A idade e os filhos

94
17895

A pressão social que muitas mulheres sentem para terem filhos é uma coisa que me transcende um bocadinho. Se há algumas que aos 20 já sonham ser mães, e que sentem uma verdadeira vontade de chegar à fase das fraldas, das roupinhas, das papas, há outras que não, que não pensam nessas coisas, que não acham particular graça a isso, que não se sentem preparadas para a maternidade. Só que muitas vezes essas mulheres são empurradas para isso pelas amigas que já são mães, pelos pais que querem netos, pelos avós que acham que já vai sendo idade, pelos colegas de trabalho que vão mandando bocas, por elas próprias, que acham que se não forem mães aos 30 e poucos nunca mais o serão. Muitas vezes os filhos são fruto dessa pressão e não de um sentido desejo dos pais (ou da mãe).

Felizmente, hoje em dia já se está a esbater um pouco aquela ideia parva de que quem não quer ter filhos é egoísta. Eu sou pai, sei o que um filho pode fazer por nós, sei o que é esse amor incondicional, o que acrescenta à nossa vida, mas não tenho nenhuma razão para apontar o dedo a quem prefira levar uma vida somente a dois. Se é uma opção consciente, então, óptimo. Claro que, um dia, pode arrepender-se, e pode vir a ser tarde (essa é a única desvantagem, porque quem tem filhos não se arrepende – não conheço um único pai ou mãe que diga que está arrependido de ter tido um filho). Mas terá levado a vida que quis, numa opção livre e consciente.

Chateia-me tanto as mulheres que se deixam condicionar pela pressão social, como as pessoas que pressionam. Cada pessoa deve conhecer o seu timing e agir conforme aquilo que sente. E isso deve ser respeitado. Ninguém precisa de dizer a uma mulher que ela “já tem 38 anos”, porque ela sabe, nem que se não tiver um filho agora, quando ele tiver 10 anos ela vai ter quase 50, porque ela também sabe.

Os homens não sofrem tanto essa pressão. Os nossos pais podem mandar uma ou outra boca, mas a verdade é que, para nós, a questão da idade não é tão importante. Podemos ser pais aos 30, aos 40, aos 50. Claro que nunca será a mesma coisa, mas também acho que quanto mais tarde os tivermos mais pacientes seremos. Um pai com 28, 29, 30 anos está no auge da sua afirmação profissional, o que, na maior parte dos casos, implica um esforço extra no trabalho, muitas horas fora de casa, e o nascimento de um filho obriga a que uma das coisas seja deixada para segundo plano: ou o trabalho, ou a paternidade. Com 35 ou 40 anos as coisas são diferentes, já existe muitas vezes uma maturidade profissional maior, já se consegue fazer uma melhor gestão do tempo, já não precisa de se provar todos os dias que se tem qualidade e competência para um cargo (claro que continuamos a ter de ser bons profissionais, mas toda a gente sabe se o somos ou não), as solicitações sociais também tendem a ser menores, e, por isso, o tempo e a paciência para ser pai são maiores.

Curiosamente, há dias, em conversa de amigos, falou-se do tema. E a pressão virou-se para o meu lado: “Tu já tens quase 36 anos, se só tiveres um filho daqui a 3 ou 4 anos vais ser um pai muito velho”, disseram-me. O QUÊ? (isto foi a minha indignação na altura).

Ainda que só volte a ter um filho daqui a 5 anos, não acho, de todo, que vá ser um pai velho. Se for pai aos 40, quando o meu filho tiver 10 anos acham mesmo que não vou ter energia para jogar à bola com ele? Ou para o carregar ao colo? Mas há pessoas que acham mesmo que os homens de hoje, com 50 anos, são uns velhos acabados? Ainda há dias corri a maratona ao lado de muitos homens com 50, 52, 55 anos. O vencedor da prova tinha 51. Uma senhora que terminou à minha frente tinha 75.

O dinamismo, a capacidade física e mental, dependem, cada vez menos, da idade, mas de nós mesmos. Ser jovem é uma opção que se toma, muito mais do que uma consequência do passar do tempo. É nisso que acredito. Mas não me limito a pensar nisso – faço por isso, tendo manter-me activo física e mentalmente. E acho que se todos fizessem o mesmo haveria menos gente a sentir-se velha, porque esse, sim, é o primeiro passo para que envelheçamos.

94 Comentários

  1. Fui mãe pela primeira vez aos 38 anos, a minha filha é a melhor coisa da minha vida e voltaria a fazer tudo igual. Mas a idade faz toda a diferença, física e psicologicamente. Concordo que hoje em dia há esta crença na juventude eterna…mas como tudo o que é vivo, nascemos, crescemos, declinamos e morremos!! Não há como fugir a esta inevitabilidade! Não seremos jovens para sempre, nem teremos o vigor dos 20 toda a vida, por muito que o nosso espirito se mantenha jovem!!

  2. Quem me dera que o meu marido fosse assim. Não quer por está velho (45) e pronto.. Eu tenho 40 e queria tanto mais um filho. Mas ele não quer e eu não o posso obrigar…

  3. Tenho 29 anos e perdi o meu pai há 10 meses, ainda com 28.
    Ele tinha 58 anos… de um momento para o outro morreu…

    Essa que o filho aos 40 já não vai ter pai é muito relativo… o meu nem avô foi porque ainda não tenho filhos.
    Enquanto isso ficou cá o meu avô com 88 anos…

  4. BOm Ano! como as suas palavras me reconfortaram, nem imagina.Calhei neste seu blog, por acaso ao ler outro:o da pipoca mais doce!Estou a gostar muito de ler varios posts seus;este particularmente tocou-me pois sinto imenso essa pressao para ter filhos.
    E muitas pessoas mandam "bocas" sem pararem para pensar antes de falar, pois nem sabem se eu, nao tenho porque nao consigo ….muitas pessoas sao crueis e egoistas.Quando se atira a 1ª pedra,sem pensar….enfim.Muito gira a sua ideia das historias de amores/desamores! tb lhe farei chegar uma historia:::Cumps,
    Maria

  5. Eu sou daquelas que se meteu com um c***ão brasileiro, que infelizmente se casou com ele, e depois de apanhar muita porrada, decidi separar-se. Isto porque ao fim de 3 anos ainda não consegui o divorcio.
    E encontrei o amor, do nada, com a pessoa errada do meu lado, mas consegui dar a volta e ficar com a pessoa que amo, pois sou daquelas que não desiste e tinha a certeza que aqui era o meu sitio.
    Embora toda a minha familia soubesse quão má era a minha relação com o c***ão, queriam muito um neto, e eu sempre quis ter um filho, desde muito cedo…
    4 meses depois de estar com o meu grande amor, engravidei, e agora a minha Ju, é o amor da vida de todos…
    Mas foi feita pelo amor dos pais, e não pelo desejo de ninguém…
    Afinal de contas, por mais que os outros quisessem, iria ser minha filha, logo, eu é que sei quando a devo ter!!!
    Não é uma casa, um carro, nem nada do genero, é uma responsabilidade assumida pelos pais para o resto da vida, por isso é a nós que se reserva o direito de os termos quando quisermos.
    Para além de que sou maior e vacinada, e se tenho de arcar com os meus erros, tambem tenho o direito de decidir quando quero ter um filho.

  6. Adorei, inspirou-me..e questiono: Mas andamos todos a passar por isto???e ninguém fala porquê??Arrumadinho vamos criar um grupo de apoio 🙂
    Tenho uma filhota com 3 anos, sou separada e estou há uns meses numa relação com alguém que quer muito ter filhos e…eu não sei se quero ter mais filhos. E a sociedade e a família e tudo e todos pressionam..

  7. Tenho uma filha que adoro e neste momento sinto uma pressão enorme para ter o segundo filho e não me apetece nada:) Tenho 34 anos e já ouço coisas do género, Vê lá estás a ficar velha!!!

    A pressão é quase diária , não há um único dia que marido, avós, pais ou amigos não se lembrem de perguntar para quando o segundo…

    È o que temos!!! O que eles ainda não perceberam é que isso me causa um efeito contrário, quanto mais pressionada parece que menos vontade tenho… Este texto assentou-me que nem uma luva:) Obrigado por o teres escrito faz-me sentir menos sozinha.

  8. As pessoas que dizem que é perigoso ter filhos após os 40 desconhecem que as deficiências acabam por acontecer em idades mais novas uma vez que depois dos 40 se realizam imensos exames de despiste o que não acontece antes dos 35.

  9. muitos comentários referem que quem não quer ter filhos é egoísta porque não quer abdicar de todos os privilégios que a vida sem filhos permite. No entanto usam argumentos como a solidão na velhice. Então ter filhos para cuidarem de nós quando estivermos velhos e doentes é o quê? Colocar filhos neste mundo para satisfação pessoal é egoísta ou não? Todos o somos, os que têm e os que não querem ter.

    Estive casada 8 anos sem filhos, e há 4 meses tive uma menina. Não sinto que a minha vida se tenha alterado drasticamente porque tenho muitas ajudas. Adoro a minha filha mas adorava igualmente a vida que tinha. Não sentimos falta do que não conhecemos e aquele ditado do casal sem filhos é como um jardim sem flores é um disparate total.

    Um aspeto curioso é que enquanto não engravidei diziam-me maravilhas da maternidade, mal engravidei diziam-me "agora é que vais ver, acabou-se a boa vida". É como se não quisessem passar pelos trabalhos sozinhos.

    Ainda hoje continuo a ouvir "para quando o próximo? Têm de ter idades próximas." Não se aguenta!!!

  10. Olá Arrumadinho,

    Gostava que escreveses um post, em resposta às diversas opiniões dos teus leitores sobre este tema.

    Joana

  11. Pois olha, eu se tivesse uma relação estável, tinha um filhote entretanto. Gostava imenso de ser uma mãe jovem, psicologicamente mas também fisicamente. Não me venhas dizer que a vitalidade é a mesma aos 26 e aos 43. E dispensava bem esperar até perto dos 70 anos para ver os meus filhos a acabar a universidade (se decidirem seguir esse percurso, mas de qualquer forma seria por essa altura que teriam a vida profissional a começar a encarreirar)… Nisto (como em quase tudo, de resto), a biologia dá-nos óptimas pistas sobre a altura certa de fazer as coisas, e uma gravidez tardia é indiscutivelmente mais perigosa. Sim, aos 40 anos já é uma gravidez tardia biologicamente falando, lamento. Basta referir que o risco de haver mutações genéticas no feto aumenta muito a partir dos 35. Isto não tem nada a ver com pressões sociais, é a biologia a falar.

    Mas falando das pressões sociais, para o diabo com elas! São egoístas e restritivas, e isso não é aceitável. Nisso concordo, cada um sabe de si. Aliás, convém que cada um saiba verdadeiramente de si e que consequências (boas e más) podem advir das suas escolhas. Não inventemos desculpas esfarrapadas, para depois não sofrermos de arrependimentos evitáveis.

    Joana

  12. Quando eu nasci a minha mãe tinha 42 e o meu pai 52, acho que a idade deles fizeram deles muito melhores pais, sem stress com muita confiança no que estavam a fazer (sou filha única). Adoro ter pais mais velhos porque aprendo imenso com eles mas também porque tem outra visão da vida. E sempre fizeram tudo comigo, brincaram, correram, foram a todos os meus eventos.

  13. Vamos passar a vida toda a ligar ao que os outros dizem?????

    quando acabamos o 12ºano perguntam-nos se não vamos para a universidade, quando acabamos a universidade perguntam-nos porque não arranjamos trabalho na área, quando vamos morar com o nosso namorado perguntam-nos porque não casámos, quando alugamos casa perguntam-nos porque não comprámos, depois os filhos, os colégios, os netos, os carros etc etc …..

    e assim andamos a vida toda a ouvir comentários e sugestões de pessoas altamente sábias e boas gestoras que sabem sempre uma forma melhor de viver a nossa vida e gastar o nosso dinheiro!!!!!! ´

    temos é que viver a melhor maneira que sabemos para sermos felizes e não deixarmos ninguém (nem pais nem primos nem amigos nem colegas) saberem demasiado acerca da nossa vidiinha 🙂

  14. Pois quem não quer ter filhos que não os tenha, estão no vosso pleno direito, agora e para quem os quer/oportunidade de ter tarde lembrem-se que podem surgir entraves nomeadamente infertilidade, e aí podem juntar mais uns 3/4 anos de atraso! Por isso façam pelo menos testes para saber se está tudo ok com o casal e depois decidam.

  15. Concordo completamente. Ainda há muitos idiotas nesta sociedade que pensam que a idade tem que ser um entrave para várias coisas. O que interessa a opinião dos outros, se nós nos sentimos capazes e confortáveis com as nossas decisões?

  16. Assino tudinho por baixo. Quando casei senti essa pressão por parte de toda a gente, coisa que me deixava num total estado de irritação, nada me tirava mais do sério, que aqueles sorrisos amarelos e aquelas perguntas idiotas e inconvenientes de gente que não conhecia de parte alguma, que mal sabiam que eu tinha casado, atiravam-me com um "então e já há bebés". Bolas! Só tinha casado há 6 meses. Acabei por me divorciar e sempre achei que a adopção seria sempre um objectivo de vida. E não descanso enquanto não o concretizar. Quanto à idade, continuamos a viver num país de pessoas que deixam que as chamem de velhas a partir dos 35 anos de idade. Aliás faz-me muita confusão serem elas próprias a dizer bem alto, "o meu tempo já passou, agora estou velho ou velha. E por vezes não têm mais que 40/45 anos. Não entendo.

  17. Olá Arrumadinho
    pois eu sempre fui uma jovem k nunca na vida pensei em casamento nem filhos,sempre fui independente e pensava numa carreira. Dps do curso e respetivo emprego veio o casamento(ahhhhhhhhhhh) como ja namorava ha 8 anos tds perguntavam para quando o casório.Casei pque a familia nunca aceitaria k me juntasse!!! Passados 7 anos comecei a pensar na idade… com 32 tinha que pensar seriamente se sempre ia ou não ter filhos! O meu marido sempre adorou crianças e claro…. engravidei.
    Se amo a mha filha? MUITO mas o nascimento dela afastou-me do meu marido. Tinhamos uma relação de grande cumplicidade mas ele apaixonou-se (c mta razão) pela nossa filha e esqueceu-se de mim…. hoje em dia amamos a menina mas não sei se nos amamos um ao outro. Passados 4 anos estamos a repensar a relação.

  18. Eu acho graça mulheres dizerem aqui que têm 36 anos e pra já não pensam em ter filhos… Ou pq é q existe essa pressão! Really? Depois de tanto se falar em gravidez de risco depois dos 40? E que tal pensarem que aos 50 estão fora de prazo?
    Desculpem a radicadilade, mas a maioria das pessoas sem filhos acabam sozinhas!
    Agora é giro dizer que se está ocupado com a carreia etc, mas um dia mais tarde o arrependimento vai falar. Oxalá as poucas mulheres que querem ter filhos que aqui passaram pelo menos consigam, já que são tão poucas!

  19. Eu simplesmente nao acho normal que alguém tenha filhos porque se sente pressionado. Tb nao acho que pelo facto de as pessoas nos perguntarem "para quando um filhote" seja algum tipo de pressão. Os pessoas ás vezes falam por falar, por tema de conversa. Pessoalmente nunca me senti pressionada a nada. Casei pela igreja porque fiz gosto nisso, tive a minha filha aos 26 porque tb fiz gosto nisso e adoro a maternidade,sempre adorei e mesmo a minha filha nao tendo sido um amor de criar (muitas noites em branco)continuo a achar a coisa mais linda "ser mae". É um amor inexplicável. Tenho 31 e com vontade de engravidar novamente, só ainda nao tentei pela crise pela qual atravessamos que me faz ter muitos receios. Respeito e nao condeno minimamente quem nao quer ter filhos. É uma opção de vida.

  20. Concordo plenamente com tudo o que foi escrito.
    Penso que o ser humano, ao contrário dos animais irracionais, pode fazer as suas escolhas e não tem que agir por instinto. Procriar não pode ser visto como algo instintivo tal como é nos animais irracionais. Um ser humano que não procriou, seja qual for a razão da decisão, não é menos ser humano nem menos completo…Tudo depende da razão da escolha ( ou da imposição). Quem não tem filhos deve arcar com as consequencias de não os ter, da mesma forma que quem os tem deve igualmente arcar com as consequências de os ter. Escrevi esta ultima frase por causa da insistente ideia de que lá no trabalho … ah e tal tenho que ter horário melhor porque tenho filhos e tu não tens …. DESCULPA, eu arco com as consequências de não os ter, mas vida particular é vida particular e aqui somos todos iguais … não sou frio mas é a verdade … ( desculpem o desabafo). Concordo que não se deva pressionar. E para aquelas pessoas que dizem … ah e tal e depois vais ficar sozinho sem filhos … eu respondo … pois, ter filhos não é necessariamente sinónimo de tratarem de mim quando envelhecer … ! Por tudo isto dou os parabéns ao autor, ter ou não ter deve ser uma escolha ( ou imposição natural) consciente, e seja qual for a situação devemos arcar com as consequências.
    Para terminar ( se bem que nada tem a ver com o tema) na região onde moro não encontro o livro aqui publicitado em nenhuma livraria, acho que vou ter que encomendar online.

  21. Paula, (19:22)
    Right on the spot. Parabéns!
    Quanto aos filhos, é simplesmente uma questão pessoal, apenas diz respeito a quem os decide ter ou não ter.

  22. Só li este post (excelente) agora e pus-me a ler os comentários que me pareceram já muitos (66 à data) mas fiz uma pré-selecção excluindo todos os que começam com «sou mãe/pai/casada(o)à n anos». À?! Caramba!
    Pela leitura dos comentários que sobraram se pode ver por que é que as pessoas sucumbem à pressão social. Que é esmagadora, sim. Mas os argumentos são sempre os mesmos:
    – O egoísmo. Não é bonito admitir que as crianças são um fardo. Mas são. Um fardo bom? Claro que sim. Mas há quem não queira esse encargo e não é pior pessoa por isso.
    – A maternidade é uma coisa muito linda que todas as mulheres querem. Mentira. Nem todas querem, não é assim tão lindo nem romântico, não é um chamamento, não é uma epifania. As mulheres não são mulheres só a partir do momento em que são mães. O parto é violento e horrível de se ver e de se sentir. As mulheres que não são mães não são piores pessoas, não são incompletas, não têm nenhum problema. Há opções, não há destinos.
    – A PDI. A idade, sempre a idade. "É melhor ter um filho agora, embora eu não queira, que é pró caso de, daqui a uns anos,eu me arrepender de não os ter tido." A sério? Este argumento surgiu imensas vezes. Ter um filho profiláctico do meu possível arrependimento não é egoísta? É, e muito! Se já for demasiado tarde para um filho biológico, posso adoptar um. Achei muito estranho que não se tivesse falado em adopção (ou então só os comentários com "à" é que abordavam o assunto). O argumento de que pais mais velhos são uma chatice por isto e por aquilo é uma tanga. Há pais jovens que são uns bacalhaus-secos, há pais mais velhos que são uns cachopos, há crianças criadas pelos avós. Carinho não tem idade.
    – O conceito de que a felicidade é a mesma coisa para toda a gente é outro argumento completamente idiota. É possível ser feliz sem ter filhos, sem ser igual às amigas, sem "dar netos" (horrível e mui egoísta expressão que se usa a torto e a direito), sem casar, sem seguir o roteiro. Não ceder às pressões é que faz de nós mais felizes, se definirmos a nossa felicidade a partir de dentro e não a partir do que nos dizem que é suposto.
    E tenho amigos felicíssimos com filhos (e eu por eles e pelos muitos sobrinhos emprestados) e tenho-me a mim feliz sem filhos e sem querer tê-los. E sem ceder a pressões. Nenhumas.

  23. Meu Deus, cada vez me sinto mais seriamente assustada de viver nesta sociedade! Uma sociedade em que uma pessoa de 36/37 anos é retratada como uma pessoa de "certa idade". E é sempre pior no caso das mulheres, em que a sociedade nos diz basicamente que estamos acabadas aos 30 para fazer o que quer que seja. Isto quer dizer que tenho apenas mais 9 ano de vida? ME-DO. Porque a partir dessa idadde começa logo o "até esta bem conservada para a idade…" ou o "é demasiado velha para esse emprego, ha opçoes mais jovens" . Estamos sempre a preparamo-nos para fazer coisas, e viver, e qnd damos por ela ja foi.. e ja nos dizem q somos demasiado velhos para fazer qqr coisa, o q qer q seja…:s nao é so com os filhos…

  24. Pois eu fui mãe aos 27 e 29. A primeira planeada e a segunda não, mas igualmente muito desejada. São 2 meninas e não têm sequer dois anos de diferença… Se foi difícil ao início? Claro, mas com amor e paciência tudo se faz. Hoje tenho 40, tenho uma carreira que nunca descurei, duas princesas que com 11 e 13 anos já se desenrascam em quase tudo e eu ainda sou nova… também para quase tudo!Quem quer… não espere muito…

  25. Porque é que temos que ter sempre uma opiniao acerca de tudo e todos ??!!Acho estúpido mesmo dar opiniao sobre assuntos tao intímos e qualificar de boas ou más pessoas quem tem ou nao filhos …haja lá bom -senso !!!

  26. Será que é assim tão raro encontrar uma mulher que tenha "tomates" para dizer em alta voz o que muitas pensam baixinho :NÃO QUERO TER FILHOS!!!! E agora venha lá a pressão social para ver se eu mudo de ideias, vá, tou à espera!!!

  27. Decidir ter filhos, decidir não os ter, decidir ter filhos em tenra idade, decidir tê-los mais tarde são tudo opções que se fossem tomadas com verdade interior seriam sempre positivas.
    A chave do 'sucesso' de qualquer destas opções é decidir por vontade e em consciência.
    Ah … fui mãe aos 39 e ainda bem que fui muito egoista antes disso. Porque ser mãe é por definição deixar de poder ser egoista. E todo o tempo que tive para mim e só para mim já cá canta …
    Bj

  28. Estou casada à quase 4 anos, tenho 33 anos e o meu marido 47! Não temos filhos e para já está fora de questão tê-los. O massacre é constante em relação a este assunto, principalmente pelo facto do meu marido ter a idade que tem, e que, quando nos decidirmos a ter, ele já vai ter idade para ser avô! a minha resposta é sempre a mesma: " mesmo que decidisse ter agora o que não faltam é avôs com a idade dele, por isso…".
    Por vezes irrito-me e encho-me de responder a essa questão, e opto por outra resposta que arruma o assunto sem direito a mais comentários: "ai não sabias que não podemos ter filhos"! não deixa de ser verdade: não podemos ter filhos por decidimos que para já não vamos tê-los! é sempre engraçado ver as pessoas a fugir do assunto porque percebem que se meteram num assunto delicado e que não lhes diz respeito!

  29. As pessoas não querem abdicar de nada para terem filhos. Depois o tempo passa e na altura em que os miúdos já estariam mais soltos e livres, estão os pais a mudar fraldas, a passar noites sem dormir e a fazer conseções. Não acho nada estranho um casal não querer ter filhos, isso pode até traduzir um elevado grau de consciência do papel de pais. Acho é que muitos não o desejam intimamente e acabam por secumbir anos mais tarde a uma "imposição" social.

  30. Não existe idade para se ter filhos, sejam de sangue ou de coração…..
    Infelizmente a mãe natureza nem sempre concorda e tantos casais a desejar "DESESPERADAMENTE" ter filhos, e outros a terem porque lá esta como dizes é de PRAXE e tantos que nem sao desejados…..
    Se fôr assim, acho preferivel assumirem que não desejam….não condeno! Condeno é os que têm e depois não tratam deles….

  31. Concordo plenamente!
    O meu sogro vai ser pai aos 52 e não acho nada que vá ser pai avô. O que importa é ter saúde, vontade e alguma disponibilidade financeira!

    🙂
    Visitem:
    oneplustwoblog.blogspot.pt

  32. Esta questão é naturalmente polémica.
    Casei aos 28. Fui mãe aos 31. Hoje com 33 acho que foi na altura certa. Claro que sempre sofri pressões, como toda a gente: primeiro o casamento, depois os filhos, etc. Mas aprendi a carregar no "off" nessas alturas e a fazer o que achava que era melhor para mim (e para nós, enquanto casal).
    Embora muitos não concordem, a verdade é que o não querer ter filhos está associado, na maioria das vezes, a algum egoísmo (na minha opinião). Porque queremos viajar, ter tempo para o marido/mulher, dedicarmo-nos à vida profissional a 100%, sair com os amigos, etc. Nada contra. Mas a verdade é que se estamos sempre à espera de qualquer coisa para termos filhos nunca mais os temos. Se ainda temos que conhecer não sei quantos países, se achamos que ainda não vivemos a vida como deve ser, se ainda não atingimos a realização profissional, se…, se…
    É claro que há pessoas que não nasceram efectivamente para ser mães/pais e outras que são e nunca o deveriam ter sido (isto dava pano para mangas). Mas também há, infelizmente, as que tentam ter filhos e nunca conseguem. E para essas, imagino que este assunto seja particularmente delicado.

    Hoje percebo melhor que nunca que um filho nos faz colocar tudo em perspectiva. E faz de nós pessoas melhores, sem qualquer dúvida. É a minha opinião.

  33. Pressão há sempre na nossa vida, para entrarmos na faculdade, para casar, para ter filhos … Neste momento há muitas pessoas a escolherem não ter filhos porque sabem o encargo brutal que isso significa nesta altura de grande insegurança que o país atravessa. Ter um filho não só nos faz abdicar de várias coisas como nos trás também muitas alegrias, porém hoje em dia tem que ser visto como um acto de loucura com tudo o que de bom e de mau isso tem. Concordo quando dizes que aos 30 estamos no auge do nosso desempenho profissional. Neste momento tenho 31 anos e gostava de ser mãe mas vejo todas as dificuldades dessa decisão, estou a contrato e sei que não me iriam renovar se eu engravidasse se bem que uma amiga minha diz que uma criança vem sempre com uma carcaça na boca 🙂

    obrigada pelo post

    xx

    Joana

    https://www.facebook.com/RemodelistaLx

    http://remodelista-lx.blogspot.co.uk

  34. Arrumadinho, o problema de deixar para tarde ter filhos, é na minha opinião os problemas de infertilidade que cada vez mais afectam as mulheres, eu falo nisto por experiencia própria. Nos hospitais publicos só fazem tratamentos a mulheres até aos 40 anos, e quando tentas engravidar não é logo que procuras ajuda, em média normalmente quando se tenta um ano e não se consegue depois procura-se um médico e até termos os resultados todos é muito demorado porque vai-se queimando hipóteses até chegar ao problema. E depois é a fase dos tratamentos que são demorados e se for pelo publico no minimo um ano de espera.
    Enfim é necessário pensar em tudo.
    Beijinhos

  35. Concordo com tudo o que disseste, mas se um casal quer mesmo ter filhos tb há que pensar que uma primeira gravidez depois dos 35 tem tendência a ser mais complicada, os médicos estão constantemente a alertar para isso. Acho é que se o casal não quer ter filhos não deve ceder a pressões de ninguém, cada um sabe de si e da sua vida. Eu fui mãe aos 30, o meu companheiro aos 32, tal como planeámos. Assim, quando a nossa filha for crescida, ainda vamos ter muita energia para correr o mundo a 2:) Há quem escolha fazê-lo antes de ter filhos, e acho muito bem, mas na minha opinião os 30 são a idade perfeita para se pensar em filhos. Já se aproveitou muita coisa boa, e quano eles crescerem ainda vamos estar jovens para voltar a aproveitar, pois quem é pai sabe, que com filhos pequenos há limites nas coisas que podemos fazer, onde os podemos levar. bj!

  36. O meu cunhado casou-se aos 40 e teve logo um bebé. Qui-lo logo, não porque ia ser um pai cada vez mais "velho", mas porque sentia que ia ter pouco tempo com o filho. Quanto mais tarde o tivesse, menos tempo ficaria por cá para vê-lo.

    No meu caso, é a pressão para ter outro filho. POrque a minha já tem três anos e depois não brincam juntos, e porque ficas logo despachada (odeio esta expressão) e coisas que tal. Haja pachorra.

  37. Isso mesmo. Mas simultaneamente não consigo deixar de pensar que eu, filha de um homem que tinha 40 anos quando nasci, morreu cedo e eu tive pai durante pouco tempo.

  38. Bom dia!
    Amo correr por aqui, mas prometo que vou voltar + atenta s/pressões ou quaisquer limitações.
    "Para fraseando" algo, os post aqui são como o bom vinho…
    Até logo.
    Jókinhas

  39. E os avós? Ajuda preciosa! E o q os meus filhos adoram os avós? E ter d cuidar dos nossos pais pq são velhos com os nossos filhos ainda pequenos? A loucura. Mais paciencia c a idade? Nao me parece. Mais dificuldade em ver o nosso mundo de pernas p o ar, de tao habituados às nossas rotinas. Admito q uma mulher a viver o seu sonho nao sinta vontade de introduzir na sua vida um filho c tudo o q isso acarreta. Mas quando essa fase passa aparece esse novo objectivo. E ai que a menopausa aos 50.

  40. há sempre vantagens e desvantagens em qq idade! apresentaste um lado apenas! cada pessoa deve decidir quais as vantagens que pesam mais para si, dentro da sua vida, com todos os contextos! e aí entra toda a variedade individual! incluindo a experiencia da familia, as profissoes, ajudas do casal, etc. eu nao concordo em parte com o dizes pelo facto de ter uma irma mais nova nascida aos 42 da minha mae e ter crescido a observar que a paciência que teve com ela era muito diferente da que teve connosco (curiosamente menor! o que te faz pensar que a idade dá paciencia para filhos?) e que isso condicionou o crescimento e precurso da minha irma. e para alem de menos paciente, penso que foi tambem mais protetora! mas em demasia! ao contrario do que contas, sempre ouvi a minha mae dizer que preferia ter tido a minha irma mais perto de nos, para no auge da carreira (que no caso dela foi e é bem depois do exemplo que das) por volta dos 40-50 anos, estar totalmente dedicada à profissao. nessa altura, ainda se preocupava bastante com a caçula que andava na escola, actividades extra e etc! e ainda hoje vibra demasiado com as peripécias de uma pré universitária que, em palavras dela, ja podia estar "criada"! (entenda-se independente, ou encaminhada!). por outro lado acredito que quando se esta no auge da vitalidade (vintes-trintas) é quando se tem melhor capacidade para gerir carreira com filhos e vida familiar com todas as adaptações que isso implica. alem dos futuros avós que quero q aproveitem ao máximo! e q por mt que idade esteja na cabeça, essa probabilidade aumenta qto mais jovens forem! por isso nao penso adiar mt mais, e gostava que o meu ultimo filho n ultrapassasse os 36,37! mas, como tudo na vida, nunca se sabe! atualmente, estas sao as vantagens que pesam para nós!

    quanto as pressoes, dependem so do valor que se lhes da porque vao existir sempre e em todo o lado! embora concorde que mts vezes as pessoas sao indelicadas! boa discussao! beijinho e continua

  41. Eu estou de acordo com a resposta da "Rosa Cueca".
    Eu tive o meu filho no mês em que fiz 36 anos e não, não me estou a ver ser mãe aos 40 pela primeira vez, até porque geneticamente podem surgir mais problemas nessas idades. Ter engravidado aos 35 já me deu um "bilhete" para uma amniocentese e uma "estadia" na maternidade por gravidez de risco…e estes são alguns "detalhes"!
    Agora com 42 anos não sinto que seja mais paciente do que era há 6 anos ou até há 10.
    Não me parece que o trabalho tenha alguma coisa a ver com toda esta questão, pois temos todos, na maioria, que trabalhar se queremos ter rendimentos e, nem todos trabalhamos em função de subir as "escadas empresariais"…
    Não tive o meu filho por sentir pressão, tive-o sim porque quis ser Mãe!

  42. Anónimo das 20:1), desculpe lá mas esse argumento de que os pais mais velhos vão acabar por não estar presentes o máximo de anos na vida dos filhos também não me convence… Repare, eu nasci em 82 e aos 26 perdi o meu pai. O meu pai nasceu em 1952 e quando eu nasci tinha 30 anos. Agora repare, Dez anos antes do nascimento do meu pai, em 1942, nascia Manuel Casimiro de Oliveira, o primeiro dos 4 filhos de Manuel Oliveira, nascido em 1908 (portanto tinha 34 anos quando foi pai pela 1ª vez). Os 4 filhos segundo consta estão vivinhos "da silva" e ainda têm pai e mãe "para fazer programas giros…" 😛 Portanto, isso da idade é muito relativo, não me faria mudar de ideias.

  43. Tenho 33 anos e fui mãe aos 31. Nunca senti essa pressão dos filhos. Mas a vida é feita de pressões. Desde que nascemos. Então já se senta, já gatinha, já tem dentes, já anda…depois mais tarde: já tens namorado/a, já acabaste o curso, já tens trabalho, já casaste, e o quando é que tens filhos também acaba por aparecer…
    Acho que cabe a cada um de nós tentar lidar o melhor possível com este tipo de pressões.
    Agora quanto à idade de ser mãe/pai, claro que para a mulher há mesmo um tempo limite, fisicamente falando. E com tantas alterações físicas e psicológicas que uma gravidez implica, e tendo já passado por isso, eu não me vejo a ser mãe aos 40. Mas cada pessoa é uma pessoa e cada caso é um caso, acaba por ser injusto generalizar a questão.
    Quando ao não ter filhos, acho que se trata de uma questão de egoísmo, no sentido de que, se não estão preparados para abdicar de certas coisas nas suas vidas, então é mesmo melhor não ter filhos. Tê-los e depois serem os outros a criá-los, acho que não vale a pena.
    Não tenho é certeza de que, principalmente as mulheres que não têm filhos, se quando chegarem a um certa idade não se apreenderam.

    http://chicca-maria.blogspot.pt/

  44. Gostei mais uma vez do teu texto, e tocaste num ponto sensivel, se não tens filhos és velho (a), egoista e tudo o que existe de mal, e claro deves ter algum problema!!!( é o meu caso que não os tenho e já passei a barreira dos 40e quantas vezes já me perguntaram) e quantas mulheres te dizem que não suportam os filhos e que se soubessem nunca os teriam tido, blá, blá.. Quem é mais hipocrita, as que assumem que não querem ou as que tem só porque sim?:).

  45. Estas questão dos filhos,também se prende com o facto de não haver uma idade para encontrar o companheiro ideal, que posteriormente se transformará ou não no pai dos seus filhos.

    Há pessoas que encontram "o tal" mais cedo, que namoram mais cedo e que constroem uma vida a dois que, posteriormente, os leva a pensar na possibilidade de quererem ou não ter filhos.

    Mas pessoas que, como eu, aos 25 (a caminho dos 26) ainda não podem dizer que tenham encontrado alguém que fizesse "vacilar" o seu mundo?
    E que talvez aos 30 podem não ter encontrado e aos 35…

    Aí sim, os anos passam e nem se sabe se haveria a possibilidade de ter um filho, porque a base falhou…

  46. Já tinha planeado casar data marcada e tudo e descobri que estava gravida, foi o pior e o melhor dia da minha vida, estava triste pk sabia que daki a 9 meses tudo o k tinha estruturado e planeado ia mudar drasticamente, mas so de pensar que algo maravilhoso ia acontecer ficava radiante. Graças a deus nao houve pressão de ninguem mas acredito que ser mãe aos 25 anos foi a melhor coisa, agora que 2 anos ja passaram começo a ganhar a liberdade que tantos falam que se perde quando temos filhos mas essa liberdade não me satisfaz pk o que eu gosto mmo e de estar pressa em casa a brincar as bonecas e arrumar tudo outra vez de novo pk srª minha fiha decidiu tirar do lugar.
    acho que hoje em dia esperam mto tempo pa ter filhos kerem se sentir realizados profissionalmente ou ate mmo pessoalmente mas não vejo a razão para um filho ser um impeditivo para tal realização. mas claro cada um com a sua ideia.
    um bjinho a todos e toca a fazer bebes ou pelo menos praticar que ja é bom eheheh

  47. A única coisa com a qual discordo é dizeres que aos 28/30 se está a atingir o "auge" profissional. Infelizmente nesta geração as pessoas com essa idade ainda andam a saltitar entre trabalhos precários, o que provavelmente, para quem até nem se importava de ter filhos cedo, irá protelar a vida a dois e consequentemente os filhos. De resto subscrevo o que dizes.

    Abraço!

  48. O problema não é ter filhos aos 40. O problema é eles terem 20 e os pais sessenta, é haver coisas que já não farão com a mesma juvialidade. E, tendencialmente, não estarão com os filhos quando estes tiverem 40, não os conseguirão acompanhar em programa giros. Serão mais um peso e uma preocupação. Mas como em tudo na vida, há excepções.

  49. Desculpa lá, que eu sei que o tema é importante, mas… uma senhora de 75 anos acabou a maratona à tua frente!!?? eu quero conhecê-la e perguntar-lhe o segredo!! 🙂

  50. Concordo totalmente com o seu texto! Quando eu nasci o meu pai ia fazer 44anos e a minha mãe 42anos, fui a última filha! Tenho agora 26anos e adoro os meus pais e a idade deles nunca foi um problema! Na infância tirando o facto de todos os meus amigos terem pais muito mais novos que os meus e me estarem sempre a perguntar se os meus pais eram meus avós (novamente as pessoas têm a mania de ter opinião sobre tudo…) nunca me senti mal com isso! Aliás acho que foi um privilégio ter nascido na altura em que nasci na vida deles! O problema é que vivemos numa sociedade onde por regra as pessoas só estão bem a criticar as escolhas dos outros, quando muitas vezes não pensam naquilo que fazem da própria vida! Ou se segue um determinado padrão ou então valha-nos Deus, que estamos a cometer um crime!

    Ana

  51. Realmente é uma pressão que se sente muito… não só com a idade, mas depois de casar!! Tenho 26 casei o ano passado e toda a gente me pergunta quando tenho um bebé! Sempre quis ser mãe cedo e ainda pretendo, porque tenho experiencia dos dois casos e acho que ser mãe jovem me trará mais beneficios e que aproveitarei melhor! Tenho tias que foram mães cedo e tias que foram mães mais tarde! as que foram mais cedo hoje têm os filhos criados, têm uma relação quase de irmãos e a vida de casal é muito mais aproveitada uma vez que já têm que se preocupar menos com os filhos que já estão orientados na sua vida! As que foram mães mais tarde, não têm grande tempo para elas, estão mais desgastadas fisica e psicologicamente!
    Mas respeito a decisão de cada um….
    Agora como enfermeira, tenho a dizer que se uma mulher tomar a decisão de ser mãe mais tarde tem que ter em noção que existem certos problemas na gravidez que estão associados à idade, HEllp, Pré-eclampsia, entre outros tantos! Além que se surgir alguma dificuldade em engravidar e posteriormente for provado que tem a ver com infertilidade, os exames e tratamentos podem demorar anos e se ficar provado que não podem ter filhos e optarem pela adopção, também esta parte demora imenso tempo e tem condicionantes a ver com a idade!!! Com tudo isto que idade terá quando conseguir ter realmente um filho??? E depois será que consegue mesmo ter?? e se não conseguir como se vais sentir??? é uma situação que não é fácil de ultrapassar, acreditem*

  52. Bem, nem de propósito. Tenho 30 anos e estou grávida de 8 semanas. Não foi planeado mas é bem-vindo e será amado concerteza. Estou casada à precisamente 2 anos (faz hoje :D) e já há muito que sentia essa pressão. Todos os dias alguém me falava nisso e irritava-me solenemente porque é uma decisão MINHA e do meu marido, aliás como muitas outras coisas na minha vida. Quero lá saber do que pensam, eu é que sei.
    Agora, pensei que ia ter algum sossego mas não. Já me perguntam se pro ano vem o próximo? hello? Admiro os antigos, a sério que admiro. Mas hoje em dia nada é certo e quero ter a certeza que pelo menos um consigo criar. O segundo logo se vê.

  53. Pressão há sempre! É uma questão de lhe ligarmos ou não 🙂
    Fruto duma amizade coloridissima, num mero exame de rotina, "descobri" que estava grávida quase de 3 meses. Ora pensei: tenho 28 anos, tenho a minha casa, o meu carro, o meu emprego e isto não estava nos meus planos, mas já está, venha de lá esse baby!
    Ora esse baby tem hoje 6 anos e vivemos felizes e contentes. Há coisa de 4 anos quando conheci o "giraço que dorme comigo", ele era separado e também tinha um filho com mais 2 anos que o meu. Pois hoje tenho 35 e as pessoas ficam escandalizadas quando digo que tenho o melhor dos 2 mundos, tenho fim de semana sim, fds não, um fds de crianças, os 4 com a casa cheia. e nos outros fds, as crianças vão para a respectiva mãe e pai e somos só os 2… E são fins de semana igualmente fantásticos!
    Nenhum dos 2 quer mais filhos, não temos a menor necessidade do "nosso", temos o meu e o teu e estamos muito bem!
    Se somos egoistas? Bem ao menos somos 2 e não chateamos ninguem 🙂
    O que eu acho piada é que já por mais do que uma vez, pessoas que me chamavam doida e má mãe por gostar dos dias em que o baby vai para o pai, que uns tempos depois de se divorciarem acabaram por concordar na minha teoria "do melhor dos 2 mundos"!

    Beijinhos,
    Joana

  54. Uma vez li a seguinte frase num blog ou fórum: nunca se sabe quanto se deseja um filho até se ser confrontado com a impossibilidade de o ter. A decisão de ter um filho é só do casal, mas infelizmente, a realização desse projecto não depende só da vontade. A biologia ainda é crucial e para as mulheres, a idade é um factor extra. O aumento de gravidezes de risco, de bebés prematuros, de baixo peso, etc. são em parte consequência de gravidezes tardias e ritmos de vida loucos. Isto tudo para dizer que quem ter filhos, deve ter em conta estes factores. Quem não quer ter filhos e é pressionado, tem que arranjar outros amigos e mandar a família arranjar um hobby!

  55. Não acho que quanto mais velhos os pais,mais pacientes.
    Cada um com sua opinião,mais no meu caso concordo com o post anterior,a idade da mae interfere na saude do bebe,ao inves de ter uma gravidez sossegada,pode apresentar alguns problemas sim.

  56. Como já disse por outras bandas, eu amooadoro o meu texugo mas se soubesse o que sei hoje teria continuado na onda das morangoskas.

    Nem penso tão cedo em ter mais crias, talvez aos 36 anos.

    Concordo por completo contigo

  57. Bem, ainda ontem falei sobre este assunto aqui:

    http://fromconcretetochanel.blogspot.pt/2012/05/random.html

    Ainda estou longe do tal limite de idade, mas não é por isso que não sinto a pressão. O pior não é a pressão, o pior mesmo é quando nos olham como se fossemos doentes..acho que as pessoas se acostumaram a fazer o que é esperado que façam. Gosto do facto de haver cada vez mais pessoas a assumirem a sua opção, seja porque razão for, cada um sabe o que quer para a sua vida.
    Para mim, estranho não é não ter filhos; estranho é acharem que é obrigatório ter filhos.

  58. Ufa Obrigada!! Podes colocar este post num Outdoor gigante em Lisboa? Pode ser que essas pessoas que adoram meter-se na vida alheia aprendam alguma coisa. bjs Joana Justo

  59. Concordo com tudo o que disseste e sinto essa pressão na pele: tenho uma filha de 6, 34 anos e agora sinto a pressão de ter outro filho: não quero deixá-la sozinha mas a verdade é que não tenho certezas de que desejo verdadeiramente outro filho. Por outro lado acho verdadeiramente injusto para o futuro bebé que ponha em causa a saude dele (estamos a fazer isso, não vale a pena atirar areia para os olhos e contra mim falo) por uma decisão de comodidade minha…estou na verdadeira indecisão. Mas não posso dizer que essa pressão, embora dolorosa, não deixa de ser válida, se vamos colocar uma criança no mundo temos de lhe proporcionar toda a saúde que dependa de nós e a idade da mãe interfere na saúde do bebé…não há volta a dar

  60. "Anónimo disse…

    Continuo a achar as pessoas que n querem ter filhos muito estranhas!"

    Really?
    Continuo a achar que há pessoas muito estranhas neste pais ah ah ah
    Então agora é-se estranho porque não se quer ter filhos… está boa!

  61. Não percebo o argumento do egoísmo… Mas egoísmo em relação a quê ou a quem? Em relação aos familiares? Em relação ao companheiro? Em relação à sociedade? Em relação a uma hipotética criança? Mas eu ao tomar as minhas decisões pessoais, sem dano para a vida dos outros, no sentido de levar a vida que quero e fazer as minhas próprias escolhas estou a ser egoísta? Estou a tomar como meu algo que devia partilhar com os outros? Então, se eu tiver filhos só para servir os desejos da família, dos amigos, da sociedade, do companheiro ou de uma criança que nem existe, estarei a ser egoísta em relação à vida que sonhei e ao projecto de vida que delineei? Levar a vida que se quer, fazer escolhas e não ceder a pressões não me parece egoísmo, sinceramente. Provavelmente se eu tivesse um filho e mal fosse possível voltasse à minha actividade profissional deixando a criança ao cuidado do pai, familiares ou profissionais, também seria apelidada de egoísta. Portanto, vou continuar a seguir o meu princípio de vida: live and let live! Hei-de ser mãe (algo que faz parte dos meus planos) quando sentir que é o momento para tal. Conheço-me o suficiente para saber que se não for feliz e se não me sentir realizada nunca poderei ser boa mãe.

  62. eu não quero sentir essa pressão mas sinto.

    não quero ter esse preconceito "qd se casam/ tem filhos" mas ainda acho estranho um casal q não o faz/ não tem por opção

    tenho 32 um filho de 8 e se fosse hoje não teria tido tão cedo. teria esperado pelos 35 ou mais… mas a tal pressão… eu mesma achava "q estava na hora" e queria muito.

    hj sei q foi cedo demais

  63. Ainda bem que abordou este tema, tenho 38 e nem imagina a pressão que sinto e a palavra egoísta salta logo. Não percebem que é uma decisão nossa, do casal e poderia ser um acto de egoísmo isso sim, termos um filho com as nossas condições actuais..E ainda acrescem, "é agora ou nunca" BEMMMMMM, POR DEUS, nós sabemos..Então num meio pequeno como o meu, a pressão ainda é maior.
    Um nem haja
    na-provincia.blogspot.com

  64. Pois é Arrumadinho, este tema é bem sério.. A pergunta "ainda não tens filhos? já me foi feita várias vezes mas ultimamente menos. Tenho 36 anos e acho que a partir daqui vão ser menos as vezes em que me vão voltar a perguntar. A idade é uma coisa tramada e para uma mulher é ainda pior. Esta talvez seja a primeira das ditaduras, "amai-vos e multiplicai-vos".
    A experiência que tenho sobre o assunto não é feliz. Tive uma relação de 10 anos que terminou porque ele atingiu a sua idade limite para esperar que eu mudasse de ideias; e porque era demasiado egoísta da minha parte continuar a fazê-lo esperar, não o fez. E fiquei a saber que o tão desejado filho (dele) vinha a caminho quando ainda nos estavamos a separar.. Como vês, muito agradável!..
    As minhas razões não são muito elaboradas – gosto de crianças (já se sabe que boa parte dos que acham que quem não quer ter filhos é porque odeia os miudos é uma treta pegada, mas enfim..) e até acho que iria conseguir estar à altura do desafio. Simplesmente a ideia de um filho para mim é demasiado grande, é algo que eu encaro de forma tão séria que se transforma em medo. E depois tudo o que se segue, a educação da criança, os valores a transmitir. Em cima de tudo isto, a representação das crianças na vida de um casal é quase sempre meio caminho andado para o afastamento entre ambos e não consigo verdadeiramente encontrar um casal que tenho tido filhos e que continue dedicado à relação. Percebo as razões que levam a isso, sei bem o trabalho que envolve, mas é algo angustiante. Talvez o ser mãe não seja para toda a gente. E talvez seja mesmo melhor assim.

    Felicidades!
    Caricas

  65. Acompanho o teu blogue há alguns meses e nunca deixei nenhum comentário, embora goste de os fazer com o meu companheiro e marido. Tenho 34 anos e a tua reflexão assenta-me como uma luva. Casei há seis meses e basicamente, no dia seguinte, a conversa dos filhos chegou por terceiros. No meu caso, não se trata de não os querer. É algo que ambos desejamos. O problema é quando a pergunta "Então, para quando?" se transforma numa pressão e quase numa crítica por ainda não ter acontecido. Não me canso de pensar que deveria haver a sensibilidade para não se fazer este tipo de pergunta que é,no final de contas, uma invasão de privacidade. Por um lado,porque o casal pode não querer efetivamente ter filhos; por outro – e pior ainda, a meu ver – porque o casal pode estar a tentar ter filhos e não o conseguir.
    Obrigada pelas tuas partilhas constantes e parabéns pelo trabalho desenvolvido:)

  66. Não sou pessoa dada a acreditar em coincidências mas hoje, e após ler este teu post, acho que me rendo.

    Hoje o meu dia foi passado a refletir sobre este assunto.

    Casei-me em agosto do ano passado, com 36anos. Agora tenho 37 e para qualquer lado que me vire a conversa é sempre a mesma: e os filhos? Não esperes muito mais!! Já estás com alguma idade!! Depois os teus filhos vão chamar-te de avó!! Não vais ter a mesma paciência!! Etc, etc, etc…

    Obrigada pelo post que "escreveste especialmente para mim". Sou EU e o meu Marido que vamos decidir para quando os filhos e mais ninguém tem nada a ver com isso!

    Tenho dito!

    Sónia Barreto

  67. Pois, curioso o seu comentário e não podia vir mais a proposito. Tenho 35 anos, sou licenciada em gestão hoteleira e claro uma vida profissional preenchida. Estou casada desde setembro passado, no entanto estou junta á 7 anos. Estou grávida de seis semanas e a ver o blogue, porque estou em casa pois tive ameaça de aborto. Vivo como todas as mulheres a mil à hora e agora fui "obrigada" a abrandar. Acho que sinto pressão social desde que nasci…. Começa na carta de condução, depois a faculdade, depois porque temos que casar, enfim…. Claro que estiquei a corta até aos 34, descobri que estava grávida no dia que fiz 35, ufff que alivio, pois na cara da minha familia já só via desespero de estar a fazer 35 anos. Casei para ver se ganhava tempo, mas ainda piorou, é que depois casarmos começa a pressão, agora á séria. Não me arrependo de nada, viajei muito, vivi muito, cresci enquanto mulher e agora sim, acho que era o timming. Sou hoje uma pessoa muito mais equilibrada para tratar de uma criança. Mas a pressão ainda não acabou, agora começa a pressão de " então quantos kilos já engordastes?" e " Então quantos filhos vais querer ter". Socorro….. Já para não falar que o meu marido tem mais 11 anos. 🙂

  68. Muitos parabéns pelo texto.
    Da próxima vez que ouvir "uma boca" ou sentir qualquer tipo de pressão só porque "já tenho" 32 anos nem vou comentar… vou enviar o link para este post 🙂

  69. Como filha de um pai aos 40, tenho grande noção do que falas. Realmente o meu pai era o mais velho de sempre na minha turma, sempre passou passou por meu avô, e sempre o achei muito velho para mim. Ao falarmos disso, ele diz que teve muito mais paciência comigo do que com os outros filhos, que me deu muito mais atenção, e que teve a noção das brincadeiras. Nasci planeada, e com o objectivo de ajudar o meu irmão, que tinha tido um acidente grave, e os médicos acharam por bem os meus pais terem um filho para puxar pelo meu irmão e para eles não viverem só o drama do acidente. Agora com 71 e eu com 31, a diferença não se nota assim por além. Sempre tive um pai, que apesar da idade tem uma mentalidade bem jovem e que não ficou retrógado.
    Quanto à pressão de ter filhos, sim, sofro disso, quase todos falam sobre isso, e curiosamente o meu pai é dos únicos a respeitar a minha ideia!

  70. Continuo a achar as pessoas que n querem ter filhos muito estranhas! Em consciência não critico mas no fundo tenho tendência a não gostar desse tipo de pessoas.. Enfim. É obvio q com 50 anos ainda tens muita vitalidade mas acho q n se trata bem disso, pelo menos para mim a maior preocupação seria morrer na juventude dos meus filhos, imagina q aos 65, os filhos sao muito novos para ficarem órfãos! Nem falo da questão de provavelmente nunca teres um neto nesse caso… Mas cada um tem as suas prioridades, mas a mulher pode ter serias complicações numa gestação tardia, não é a maioria que corre bem… Dai a pressão.

  71. Essa pressão é tanto para ter filhos como para casar ou arranjar par. Nunca pensei que aos 27 anos de idade me fizessem sentir velha, quando, da maneira como me vejo a mim própria, por vezes acho que tenho a garra e os sonhos de 21…Os meus pais não são novos mas têm muito mais energia do que muitos casais de 40-50 anos. A jovialidade é uma atitude e não algo que seja determinado pelo BI…

  72. Incrivel como este texto se reflecte na minha pessoa!!
    Recém casada, diferente do normal, casei na Indonésia, somos um casal dado ao desporto das ondas e só por termos casado temos obrigatoriamente que ter um filho???
    Este texto trasmite ás pessoas que me " pressionam" o porquê de não ter crianças, e sim, tenho 37 anos mas decididamente não os vou ter só porque as pessoas acham que está na hora, e eu pergunto, na hora de quê?? se eu estou tão bem com a vida que tenho…

  73. Concordo com o que escreveste Arrumadinho. Eu tenho 21 anos e de momento (não sei se um dia virei a mudar de opinião ou não)sei que não quero filhos e acho que esta década é para aproveitar e desfrutar da vida. No entanto quando partilho a minha opinião com as pessoas, elas ficam muito chocadas como se fosse algo anormal o facto de eu não querer ter filhos. Acho que as pessoas param no tempo. O que eu digo muitas vezes é "eu não tenho que fazer aquilo que a sociedade diz que é 'normal'".

  74. Concordo com o que dizes em relação às pressões, mas não tanto com o "egoísmo" de não querer ser pai – aí já acho que… depende dos casos, há muita gente que joga a cartada do "mais vale não ter um filho, do que ter um a quem não possa proporcionar uma boa vida". Numa nota à parte, sinto que hoje em dia existe uma certa crença na juventude eterna. E o dizeres que aos 50 anos poderás (e com certeza que sim) carregar o teu filho ao colo, brincar etc, julgo que é um sintoma dessa crença. Eu, agora com 28 anos, não consigo perceber se ela tem fundamento ou não. Será que as pessoas da nossa geração vão realmente manter-se mais jovens e viçosos (em todos os aspectos) até muito mais tarde, quando comparadas com os nossos pais e avós, ou estaremos nós a enterrar a cabeça na areia? Não sei… é apenas uma reflexão.

  75. Apetecia-me dizer tanta coisa, mas tanta coisa mesmo sobre este assunto… Seria capaz de estar aqui um dia a discorrer sobre ele… Há tantas coisas implícitas neste post… Apenas para resumir, dizer que sou mulher, mãe de 3 filhos,de 20, 15 e 11 anos, tenho 45 anos e, embore ame os meus filhos de paixão, se fosse hoje não os teria tido tão cedo…

  76. Concordo. Ainda ontem falava de algo parecido num grupo, as pessoas tendem a fazer muitas coisas cedendo á pressão dos outros. o casamento na igreja, por vezes, é outro exemplo. Os filhos são aquela coisa que na sociedade parece imprescindível, as pessoas tomam os filhos como uma coisa que tem de haver sempre. Eu tenho 24 anos, o meu namorado 30 e uma relação de 8 anos, imagina o que é ouvir quase diariamente "Quando te casas?" e "Quando planeias ter filhos?"

    As pessoas nem se dão ao trabalho de pensar que talvez não queiramos fazer nenhuma das 2 coisas e se pensam, pensam que se não o fizermos somos uns deficientes mentais.

  77. Ter um filho é antes de mais (ou deveria ser) uma decisão a dois.
    Isto se não estivermos a falar de relações assumidamente monoparentais.
    E aqui reside o grande celeuma e talvez a razão desse adiamento.
    Podem culpar o trabalho e a afirmação profissional (algo que temos de levar desde o primeiro até ao último momento se queremos ter um fonte de rendimento minimamente "estável"), mas o adiamento dá-se por razões totalmente egoístas.
    E não num sentido pejorativo, atenção. Quando se quer ter um filho temos mais é que pensar em nós e percebermos até que ponto estamos preparados para isso.
    Porque o resto, quando se quer, faz-se acontecer.
    Não me venham com tretas, porque se há coisa que sempre tive de fazer foi lutar por tudo o que tenho. E isso inclui ter um filho aos 26.
    Não concordo que pais mais velhos sejam mais pacientes. Não me vejo a ser mãe pela primeira vez aos 40. Acho tarde. Mas isto sou eu, que não impinjo a minha noção das coisas a ninguém ou sequer faça comentários de qualquer espécie sobre as opções de vida dos outros.
    O relógio biológico não é senão um reflexo de espelho dos desejos dos outros que se vai fazendo sentir.
    E com isso também não concordo.
    Filhos e pressão são das coisas mais incompatíveis que existem.

DEIXE UMA RESPOSTA