado como se fosse um negócio? A publicidade nos blogs funciona devido à afinidade que os leitores sentem pelo autor: confiam nas suas escolhas e nos seus conselhos. Isto não pode acontecer num blog que nem contém textos do próprio “blogger” (lol) e que foi criado somente para gerar dinheiro.
    (Mas o povinho continua a engolir esses relatos com todo o prazer, num país em que uma cara conhecida parece valer mais do que a inteligência. Basta ver o conteúdo preponderante na programação da TV portuguesa, ao qual a malta adere com contentamento: ligam compulsivamente para 760’s e ocupam o tempo livre a ver casas dos degredos e outros programas igualmente enriquecedores…)

  40. Lamento discordar consigo. Não acho mal os bloggers terem lucro e afins e fazerem dos seus blogs o que lhes der na real gana. Agora peço imensa desculpa mas a Vanessa não é blogger, ela faz plágio usa alguém que tem jeito para a escrita e assina por baixo e isso é muito feio.
    Conheço outras pessoas do mundo VIP que tem blogs e assumem os posts que fazem e os que não são feitos por elas assumem quem os fez…

    Já agora vai me dizer que é bonito publicar um livro onde o seu nome consta como autor e não escreveu nem sequer uma linha… Chegou ali pegou num escritor pouco conhecido, sacou da nota verde e diz escreva ai um livro giro sobre moda e dia a dia e como lidar com gajos.
    E no final ela dá o nome e a cara e diz que esteve horas a volta do livro. Por favor…. isso é um crime e uma falta de respeito para os escritores…

    Como blogger iniciante que sou também o acho… prefiro ser eu… com erros e afins do que ser uma pessoa falsa como a Vanessa.

    Uma coisa era a Vanessa dizer que tem alguém que lhe edita ou corrige os textos, sim porque nem todos somos deuses na escrita e eu que o diga.
    Alias quando se publica um livro existe todo um processo de edição do texto original… mas existe diferenças entre escrever e ser o dono do texto e este ter sido editado ou corrigido… de ter alguém que o escreva na integra e eu dar a cara…

  41. Desculpa, mas isto não é opinião é facto: se não escreve os textos não é um blogger. Não tem um blog, tem um site sobre si.

    Acho lindamente, não faz mal nenhum, não tem menos valor por isso, só não é blogger. Temos de chamar as coisas pelos nomes certos.

  42. Olá Sara. Antes demais, é importante separar o que são factos daquilo que é a sua opinião. Factos são factos, opinião é opinião. E a Sara apresenta como verdadeiros alguns factos que não o são, como quando diz que a Ana já esteve “meses e meses” sem escrever um texto, só com passatempos e textos comerciais. Não é verdade. Faça o exercício de ir ver o blogue semana a semana e verá que há sempre, sempre, textos sobre a vida, dela, dos outros, vida de casal, de mãe, de hóbis, o que quer que seja. A diferença é que antigamente os textos eram todos assim, e hoje não são. Continua a haver esses textos, como há outros, os tais comerciais, e que são a fonte de rendimento de uma blogger profissional como a Ana. O trabalho dela é ser blogger, a principal fonte de rendimento que tem vem do blogue, logo, é óbvio que tem de escrever estes textos – é assim com todos os bloggers profissionais no mundo, não é um fenómeno exclusivo dela.
    Também não é verdade quando diz que mostra “mil roupas caríssimas”. Se analisar com atenção, em 95 por cento dos looks que ela apresenta há peças para todos os preços. Roupa da H&M, da Zara, da Mango, da Primark. Depois, sim, pode haver uma mala mais cara, uns sapatos mais caros, mas lá está, voltamos à discussão do dinheiro, o que é caro para uns não é para outros.
    Diz também, como se fosse um facto, que o blogue dela só tem visitas por causa dos passatempos. Como diz que ela começou a subir na vida depois de ter casado comigo (e que se começou a dar com outro tipo de pessoas). Nada disto é verdade. As visitas no blogue da Ana são crescentes. Todos os anos crescem. Os passatempos são uma coisa recente. Curiosamente, não são nos dias dos passatempos que ela tem mais visitas, o que de certa forma ajuda a contradizer o que apresenta como factos. Relativamente ao casamento comigo, posso dizer-lhe que a Ana começou a ter uma vida melhor a partir do momento em que se dedicou em exclusivo ao blogue e deixou o jornalismo, onde ganhava mal. A partir daí, começou a ter mais poder de compra e a poder dedicar-se mais ao seu próprio negócio. Conseguiu criá-lo e fazê-lo crescer. Nada disto teve a ver comigo ou com o casamento.
    Quanto à arrogância, o querer ser VIP, o achar-se superior, isso são tudo opiniões suas sustentadas não sei bem em quê porque não a conhece pessoalmente e não priva com ela. Quem a conhece sabe que isso é totalmente disparatado.
    Como marido, e professor de blogues, acho que a Ana está a fazer um trabalho notável e exemplar. É um modelo para milhares de blogues, é um case study em universidades (e isto é verdade, não é figurado), é o blogue referência em Portugal. Quanto a isso, nada a dizer.

  43. Já tínhamos saudades dos teus posts arrumadinho! Isto sim, é um blogue que vale a pena ler. Nunca tinha ouvido sequer falar do blogue do Cláudio Ramos, nem tenciono “pôr lá os pés”, muito sinceramente. Quanto ao da Vanessa Martins, bem me parecia que aquela escrita não podia ser dela. Nada contra, mas a forma como ela fala em televisão e a forma como escreve não são compatíveis. E isso é já motivo para nunca mais lá ir. Blogues autênticos, pessoais, isso sim. Não vás outra vez embora 🙂 beijinho

    Inês M.

  44. Compreendo os casos em que há toda uma equipa a trabalhar num blogue além da pessoa que dá a cara. Mas confesso que quando descubro que assim é perde um bocadinho o encanto. Até porque uma das coisas que mais aprecio num blogue é o seu toque pessoal.

    Em relação à polémica do Cláudio Ramos, acho que todos nós conhecemos (eu, pelo menos) alguém que acha que tudo e todos têm inveja e são pequeninos só porque discordam de algo que consideram não fazer sentido. Por vezes, é uma situação que me leva a pensar que os que mais se queixam que todos têm inveja de si, por tudo e por nada (principalmente por nada), são os mais invejosos.

    http://janeiroemparis.blogspot.pt/

  45. Bom dia

    Vi reportagem e também fiquei a rir das visitas do Cláudio Ramos…agora intitular quem comentou um erro televisivo como invejoso, não caiu muito bem.
    A Vanessa foi infeliz no seu comentário, já todos sabemos que o blog dela tem uma equipa toda por trás, já o da Cristina Ferreira é e ela faz questão de dizer sempre isso, mas a Vanessa devia ter sido mais cautelosa.
    Estou nisto à pouco tempo, quase a fazer um ano e sei o que custa escrever um post diário (por vezes não consigo pois implica tempo, estudo, tratamento de dados/fotos), tempo que agoro é cada vez mais curto…mas quando o faço, faço com alegria, amor e dedicação, e quero crescer mais, sim quero, mas vai ser no meu mundo pequenino 😉
    Abraço
    Ioana Santos
    Io Healthy Kitchen

  46. Concordo com tudo o que dizes menos com a maneira como concluis:na minha modesta opinião um blogger escreve um blog…se paga a outros para fazerem o blog, não é blogger, é apenas um contribuidor para o blog. É o mesmo que eu “escrever” um livro, ser conhecida como a autora do livro, escritora portanto, e depois dizer:”Ah, é verdade, eu só tirei a foto para a contracapa e escolhi as cores da lombada, na verdade foi o Manuel que escreveu o livro”. Mas isto é apenas a opinião de quem ainda é do tempo em que os blogs… eram mesmo só blogs 🙂

  47. Tu como professor de blogs, concordas com
    o rumo que o blog da tua mulher estava a levar? Só com publicidade e passatempos? Apesar de todo o amor que põe nos textos de publicidade (se metesse aos bolsos os valores que ela mete, tambem colocaria um amor enorme em cada texto). Mas não concordas que os numeros dela (hoje em dia) são altos apenas porque ela faz passatempos e não propriamente pelos textos maravilhosos e incriveis que escreve? Costumo fazer uma analogia com a Casa dos Segredos: também é uma porcaria, mas a verdade é que os números estao sempre a subir, até que depois as pessoas enjoam de verem arroz e as ultimas casas ja nao tiveram os mesmos resultados que as primeiras. Noto que é isso que acontece com a Pipoca: começou muito bem, foi ganhando terreno, aumentando visitas e chegou a um ponto de tal snobismo e arrogancia por parte da Ana, que já so viamos mil roupas carissimas e textos sempre com publicidade e passatempos. Meses e meses sem um único texto sem uma nota de rodapé (este texto foi escrito em parceria com…) e começaram a valer lhe os passatempos que a ajudaram a manter os numeros ate que agora decidiu voltar a escrever textos decentes e normais. Eu acompanho o blog desde o inicio e lembro-me dos dramas dos namorados da Ana e dela aos 27 anos achar que ter ficado 9 meses sem ninguem entre ti e o ex tinha sido imenso tempo, lembro me das viagens para Madrid de autocarro etc etc ela esquece se que foram esses mesmos textos que a projetaram e fizeram com que as pessoas em certos dramas (e nao so), se identificassem com ela e foi por isso que e o blog cresceu. Acho que começou a querer ser ViP, depois de ter casado ctg começou a dar-se com pessoas que nao se dava e a ter poder economico que nao tinha e a humildade e postura dela mudaram completamente. Parece aquelas novas ricas que agora se acham superiores e nós somos todos uns probetanas. Ha um texto no blog ha uns anos que ela diz que escolheu o nome, em conversa com um ex namorado e ha tempos numa entrevista disse que foi ela que o escolheu pq gostava de pipocas lol até mentirosa ficou.

    Como professor e blogger achas que foi assumido o rumo certo? Vale a pena vender “podridão” porque se os numeros sobem é só o que interessa? Aprecias a arrogAncia da tua mulher, muitas vezes nas respostas que dá ou até pessoalmente sempre com cara de enjoada.

  48. Vi essa reportagem agora a pouco porque meu marido deixou a página aberta aqui para eu ver e fiquei impressionada com esses 100 mil por dia.
    Criei um blogue hà mais de 4 anos, mas por coincidência, só hoje comecei a me dedicar a isso. Estou em Portugal uns 10 anos e como recebo amigos e parentes e sempre tenho que ficar dando dicas de lugares para visitar e onde comer bem em Portugal, que decidi falar sobre isso. Darei várias dicas e sugestões a quem quiser visitar Portugal pela primeira vez. Não sou profissional da área e nem tenho pretensão de ser celebridade, apenas penso em ajudar amigos e a quem interessar, mas que quando vi o Claudio Ramos dizer que tem 100 mil visualizações por dias, achei logo que ele estava aumentando um ponto, como dizemos no Brasil….

  49. Na minha opinião, a Vanessa não pode ser chamada de blogger a partir do momento em que não escreve o mesmo. Pondo esta questão de parte, o que mais me chocou foi ela ter dado a entender (de forma bastante directa) que não existem blogues de interesse em Portugal, que todos os que ela seguia e gostava eram estrangeiros, pelo que ela quis preencher uma lacuna nacional com o blogue dela. Achei de muito mau tom e acho que a Vanessa deve ter pesquisado pouquíssimos blogues portugueses porque há de facto pessoas a fazer, tão bem ou melhor, o que ela faz e com um staff muito mais pequeno.

  50. acho o blogue do Cláudio Ramos terrível, mas não sei como o tirar da minha lista no blogger e continuam-me a aparecer as atualizações 🙁 às vezes vejo posts que me fazem mesmo pensar que ele não tem nenhuma noção do ridículo

DEIXE UMA RESPOSTA